Favoritos

default

por   /  13/11/2007  /  3:52

e na montanha-russa que era aquela vida, ela já nem sabia mais o que era passar dias seguidos em paz. já tinha se acostumado a felicidades tão profundas quanto a mais desesperada angústia. era o padrão. mesmo que soubesse que aquilo ali envelhecia não só as linhas de expressão do rosto como a cabeça e coração, pensava: tenho que parar.

mas parecia que ela tinha sido atingida pela maldição do “passaporte da alegria”, aquele que na época do colégio custava 12 reais e dava direito a diversão infinita _mesmo que nenhum infinito durasse mais do que cinco horas de repetidos rodopios, viradas de cabeça pra baixo e subidas e descidas frenéticas em brinquedos que são acintes à gravidade.

ela esperava ansiosa por aquele friozinho na barriga. quando chegava no topo da montanha, ah, que paraíso. no looping, ops, até que tá legal, mas chega logo na linha reta, porra! ok, voltamos… sobe de novo, ah, o céu, tão perto, que lindo.. mais um looping infernal, ai, ai ai. isso sim é capaz de desestruturar qualquer mínima sanidade.

dormindo, sonhou que caía. sentia aqueles movimentos insanos que enchiam seu peito de felicidade, para, segundos depois, deixarem um vazio enorme. prometeu que ia para com aquilo. mas como criança que sabe o êxtase que é passar um dia inteiro em um parque de diversões, cogitou que talvez quisesse mais… sabia que o repeteco ia ir e vir e vir e ir até que ela sentisse: tô velha, cansada, me amarra em cima de uma cama que eu não posso mais com essa brincadeira que é o amor.

* foto do flickr de patrice beaudouin 

o quase substituto

por   /  07/11/2007  /  1:20

jonathan richman é minha nova cat power. não que alguém um dia vá conseguir essa proeza de substituir meuamorminhapaixão. mas o cara é foda. tem uma voz “marcante”, nada pasteurizada. e escreve letras incríveis. antes que eu comece a falar um blábláblá, vamos aos exemplos.

começando por “you musk ask the heart”, título que, por si só, já vale o disco inteiro. mas não contente em ser genial, o cara fez uma letra com o mesmo nome. e é bem isso aí:

don’t ask me about love
cuz i’m the wrong guy
i don’t know how love happens
and i don’t know why
i analyze and that’s not bad
but i never find love i always find love’s shadow
i’m okay for fantasy,
but for the truth about love ask him and not me

depois ele vem com “let her go into the darkness”:

well, she’s back with her old boyfriend,
he don’t challenge her, he don’t contend with her
and she don’t answer the cards you send,
and you’re jelous of the time that he spends with here

pra depois emendar com “nothing can change this love i have for you”:

you can make me weep or you can make me moan
tell me just you got back, darling
i´ll just say “well, welcome home now”

e no mesmo disco ele ainda faz uma versão de “amorcito corazón”! =~

depois do amor, o humor. e jonathan sabe fazer isso também. seja em “just because i´m irish” (just because i’m Irish he thinks that i should know… every irish bar in manhattan /he who was born by galway bay /where they socialize more than we do here in the usa) ou emuma das minhas preferidas, “pablo picasso”, cuja letra diz:

well some people try to pick up girls
and get called assholes
this never happened to pablo picasso
he could walk down your street
and girls could not resist his stare and
so pablo picasso was never called an asshole

então é isso, né, gente? abram o soulseek e baixem tudo desse cara. em um dia mais inspirado, enumero mais algumas razões pra vocês se apaixonarem também. no meio tempo, fiquem com “abdul and cleopatra”.

amor  ·  música

am.. cora..

por   /  02/11/2007  /  5:31

amorcito corazón yo tengo tentación de un beso
que se pierda en el calor de nuestro gran amor, mi amor

yo quiero ser, un solo ser, y estar contigo
te quiero ver en el querer para soñar

en la dulce sensación de un beso mordelón quisiera,
amorcito corazón decirte mi pasión por tí

compañeros en el bién y el mal
Ni los años nos podrán pesar,
amorcito corazón serás mi amor 

amor  ·  música

you must ask the heart

por   /  02/11/2007  /  4:44

– o que você quer?

– que passe logo.

fechou a porta. abriu a pasta de músicas e deu de cara com maysa, que profetizou:

– “olha, não vou querer mais, não vou poder mais teu olhar na minha vida.”

– porra, maysa, assim tão direto?

– “embora eu te queira tanto, sabe?”

– bem hoje que acordei reafirmando aquela certeza de que encontrei o novo grande amor da minha vida…

– “me deixa só, errada, complicada…”

– porque defeitos eu tenho vários, e a sensação é que nunca fui suficiente.

– “eu prefiro amar tua distância a morrer em outra despedida”

– …

– e ouve aí…

amor  ·  música

one more time

por   /  01/11/2007  /  16:11

Nossos objetos de amor talvez sejam sempre assim, familiares até o dia em que, na hora de uma separação, a própria paixão os torna totalmente estranhos. (…) A história de Rímini e Sofía me evocou um trecho da autobiografia de Tchecov (“Minha Vida”, ed. Nova Alexandria), em que o escritor comenta que o ditado “tudo vai passar” pode tanto aliviar nossa tristeza com a idéia de que dias melhores virão quanto mitigar nossa euforia com a idéia de que as vacas magras voltarão. Mas, por útil que seja, essa sabedoria é falsa: nada passa, nunca; tudo o que acontece é indelével. Acrescento: sobretudo os amores, por mais que acabem, continuam vivendo, subterrâneos, dentro de nós, porque, bem ou mal, são essas as vivências que mais nos formaram e transformaram. (…)

Não funcionamos diferente: é possível guilhotinar os amores do passado ou (menos radical) apagar seus números de nosso celular, é possível até queimar fotografias -embora dificilmente sacrificaremos aquele desenho que compramos juntos, num sábado, na praça Benedito Calixto. De qualquer forma, mais que a lembrança, os rastros do passado sempre assombram o presente e o futuro.  Quando decretamos novos começos, ilusórios ou não, nem por isso conseguimos apagar nossa história: podemos apenas contá-la mais uma vez, quem sabe revisá-la ou corrigi-la, para pior ou para melhor.

contardo, meu muso

amor  ·  analyze this