Favoritos

O cotidiano banal de Stephen Shore

por   /  31/03/2014  /  14:00

A capa do livro que reproduz uma guia de revelação de filme analógico me chamou a atenção. Comecei a folhear aquelas páginas e encontrei fotos de um dia a dia sem filtro nem glamour. Pelo contrário: aquelas cenas davam espaço para uma refeição que não apetece aos olhos, um banheiro que acabou de ser usado, uma cama com lençóis sujos.

O livro era “American Surfaces”, de Stephen Shore, 66, fotógrafo norte-americano pioneiro no uso da cor – e um dos primeiros a ter suas fotos de cenas banais do cotidiano reconhecidas pelo mundo da arte.

Ele foi o primeiro fotógrafo vivo (segundo o livro; e o primeiro, segundo a Wikipédia) a ganhar uma exposição individual no Met (Metropolitan Museum of Art). Bem antes disso, Shore já atuava com determinação. Aos 14 anos, telefonou para o então curador do MoMa, Edward Steichen, e conseguiu vender três fotografias. Aos 17, conheceu Andy Warhol, passou a frequentar a Factory e a fotografar seus personagens icônicos.

Em “American Surfaces”, criou um diário visual das road trips que fez pelos Estados Unidos entre 1972 e 1973. O resultado é fascinante porque é muito simples – e nos leva a passar minutos criando histórias para cada uma de suas cenas.

Encontrei uma definição perfeita de Shore sobre o que faz: “Uma frase de que gosto muito chega perto de explicar minha atitude em relação a tirar fotografias. ‘A poesia chinesa raramenta ultrapassa os limites da realidade. Os grandes poetas chineses aceitam o mundo exatamente como eles o encontram em seus termos e sua profunda simplicidade. Eles raramente falam de uma coisa pensando em outra, mas são capazes e seguros o suficiente como artistas para fazerem os termos exatos se tornarem belos termos’.”

Coloco aqui algumas fotografias dele pra gente ver juntos.

Para saber mais sobre o fotógrafo, acessem > http://stephenshore.net/

amor  ·  arte  ·  escreve escreve  ·  especial don't touch  ·  fotografia

Vai dar tudo certo

por   /  28/03/2014  /  13:00

Tanta coisa acontece em um mês que, de repente, não consegui aparecer por aqui. Volto aos poucos, com vontade de dividir com vocês tantas coisas lindas que vi por aí!

Pra começar, uma mixtape para aqueles momentos de surpresa e dúvida, de agonia e alegria, que depois se transformam na certeza de que tudo se resolve.

A mixtape começa e termina com músicas que eu tenho ouvido obsessivamente. A primeira é “The Upsetter”, do Metronomy, e a última é “Mi Mujer”, do Nicolas Jaar.

No meio do caminho, mais um monte. Quase tudo com umas batidas repetitivas que têm funcionado como meditação pra mim. Tem Grimes, Bonobo, Mount Kimbie, Disclosure, Daedelus, Gold Panda, Purity Ring, Samiyam, Sun Glitters, Flying Lotus, Shlohmo, SBTRKT, Four Tet, FaltyDL e Stéphane Pompougnac.

A foto que escolhi pra ilustrar é o Echo the Sun.

Ah, assinem a mixtape no Rdio – é sempre muito legal ver as carinhas de quem escuta as seleções!

Espero que vocês gostem. E oi de volta! ♡

amor  ·  especial don't touch  ·  fotografia  ·  mixtapes  ·  música