Favoritos

dont touch my mixtape: faça a sua

por   /  14/11/2012  /  16:44

Queridos, que tal aproveitar o feriadão pra fazer mixtapes pro Don’t Touch?

O tema? Mixtapes para quando se está apaixonado! ♥

Quais são as músicas que vocês gostam de ouvir quando estão nesse estado romântico?

Vale todo tipo de música, e o tamanho da mixtape é definido por cada um de vocês.

A ideia é que vocês façam essas mixtapes usando o Rdio, site no qual o Don’t Touch é um influenciador (detalhes aqui > www.donttouchmymoleskine.com/um-jeito-novo-de-ouvir-as-mixtapes-do-dont-touch/)

O autor da mixtape mais legal ganha dois meses de assinatura no Rdio!

E aí, vamos começar?

Passo a passo:

1. Crie uma conta no Rdio > www.rdio.com

2. Encontre o Don’t Touch > www.rdio.com/people/donttouchmymoleskine

3. Escolha suas suas músicas

4. Crie uma playlist! É importante que a playlist tenha o nome Dont Touch My Mixtape e seja acompanhada pelo seu nome. Exemplo: Dont Touch My Mixtape | Por Maria XXX

5. Compartilhe a playlist com o perfil do Dont Touch no Rdio (www.rdio.com/people/donttouchmymoleskine)

Só isso! Simples, né?  =)

Espero as seleções de vocês!

O resultado sai no dia 26/11.

amor  ·  especial don't touch  ·  mixtapes  ·  música

feliz aniversário, neil!

por   /  12/11/2012  /  23:58

Neil Young faz aniversário hoje! E eu aproveito pra celebrar o quanto ele é importante na minha vida, há tanto tempo ♥

Pra comemorar, uma música nova do novíssimo “Psychedelic Pill”.

“Driftin’ back” tem 28 minutos! Dá pra acreditar? Ouçam!

amor  ·  arte  ·  auto-ajuda  ·  fotografia  ·  música

querida cat power

por   /  08/11/2012  /  15:10

Querida Cat Power,

Estou preocupada com você. Você não me conhece, mas eu acho que te conheço profundamente.

Primeiro por conta das suas músicas que eu tanto amo e com as quais tanto me identifico em diferentes momentos da vida. Segundo porque acompanho sua vida pelo Instagram. E terceiro porque li uma biografia sua; não autorizada, é verdade, mas uma jornalista não ia mentir do começo ao fim. Sei que você era apaixonada pelo seu pai, que era músico e não deixava você brincar no piano, sei que você tem medo de ter esquizofrenia, como sua mãe. Sei também que o que você mais queria na vida era um amor que transformasse essa coisa de ser cantora num hobby, numa atividade esporádica, enquanto você ficaria em casa entre afazeres domésticos, cuidando dos meninos que não iam parar de brincar.

Há uma semana, te vi ao vivo. Acho que pela quinta ou sexta vez. Te vi no Tim Festival, no interior de São Paulo, em umas duas casas de show por lá. Dessa vez foi em Nova York, a cidade pra qual você escreveu “Manhattan” e já antecipou o que vou ouvir depois de morar aqui, fazer amigos, conhecer cada pedacinho e perceber que tudo muda muito rapidamente.

A casa estava cheia, antes de você entrar um cara do Occupy Wall Street falou sobre como a gente deve parar de procurar um herói quando se olha no espelho. Bob Dylan te dava as boas vindas através da caixa de som. Você entrou com seu novo cabelo moicano, descolorido, calça preta, jaqueta azul marinho, botas e uma canequinha que parecia de chá. Sua voz estava meio rouca, de quem está gripada e toma xarope e remédio há uns dias. O cenário era lindo, tinha um pedaço de um triângulo que recebia diversas projeções, ora com imagens de crianças, ora com desertos, ora com explosão de cores.

Você tentava cantar. E quando conseguia era tão bonito! Mas na maior parte do tempo você parecia brigar com o som, com você mesma. É como se você tivesse fazendo MUITO esforço pra estar ali. Nos seus olhos, a tristeza era tão grande que fez a gente chorar junto. As revistas sabem ser uma chatice, e uma delas nos contou que o seu ex-namorado casou com uma modelo quatro meses depois que vocês terminaram. Ninguém se recupera disso rapidamente. E a impressão que dá é que você voltou a ser a Chan de antes do “Jukebox”, a Chan dos excessos (de droga, de bebida?), que sempre deixava o público sem saber se o show seria maravilhoso ou uma porcaria.

O seu foi maravilhoso e muito triste. Você tem uma força enorme e emociona a gente quando faz uma versão parecida com a do disco pra “Manhattan” e outra quase irreconhecível pra “I don’t blame you”. Você reclama do som, é como se quisesse a perfeição na hora de se mostrar, pra que ninguém veja que você está em pedaços. Dá medo, porque parece que a qualquer momento você pode deixar de conseguir cantar, de subir em um palco. E a gente não quer isso.

Por isso te escrevo essa carta, na esperança de que você encontre essas palavras bobas e pense no quanto tanta gente ama você nesse mundo. Fica boa, fica forte. Daqui a gente espera que esse amor chegue no seu coração e traga alegria e serenidade.

Se cuida, Chan, você é fantástica.

Um beijo,

Dani

_________________________________________________________________________________________

Escrevi essa carta depois de ver o show da Cat Power na última semana de outubro no Manhattan Center Hammerstein Ballroom, em Nova York.

A revista Noize publicou a carta. Vão lá ver! > http://noize.virgula.uol.com.br/carta-aberta-para-cat-power-enviada-por-daniela-arrais/

amor  ·  arte  ·  escreve escreve  ·  especial don't touch  ·  fotografia  ·  música