Favoritos

#primeiroassedio

por   /  27/10/2015  /  20:00

primeiroassedio

Quem usa Twitter e Facebook já deve ter se deparado com a hashtag #primeiroassedio, que surgiu na semana passada e já reúne milhares de histórias. Ler esses relatos traz muita dor e revolta. Ao mesmo tempo, nos dá força. Todas nós temos histórias assim pra contar. Elas ficaram escondidas por muito tempo, mas uma vez que começaram a ser expostas, acabaram nos deixando próximas, mais fortes, com a certeza de que nunca mais ficaremos caladas diante de absurdos.

A campanha foi criada pelo Think Olga, think thank feminista que eu admiro diariamente. Em um post no site, a Juliana de Faria, idealizadora do movimento, conta sobre seu #primeiroassedio e fala sobre os desdobramentos da campanha. Não deixem de ver a fala emocionante dela no TEDxSão Paulo (tem no fim deste post também).

Uma menina de 12 anos se inscreve no programa de televisão, pois ama cozinhar. Na internet, homens se sentem atraídos por sua aparência e, ignorando sua idade, resolvem tecer comentários de cunho sexual sobre a criança. o fato gera revolta nas redes sociais, mas não é preciso ir longe para encontrar histórias parecidas: basta pedir para que as mulheres olhem para o próprio passado.

Quando elas são convidadas a contar a história da primeira vez que sofreram assédio, descobrimos que esse comportamento é muito mais comum do que se imagina – e só é preciso imaginar pois esse terror vive escondido sob um manto de culpa e segredo tecido pelo machismo para acobertar os homens e culpar as vítimas. (…)

Nossa jornada contra a violência contra a mulher, via Chega de Fiu Fiu, nos mostrou que, enquanto mulheres, NÃO temos o controle da nossa vida sexual. Somos iniciadas por meio de um ritual bárbaro e sádico – e grande parte dos crimes, 65%, são cometidos por conhecidos. Ou seja, aqueles em que mais deveríamos confiar. Adentramos, então, nessa área tão delicada da vida de forma totalmente despreparada, cheias de dores, traumas e ansiedades.

Mas também descobrimos que anos de silêncio têm a capacidade de tornar as vozes ensurdecedores quando redescobertas. Nunca duvide do poder das redes sociais para provocar reflexão e empoderamento. A Internet é feita de pessoas e é a partir delas que as mudanças acontecem. Nesse caso, para o bem e para mostrar um problema que está longe de acabar, mas que felizmente a hashtag ajudou a mostrar que existe, sim, e muito, e que é preciso não ignorar as vítimas, mas responsabilizar quem colabora com a manutenção de sua existência – nem que seja com uma “brincadeira” no Twitter.

Leiam o texto completo > Hashtag Transformação: 82 mil tweets sobre o #primeiroassedio

Leiam também a entrevista que fiz com a Ju > Precisamos falar sobre feminismo

amor  ·  feminismo  ·  internet  ·  vídeo

Trilha: Músicas para ouvir na estrada – e no sereno

por   /  20/10/2015  /  10:00

M

A nova mixtape até começa com Tom Waits e Wilco, mas depois fica tão indie que até fiquei com saudade dos meus 20 anos!

Tem Boomgates, Lower Plenty, Twerps, com um Thin Lizzy pra balancear. Eu que não gosto de repetir banda abri exceção, só pra ficar no mesmo mood gostoso, naquela vontade de pegar a estrada, chegar em um sítio no meio do nada, esperar a chuvinha e ficar curtindo a vida…

A foto é de Maud Chalard.

Ouçam comigo! 

amor  ·  especial don't touch  ·  fotografia  ·  mixtapes

Escutar é se arriscar

por   /  14/10/2015  /  12:12

Silêncio

As pessoas não escutam porque escutar é se arriscar. É se abrir para a possibilidade do espanto. Escancarar-se para o mundo do outro – e também para o outro de si mesmo. Escutar de verdade é se entregar. É esvaziar-se para se deixar preencher pelo mundo do outro. E vice-versa. Nesta troca, aprendemos, nos transformamos, exercemos esse ato purificador da reinvenção constante. E, o melhor de tudo, alcançamos o outro. Acredite: não há nada mais extraordinário do que alcançar um outro ser humano. Se conseguirmos essa proeza em uma vida, já terá valido a pena.

Por que as pessoas falam tanto?

Mais um texto maravilhoso da Eliane Brum. A foto a @luizavoll tirou especialmente pra mim, em uma loja na Itália <3

 

amor  ·  fotografia  ·  literatura  ·  vida

#vitrinedonttouch: Adriano Brodbeck

por   /  14/10/2015  /  8:08

Adriano Brodbeck 2

No #vitrinedonttouch de hoje, vamos conhecer o trabalho do fotógrafo Adriano Brodbeck.

“As coisas que mais me inspiram em fotografar são lugares e pessoas. O clima da foto pra mim é o mais importante, é tu olhar ela e querer estar naquele lugar, naquela situação, aproveitando aquele momento, pensando sobre aquilo que está vendo ou conhecendo a pessoa fotografada, querendo saber mais sobre ela”, diz. Neste post vocês veem retratos do Bill Murray Project.

Adriano Brodbeck 3 Adriano Brodbeck 1

Trilha: Despertar da consciência, parte 2

por   /  09/10/2015  /  10:10

Arvida Bystrom 2

O caminho é sem volta, e acabou que eu fiz a parte 2 da mixtape Despertar da consciência, só com músicas que deixam a gente naquela vibe.

Tem “Aquarius”, do musical “Hair”, Gal, Vinícius, Clara Nunes, Marisa Monte, João Donato, Ruy Maurity, Bethânia, Gil, tanta coisa…

Espero que vocês gostem!

A foto da vez é da Arvida Bystrom.

Para ouvir a primeira parte > Despertar da consciência

Ouçam! ♡

amor  ·  especial don't touch  ·  fotografia  ·  mixtapes  ·  música

#vitrinedonttouch: Mariana Sales

por   /  09/10/2015  /  8:08

@marianaonete

No #vitrinedonttouch de hoje vamos conhecer a Mariana Sales, artista visual cuja poética está ligada ao feminino, à expressão do corpo e à existência.

“Venho trabalhando com arte desde de 2012, fazendo ilustrações para capas de disco, livros, exposições (coletivas e individuais). Também participei como quadrinista dos projetos Zine xxx e Mulheres nos Quadrinhos.”

Mais em > www.cargocollective.com/Mariana-Sales + www.facebook.com/marioneteillustrations

 

@marianaonete2 @marianaonete3

MS 4

MS 0

MS 1 MS 2 MS 3

#vitrinedonttouch  ·  amor  ·  arte  ·  especial don't touch

#bibliotecadonttouch por Liliane Prata

por   /  07/10/2015  /  10:10

Lili

A #bibliotecadonttouch desta semana é da Liliane Prata (@liliprata)!

Ela é jornalista e escritora. Autora de oito livros, entre juvenis e adultos (o mais recente é “Eu odeio te amar”), posta crônicas e vídeos no seu lilianeprata.com.br (adoro os vídeos dela, aliás!) e é editora da revista Claudia.

IMG_8507

“A redoma de vidro”, de Sylvia Plath

IMG_8508

“Plataforma”, de Michel Houllebecq

IMG_8509

“A paixão segundo G.H.”, de Clarice Lispector

IMG_8510

“Bonsai”, de Alejandro Zambra

IMG_8511

Trecho de crônica da Martha Medeiros

IMG_8512

“Capitães de Areia”, de Jorge Amado

#bibliotecadonttouch  ·  amor  ·  especial don't touch  ·  fotografia  ·  internet  ·  literatura

A imbecilidade organizada com a internet

por   /  07/10/2015  /  9:09

marias, javier

A internet tem coisas maravilhosas, mas há algo que é novidade: pela primeira vez a imbecilidade está organizada. Sempre houve imbecilidade; imbecis iam ao bar, tornavam públicas as suas imbecilidades, mas é agora que se organizam, com grande capacidade de contágio. E há um problema agregado: as pessoas se intimidam diante de internautas exaltados e se desculpam sem motivos. E as pessoas sofrem represálias. É truculência. E não há melhor forma de a truculência triunfar do que se intimidando e se amedrontando.

Javiér Marias, autor espanhol que eu adoro, em entrevista ao El País

internet  ·  literatura  ·  vida