Favoritos

Resultado da busca "amores anônimos"

Amores Anônimos, o livro!

por   /  27/09/2016  /  15:15

a1

Eu sou apaixonada pelo @amoresanonimos. Todo dia entro na hashtag e me impressiono. Com o tanto de amor que existe no mundo, com a capacidade de cada fotógrafo de capturar cenas que dizem tanto, com essa coisa de voltar o celular mais pro outro do que pra selfie. Um dia, vendo essa foto do @gnunes, pensei: esse projeto devia virar um livro. As fotos são cada vez mais bonitas, mais gente devia ter a chance que se encantar também.

A gente ama a internet, mas tudo por aqui é tão rápido, né? De repente veio uma vontade de ir pro offline, fazer uma publicação, pensar em algo mais perene. A Luiza Voll gostou da ideia, a Yana Parente também. Com Yana, tiramos um sonho antigo do armário: o de abrir um selo, uma nanoeditora. O ‘Amores Anônimos’ é Contente e Capote Books.

É também uma montanha russa, uma gincana de desafios, erros, acertos e aquela coisa de aprender um monte. E ainda traz aquela ansiedade de festa de aniversário de criança, quando a gente acha que ninguém vai aparecer. Por isso, peço: venham celebrar com a gente! Amanhã, quinta-feira, na Livraria da Vila. Esse livro só vai fazer sentido quando chegar nas mãos de vocês 💕

Ah, antes de terminar, preciso contar: o livro tem prefácio do Gregorio Duvivier (!!!), texto da Aurea Vieira, produção da Juliana Morganti e da Clarissa Amorim e impressão da Ipsis Gráfica. Timão!

#amoresolivro #amoresanônimos

Lançamento: nesta quinta (29/09), das 19h às 22h, na Livraria da Vila (rua Fradique Coutinho, 915, Vila Madalena, São Paulo).

a2 a3

amor  ·  amores anônimos  ·  contente  ·  especial don't touch  ·  fotografia  ·  vida

amores anônimos e autoajuda do dia na folha de s.paulo

por   /  08/01/2013  /  18:46

O Amores Anônimos e o Autoajuda do dia aparecem em uma das matérias de capa do caderno Equilíbrio da Folha de S.Paulo de hoje!

A matéria assinada por Juliana Cunha fala sobre como o amor é supervalorizado hoje e virou quase uma religião.

Leiam!

Projeto virtual reúne fotos de casais anônimos

A jornalista e empresária Daniela Arrais, 28, é responsável pela série “Amores Anônimos”, uma seleção colaborativa de fotos de casais apaixonados na rua, registrados em fotos tiradas com celular. Antes disso ela produziu uma série de entrevistas em seu site, “Don’t Touch My Moleskine”, chamada “O Que é o Amor para Você Hoje?”, na qual coletou depoimentos de anônimos e celebridades.

Daniela é uma seguidora assumida da religião do amor. “Quando terminei um relacionamento complicado, cheio de idas e vindas, comecei a me focar muito nesse assunto. Acho curioso como está todo mundo buscando o amor e tão pouca gente encontra”, afirma.

Junto com a publicitária Luiza Voll, 28, ela mantém o perfil “Autoajuda do Dia” na rede social Instagram, pelo qual compartilham dicas. O tema principal, claro, é o amor. “A felicidade em outras áreas, no trabalho, na família, é importante. Mas o amor é uma coisa tão forte que, quando as coisas estão bem com ele, tudo bem se o resto da vida está meio torto”, diz.

E mais:

Filósofos questionam a supervalorização do amor romântico

‘Falta de amor não é o maior problema das grandes cidades’, diz filósofo britânico

amor  ·  amores anônimos  ·  autoajuda do dia  ·  contente  ·  especial don't touch  ·  fotografia  ·  internet

Carta a D.

por   /  04/09/2015  /  10:00

Amores Anônimos

Você está para fazer oitenta e dois anos. Encolheu seis centímetros, não pesa mais de quarenta e cinco quilos e continuas bela, graciosa, desejável. Já faz cinquenta e oito anos que vivemos juntos, e eu amo você mais do que nunca. De novo, carrego no fundo do meu peito um vazio devorador que somente o calor do seu corpo contra o meu é capaz de preencher.

Primeiro parágrafo matador de “Carta a D.”, de André Gorz.

A foto é de @marimguimaraes para o @amoresanonimos.

amor  ·  amores anônimos  ·  especial don't touch  ·  fotografia  ·  literatura

17 de junho de 2013

por   /  18/06/2013  /  12:37

Reflexo em fachada de prédio mostra o protesto contra o aumento da passagem de ônibus no Rio de Janeiro, pela Avenida Rio Branco, chegando ao Teatro Municipal, no centro da cidade. A foto é do Fabio Mota, do Estadão.

Dilma, Alckmin, Haddad, Cabral, Sarney, Feliciano, partidos políticos, corrupção, polícia, violência, saúde, educação, cotas, inflação, imprensa, Fifa, Copa do Mundo e, é claro, transporte público. As manifestações que ganharam corpo em São Paulo desde o último dia 6 contra o reajuste das tarifas de transporte tomaram o país ontem e se tornaram um enorme protesto contra tudo e contra todos. > http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidiano/114592-contra.shtml

São, São Paulo, meu amor! Foto de Miguel Schincariol, da AFP.

Foto linda da @elisamatile para o Amores Anônimos! ♥ http://instagram.com/amoresanonimos

As manifestações que tomaram as ruas do país na noite de ontem tiveram invasões e tentativas de entrada em sedes dos poderes Legislativos e Executivos. Em Brasília, onde milhares de jovens se concentraram na Esplanada dos Ministérios, houve ocupação do teto do Congresso. > http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidiano/114600-teto-do-congresso-e-ocupado-grupo-tenta-invadir-sede-do-governo-de-sp.shtml

Os milhares de manifestantes que marcharam ontem nas ruas de grandes metrópoles estão divorciados dos grandes partidos políticos. Nenhuma legenda conseguiu ainda capitalizar a seu favor os protestos. Por essa razão, torna-se imprevisível o desfecho do movimento. Pode resultar em algumas mudanças ou dar em nada. Texto do Fernando Rodrigues > http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidiano/114601-movimento-esta-divorciado-dos-politicos-tradicionais.shtml

A foto é daqui.

As redes, nas ruas, no Brasil. Texto do Silvio Meira. “as redes, em si, não mudam nada: o barulho social dificilmente mudará governos, pelo menos enquanto houver uma representação mediando a democracia. para mudar um estado de coisas, hoje, a articulação em rede tem que ir pra rua, pois as redes são apenas plataformas de conexão para relacionamento e interação. as estruturas de poder estão no mundo real e é nele que as pessoas precisam agir. e pouco adianta, por outro lado, “desligar a rede”, como o egito chegou a tentar: tudo depende da internet, hoje, do próprio governo às bolsas e quase tudo que há em uma sociedade minimamente funcional. desligar a rede é parar o país, e quase não é mais possível em nações estruturadas, ditatoriais ou não.” > http://terramagazine.terra.com.br/silviomeira/blog/2013/06/18/as-redes-nas-ruas-no-brasil/

O Instamission também faz parte do movimento! Fotografe como você muda o país > http://instamission.com/

Carta amarela #58, por Guilherme Poulain. “Pois é. Em mim a carapuça também serviu. E aí, nesse exato momento do país fico pensando se eu não devia começar a revolução por mim mesmo? Fazer barulho adianta sim, e é importante. Talvez se eu começasse a pensar nas pequenas “malandragens” que faço, eu também faria do Brasil um pouco melhor. A gente concentra todas as nossas energias em encontrar os culpados. Uns querem tirar a Dilma do poder. Muitos querem acabar com a corrupção. Mas a corrupção só acaba se entrarem pessoas honestas no poder. Mas quem aí pode levantar a mão de ser 100% honesto? Espero que com esse barulho todo a gente consiga sim mudar o país. E é por isso mesmo que quero me orgulhar de ser um cidadão a altura de um novo país. Se o Brasil está em progresso, que estejamos nós em progresso também.” > http://moldandoafeto.com/2013/06/18/carta-amarela-58-em-progresso/ (obrigada por dividir, Julia!)

Patti Smith, grande musa! > https://www.facebook.com/pages/Patti-Smith/212587898832647

Foto da @carolsorelli.

Foto de Mauricio Lima para o New York Times.

Thousands gather for protests in Brazil’s largest cities > http://www.nytimes.com/2013/06/18/world/americas/thousands-gather-for-protests-in-brazils-largest-cities.html?ref=brazil&_r=0

Brasília!

Do Twitter d’O Globo.

amor  ·  amores anônimos  ·  ativismo  ·  especial don't touch  ·  fotografia  ·  internet  ·  jornalismo  ·  são paulo