Favoritos

aprendendo a conviver com a saudade

por   /  03/02/2010  /  12:19

Eu era um sujeito então perseguido pelas nostalgias. Sempre tinha sido, e não sabia como me livrar da saudade para viver tranqüilamente.

Ainda não aprendi. E desconfio que nunca vou aprender. Mas pelo menos já sei uma coisa valiosa: é impossível se livrar da memória. Você não pode se livrar daquilo que amou.

Isso tudo vai estar sempre com a gente. Sempre vamos desejar recuperar o lado bom da vida e esquecer e desnutrir a memória do lado mau. Apagar as perversidades que cometemos, desfazer as lembranças das pessoas que nos magoaram, eliminar as tristezas e as épocas de infelicidade.

É totalmente humano, então, ser um nostálgico, e a única solução é aprender a conviver com a saudade. Talvez, para a nossa sorte, a saudade possa se transformar, de uma coisa depressiva e triste, numa pequena faísca que nos impulsione para o novo, para nos entregar a outro amor, a outra cidade, a outro tempo, que talvez seja melhor ou pior, não importa, mas será diferente. E isso é o que todos procuramos todo dia: não desperdiçar a vida na solidão, encontrar alguém, entregar-nos um pouco, evitar a rotina, desfrutar a nossa parte da festa.

Eu ainda estava assim. Tirando todas essas conclusões. A loucura me rondava e eu escapulia. Tinha sido coisa demais em muito pouco tempo para uma pessoa só, e saí por dois meses de Havana.

Pedro Juan Gutiérrez, minha mais nova paixão, em “Trilogia Suja de Havana”

* a foto é de jaime m

8 Comentários Deixe seu Comentário

  • marianna • 3.02.2010 @ 14:00 responder

    pedro juan foi um presente do meu ex-professor de redação e roteiro na faculdade. me aplicou no pedro, no fonseca e no rodrigues – nós fazíamos matérias e vários tipos de textos usando contos de cada um dos autores.
    no final da faculdade ainda ganhei dois livretos dele: um do maupassant e outro do almodóvar que eu adoro – fogo nas entranhas, já leu?

  • daniarrais • 3.02.2010 @ 14:22 responder

    nossa, que professor, hein? eu precisava de um assim!
    li o fogo nas entranhas adolescente ainda, tá lá na minha estante, vou até ler de novo! =))

  • Camila • 3.02.2010 @ 20:32 responder

    Foi engraçado entrar aqui e me deparar com esse texto falando sobre conviver com a saudade, porque é exatamente o que eu tenho tentado nesses últimos meses. Lidar com a realidade da ausência, ainda mais quando é fruto de escolhas próprias, tem sido mais do que complicado.
    Acabei de assistir Once (não sei por que a sessão deliberada de tortura) e ‘take this sinking boat and point it home’ dilacera meu peito desde então :’)

    Bom, Pedro falou straight to my soul hoje.

  • daigo • 3.02.2010 @ 23:18 responder

    certeiro. sinto isso nesse exato momento.

  • Ciro • 4.02.2010 @ 03:12 responder

    Adoro o Pedro Juan Gutierrez. Esse livro eu ainda não li, mas quero muito. Esse trecho que você selecionou é maravilhoso. Já leu o Animal Tropical. É incrível também!

    Beijos!

  • crisnaumovs • 4.02.2010 @ 08:42 responder

    dá ódio, pq vc lê de uma sentada (ou de uma deitada, a gosto do freguês) e logo acaba.

  • Clarissa • 8.09.2010 @ 11:49 responder

    nao dá pra se livrar daquilo que a gente amou. e quem nunca?

  • Laila • 8.04.2011 @ 12:21 responder

    não acho pra vender o fogo nas entranhas =\

Deixe seu comentário