Favoritos

i see a darkness

por   /  20/08/2009  /  22:49

darkness

são paulo pediu pra todo mundo parar. antes das 7h da noite desta quinta-feira chuvosa, desligou as luzes e cortou o sinal dos celulares. sem tv, sem aparelho de som, sem geladeira, sem microondas, só com o que resta da bateria do computador _que, sem internet, não vale tanta coisa hoje em dia.

sem telefone pra, ao menos, chamar a vizinha pra fazer companhia. ou ligar pra alguém e esbravejar um TINHA COMO FICAR PIOR, E FICOU. como fui a primeira a chegar em casa, não tenho nem com quem brincar daquele jogo de sombras na parede, grande lembrança das noites sem luz da minha infância. meu irmão tinha a coleção de escoteiro de huguinho, zezinho e luizinho, e eles ensinavam a fazer jacaré, cachorro, lobisomem. será que as crianças de hoje ainda fazem isso?

do lado direito da pia, junto do liquidificador e de uma fileira de potencialmente deliciosas geléias que nunca são abertas, fica o copo cheio de velas. hábito ensinado por mãe e tias esse de ter velas pra emergência sempre no mesmo lugar. caso contrário, como você encontra luz na escuridão? pequenas grandes sabedorias do cotidiano.

na escuridão não dá para fazer nem o mais prosaico que uma casa exige, que é separar as mudas de roupas e colocá-las em cima da cama de seus respectivos donos. não dá pra preparar uma comidinha, tampouco ver aqueles dvds sobre a história do jazz. nestes tempos de multitasking, fica difícil ter tão pouca opção.

opa, voltou o sinal do celular. vamos ligar pra eletropaulo. um, dois, três, quatro, cinco minutos. e tenho a notícia: foi preciso desligar uma estação transformadora para fazer reparos em fios partidos. o bairro inteiro está sem luz. previsão de volta ao normal: 9h30 da noite, uma hora e quarenta e cinco minutos a partir de agora.

minha bateria não dura tanto.

vou ali pensar na vida. no escuro e no silêncio, esperando a vela derreter.

* a foto é de jenni penni

presente de grego

por   /  20/08/2009  /  13:33

Estava apaixonada, mas ele decidiu me deixar. Para amenizar a ruptura, ele propôs uma viagem de despedida de uma semana em Sevilha. Gostei da idéia, embora me parecesse dolorosa. Mas aceitei, e fizemos a viagem. No último dia, ao ver minhas lágrimas enquanto comíamos, H. contou-me um segredo. Era um segredo terrível, uma história que havia atormentado a sua vida, e agora ele estava confiando a mim. Só a mim. No mesmo instante em que me privava de seu amor, aquele homem me presenteava com a última prova de nossa intimidade.

Sophie Calle em “O presente”, que faz parte de “Histórias reais”

amor  ·  analyze this  ·  arte

uma fotografia que me inspira

por   /  19/08/2009  /  2:57

candycigarette

dezenas de fotos me inspiram diariamente, como vocês podem perceber por aqui. é difícil escolher apenas uma. mas, hoje, fico com “candy cigarette”, de sally mann. porque adoro esse poder que uma foto tem que provocar impacto. e uma criança segurando um cigarro, mesmo que de açúcar ou chocolate, com cara de poucos amigos e nenhuma brincadeira, se encaixa nessa categoria. e o olhar da filha de sally é algo que eu quero aprender a capturar um dia.

e sabe porque hoje eu escolhi essa foto? porque hoje, 19 de agosto, é o dia mundial da fotografia. e o pessoal do foto na parede convidou alguns blogs para uma promoção. funciona assim: você deixa um comentário dizendo qual é a foto que mais inspira você e porquê. entre hoje e sexta, vocês podem comentar. aí eu escolho a melhor resposta, que vai ganhar a foto “unknown worlds”, de victor bonomi, no tamanho 20×30 cm. o resultado será divulgado no dia 25 de agosto.

legal, né? se animem aí nos comentários!  =)

vários blogs legais participam da promoção. confiram:

Imagem Papel e Fúria

Fotografando

Olha, vê

Bem legaus

Lente Aberta

Daniel Mituso

Porta de Geladeira

Grupo de Foto

Brincando de Casinha

Laranja é a cor do vestido dela

Pólo de Fotografia

FotoColagem

Complete a frase

Pólo de Fotografia

Bruna Prado

Nossa Parede

o amor segundo jason molina

por   /  19/08/2009  /  1:18

jason

tonight, little darling, my heart’s with you. bastava essa frase para que jason molina conquistasse meu coração, mais uma vez. mas ele continuou. how long will i miss you? e, jason, vou te falar. faz uns meses que eu penso em quanto tempo a gente leva para deixar de sentir falta de alguém. são tantas as fases que eu encheria o teu saco se as enumerasse aqui. preferia ouvir você tocar violão num lugar perdido de uma cidade sem luz, em que o todo barulho teria virado silêncio.

engraçado como tem coisas que a gente só entende depois de muito tempo. e hoje, no caminho pro trabalho, tive uns dois minutos disso quando ouvi “flor de lis” (sim, aquela música que toca na festa da turma, no espetinho da esquina): será, talvez, que minha ilusão foi dar meu coração com toda força pra essa moça me fazer feliz? e o destino não quis me ver como raiz de uma flor de lis? (…) e o meu jardim da vida ressecou ou morreu, do pé que brotou maria, nem margarida nasceu.

é que quando um amor acaba ou é forçado a acabar, o jardim ficar sem cor. não tem semente fértil ou arranjo de floricultura que faça você ter vontade de transformá-lo. demora um tempo até passar. quando tu descobrir a resposta, jason, canta pra mim? nesse meio tempo, te faço companhia, pra tu não se sentir tão solitário como o primeiro fantasma que existiu.

de repente, tu pega o violão e entoa uma calmaria: well, you take that map of the falling sky and lay it across your heart / and the loneliness between us is right where you are, como em “map of the falling sky”. enquanto isso, little darling, nossos corações vão vagar por aí, em busca de uma esperança que os recomponha.

* “shenandoah”, “map of the falling sky” e mais 12 faixas compõem “josephine”, novo álbum do magnolia electric co., uma daquelas bandas que têm o poder de preencher todos os espaços do coração da gente. jason molina, que um dia foi songs:ohia e hoje é o frontman do magnolia electric co., é capaz de fazer blues e country rock como só alguém que ouviu muito neil young nessa vida consegue. uma das melhores coisas que ouvi neste ano, sem dúvida.

a foto é de kyle johnson

amor  ·  analyze this  ·  escreve escreve  ·  especial don't touch  ·  fotografia  ·  música