Favoritos

ainda sobre a dor de um ex-amigo

por   /  01/02/2010  /  23:53

o post sobre a dor de um ex-amigo rendeu diversos relatos _e é sempre muito bom encontrar conforto e identificação nas palavras de outras pessoas, né? fiquei feliz =)

reproduzo o que a nath, que deixou um comentário lindo, escreveu sobre o tema:

Vi dia desses alguém que outrora foi grande amigo. Na calçada oposta, num álbum antigo de fotos ou num perfil atualizado de orkut. Foi ele, mas poderia ter sido ela, ou eles. Foram tantos, já. Pessoas que passam por nossas vidas por alguns dias, às vezes anos até, e depois evaporam. Perdemos os contatos, os laços. Certas vezes mais o segundo do que o primeiro, já que, com a infinidade de meios para nos comunicarmos hoje em dia, maneiras de se achar velhos conhecidos é que não faltam. Mas nem sempre podemos, ou queremos. As pessoas mudam, seres humanos evoluem, eu envelheço. Estranho ver alguém que, em certa época da vida, já foi confidente, de trocar segredos, de abraçar apertado, de ligar pra pedir favor e emprestar consciência. E hoje é um desconhecido. Alguém que vejo em imagens recentes e não reconheço o olhar, alguém que vejo num novo círculo de amigos e não há traço familiar. Alguém que já soube de minhas dores, risos e desamores, das minhas rimas cafonas, das inseguranças noturnas e paixões oblíquas. Mas uma pessoa que hoje nem mais o nome me soa próximo. Como uma roupa usada da coleção passada, que ficou pequena ou gasta com o tempo: não cabe mais e tampouco reconhecemos sua utilidade no presente, sequer há falta ou ausência latente – se houvesse, teria mantido junto, e não sumido. Mas já fez parte de alguma história, da minha vida. De mim.

* a foto é de levan kakabadze

14 Comentários Deixe seu Comentário

  • marianna • 2.02.2010 @ 01:15 responder

    ex-amig-, ex-namorado, ex-qualquercoisaqueseja sempre faz parte do que nos tornamos. mega clichê? é sim, mas talvez sem essas mudanças, o que vai e o que chega de novo, seria impossível dar um passo a frente sem estar no mesmo lugar.

  • daniarrais • 2.02.2010 @ 01:27 responder

    eh, totalmente
    o problema eh que ninguem ensinou a gente a perder
    por isso que doi tanto

  • nath • 2.02.2010 @ 09:08 responder

    dani, querida!
    que delícia ver não só meu textinho aqui como seus comentários carinhosos, ;*
    ganhei o dia!

  • daniarrais • 2.02.2010 @ 12:43 responder

    eee! =))

  • marianna • 2.02.2010 @ 13:49 responder

    acho que não tem jeito né, sempre vai doer.

  • shirly • 2.02.2010 @ 23:54 responder

    entrei aqui para falar bem do outro post e dei de cara com este…
    o curioso foi que quando eu abri aquele post, tinha acabado de chorar por algo parecido que rolou comigo…

    me conforta saber que tem mais gente nesse mundo que dá o mesmo valor que eu dou para uma amizade… acho que por aí ela anda desvalorizada.

    boa noite e um beijo!

  • bruna • 3.02.2010 @ 00:32 responder

    acho tão dolorido pensar pelo outro lado…
    será que o ex amigo sofreu a perda também? será que sentiu que a distancia estava chegando e que era inevitável a separação?

    devo ser a estranha do perfil atualizado no orkut pra alguns ex-amigos.
    =/

  • bruna • 3.02.2010 @ 00:37 responder

    mas nossa, lembrei do seu post sobre amigos fita k7! toda a amizade, quando tem alguma distância poderia ser dessa forma, não?
    =)

  • daniarrais • 3.02.2010 @ 16:04 responder

    viu como tem tanta gente que pensa que nem a gente, shirly? é um conforto!
    =)

  • daniarrais • 3.02.2010 @ 16:05 responder

    o problema do outro lado é o silêncio, né? se não fosse assim, tudo seria mais fácil

  • daniarrais • 3.02.2010 @ 16:06 responder

    o problema do outro lado é o silêncio, né? se não fosse assim, tudo seria mais fácil…
    =)

  • daniarrais • 3.02.2010 @ 16:06 responder

    poderia muito! por uma vida com mais amigos fita k7 e menos ex-amigos, ne
    =)

  • Milena • 26.08.2010 @ 21:55 responder

    Li os dois textos sobre ex-amigos. Achei por acaso no google. Estou passando por uma situação semelhante. Eu e um amigo estamos nos perdendo. É uma dor estranha, sem comparação, pois supostamente seria eterna nossa amizade. E amizade nao tem cobrança, é algo livre… enfim, é uma dor uma perda, sem substitutos, espero que passe logo.

Deixe seu comentário