Favoritos

Posts por "Dani Arrais"

Camila Rosa: ilustrações de um ser político

por   /  18/06/2018  /  17:17

la_calendario-2018-01_CR

As ilustrações de Camila Rosa têm uma potência impressionante. E sabe o motivo? Ela se entende como ser político e busca colocar no que desenha o que acha do mundo. Fala de feminismo, de resistência, da multiplicidade de ser mulher.

Ela conta mais disso na entrevista a seguir, espero que gostem!

Mais em: @camixvxcamilarosa.net

#entrevistadonttouch
#galeriadonttouch
#minasdonttouch

la_wetransfer_march

– Conta um pouco sobre você, sobre como você se encontrou na ilustração e o que você mais gosta de desenhar?

Eu sou a Camila, 29 anos, natural de Joinville/SC e formada em design de produto. Trabalhei na área da minha formação durante um tempo e em 2012, depois de terminar a universidade, decidi ir morar em SP pra começar a trabalhar com design gráfico e ilustração. Meu interesse pela ilustração de forma mais profunda veio através do Coletivo Chá – um coletivo de street art que eu faço parte na minha cidade natal com mais 4 amigas. Através do coletivo eu vi que era possível trabalhar com ilustração e arte e naquele momento eu decidi que queria viver disso. Mas como é muito difícil viver de arte no Brasil eu continuei trabalhando em agências de design e publicidade até 2016. Só em 2017 que passei a viver apenas como ilustradora e desde então eu me sinto muito mais segura com o trabalho que estou fazendo e gosto muito do que faço, gosto de desenhar mulheres de realidades diferentes, gosto de ilustrar sobre temas me que interessam, temas políticos que fazem parte das minhas posturas pessoais.

gowanus_CR

– O que a arte representa na sua vida?

A arte na minha vida é parte do que eu sou, minha urgência de mostrar minhas ideias ao mundo e também uma maneira de estar presente na vida das pessoas. Ela me dá a sustentação e a segurança em relação a viver dentro de uma sociedade tão problemática como a nossa e me incentiva a cada vez mais usá-la como ferramenta de transformação social, que é algo tão urgente pra mim.

la_glamour_CR

– O que você acha que faz seu trabalho reverberar? Quais são os temas que você acha mais importante abordar?

Eu acredito que quando o trabalho aborda assuntos que as pessoas se identificam ele acaba chegando muito mais longe e de maneira muito mais profunda e relevante na vida das pessoas. Eu sempre tive uma urgência em falar sobre assuntos políticos que faziam parte da minha realidade ou que eu percebia como urgentes em relação ao mundo. Demorei pra conseguir encontrar um meio de abordar esses temas – que era tão intrínsecos pra mim, mas que eu não sabia como transpor para as minhas ilustrações. Hoje eu consegui me encontrar e transferir para o meu trabalho todos os meus posicionamentos como um ser político. Gosto de falar sobre feminismo e o universo feminino através de uma perspectiva alternativa, sobre racismo, homofobia, diversidade, libertação animal. Meu trabalho carrega a minha essência de maneira muito direta, quem me conhece pessoalmente percebe isso de maneira muito fácil.

la_claudia_feminismo_CR-01

– Como é ser mulher no seu meio?

É sempre um desafio ser mulher existindo nesse mundo, mas dentro da ilustração e do design é fácil de perceber que o mercado é um meio ainda altamente masculino e também estruturalmente machista. Dentro de agências o que sempre percebi é o que todo mundo percebe: que os grandes cargos normalmente são ocupados por homens, salvo exceções, claro. Mas como freelancer trabalhando em casa eu percebo que a maior dificuldade fica nas entrelinhas, na falta respeito e confiança no trabalho, no desafio de chamar nós mulheres ilustradoras pra matérias durante o ano todo e não só no mês de março, naquele pedido de emagrecer a personagem, de fazer ela seguindo um determinado padrão visual. Além da parte que, como feminista, ter que me posicionar contra muitas iniciativas, inclusive feita por mulheres que buscam abordar o feminismo apenas de maneira comercial, e não como um movimento político com diferentes visões e abordagens.

la_GQ_glossario_CR RiF_camilarosala_BD-book_CR

Mais:

Marcella Briotto

Eva Uviedo

Priscila Barbosa

Brunna Mancuso

Playlist: Mulherão da porra

por   /  17/06/2018  /  12:12

pa

Viciada na música nova da @avarocha, aproveitei e fiz uma playlist chamada Mulherão da porra!⠀
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Olha só o time: com @luedjiluna, essa maravilhosa da foto feita pelo @coletivoiam@elzasoaresoficial@marciacastroart@marinalimax1@mariaberaldo_@leticialetrux@ailamusic, Karina Buhr, Josyara, Larissa Luz, Duda Beat, Luiza Lian, Teto Preto, Alice Caymmi, Illy e Anelis Assumpção.⠀

#minasdonttouch  ·  #trilhadonttouch  ·  amor  ·  especial don't touch  ·  música

Os lyric videos de Alessandra Leão

por   /  08/06/2018  /  17:00

Um tanto de beleza para uma sexta-feira: os lyric videos de @alessandra_leao, cantora, compositora e artista que admiro demais. Tem sempre música dela nas minhas playlists.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
“Gosto de como uma obra se transforma em outras, gosto quando borramos as fronteiras entre linguagens. Nessa busca, vem o encontro com Vânia Medeiros, que começou há 10 anos e temos procurado esse entrelaçado entre nossos trabalhos artísticos, e vem o trabalho de Luan Cardoso, o lugar para a experimentação que ele se propõe nos seus filmes e fotografias.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Nessa série de lyric vídeos, a música é apenas o mote para um novo mergulho trazendo a poesia para um novo espaço, onde as mãos de Vânia dançam pelo papel ou pela pele (a minha e a dela), criando imagens, texturas, que se fazem e refazem a cada música.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Aqui começamos um mergulho para dentro do mergulho. Tomamos ar, suspendemos a respiração e vamos juntos”, ela nos conta.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
#trilhadonttouch

#trilhadonttouch  ·  arte  ·  entrevistas  ·  especial don't touch  ·  música

Liberdade e leveza nas ilustrações de Marcella Briotto

por   /  29/05/2018  /  9:09

alecrim_A4

É bonito demais ver uma amiga florescer. Sair de um emprego no mercado tradicional para se aventurar no mundo independente, com todas as suas alegrias e seus perrengues também. Vibro com o trabalho da Marcella Briotto, ilustradora cujo traço é cheio de poesia.

Conheçam o trabalho dela: @marcellabriotto

E leiam a entrevista a seguir!

#entrevistadonttouch
#galeriadonttouch
#minasdonttouch

 

arruda_A4

– Conta um pouco sobre você, sobre como você se encontrou na ilustração e o que você mais gosta de desenhar?

Eu fui aquela criança que andava com o caderno e lápis de cor, desenhava o dia todo. Então desde cedo eu sabia que queria fazer algo relacionado a desenho. Mas na hora de escolher profissão achei que design me daria mais oportunidades, comecei trabalhar em revista feminina e sempre que precisava desenhava um passo a passo, até começarem a me dar matérias maiores e, quando vi, estava fazendo matérias de comportamento, que foi onde me encontrei. Em paralelo comecei desenhar o dia a dia, a rotina, os sentimentos que vinham ao olhar para dentro. Gosto dessa conexão entre o material, o espiritual/sentimental e a natureza.

comigo_ninguem_pode_A4
– O que a arte representa na sua vida?

Sempre foi uma válvula de escape do mundo real normalmente tão pesado e um jeito de mostrar o que penso e sinto em relação as coisas. Sempre fui mais retraída, então foi no papel que aprendi a me expressar. Quanto mais caos, mais busco na arte a calmaria – e o contrário também, às vezes nada sai do lugar e precisamos gritar para ver as coisas se movimentando. Quando digo isso não me refiro só a fazer. Por meio da arte em geral a gente se conecta com um mundo novo, uma outra realidade, o que traz novas reflexões, faz a gente pensar e agir diante das coisas. Esse (r)equilíbrio e às vezes esse tapa, rs, que ela proporciona para mim é fundamental, me dá a sensação de liberdade e leveza. Até quando não é leve traz essa sensação porque foi posto para fora, sabe? Foi jogado no mundo.

espada_1

– O que você acha que faz seu trabalho reverberar? Quais são os temas que você acha mais importante abordar?

Acho que quando fazemos algo que realmente sentimos, as pessoas absorvem aquilo e acabam se identificando.
Quando fiz essa série de desenhos ligados às ervas eu realmente tentava encontrar um equilíbrio entre minhas angústias todas e uma conexão comigo mesma, buscando uma liberdade que de certa forma não estava tendo no meu dia a dia. Fiquei muito tempo afastada do meu lado autoral, muitas vezes vamos deixando o que gostamos de lado por insegurança, por falta de tempo, normalmente somos engolidas pelo mercado de trabalho/capitalismo e vamos nos afastando mais do que a gente é, do que gostamos de fazer. Acho que estou nesse momento de me reencontrar e isso se reflete no meu trabalho.

espada de sao jorge 3

– Como é ser mulher no seu meio?

Na minha bolha, sou mais rodeada de mulheres, tenho mais amigas mulheres, no mercado editorial trabalhei com muitas mulheres, então tenho a sorte de estar rodeada por uma mulherada que eu admiro. Mas lá atrás na época de faculdade, quando eu ia procurar referências de ilustração tinha muito ilustrador homem, era uma ou outra ilustradora, acho que isso está mudando, o que é ótimo. Hoje vejo ilustradoras com trabalhos incríveis conquistando cada vez mais espaço. Tem um movimento de mulheres crescendo forte no mercado da ilustração, acho maravilhoso, ainda mais diante um mundo com patriarcado muito forte. Abordar o universo feminino, desde as sutilezas até as lutas, é fundamental. Ter essa representatividade de mulheres no mercado das artes, desde ilustração até a arte de rua por exemplo, acho que é o mais importante.

comigo ninguem pode_1

– Que mulheres você indica pra eu entrevistar depois?

Vou falar três que trabalham o feminino de formas diferentes: Karen Dolorez , Anna Maeda e Miriam Brugmann.

guine_1 manjericao_1

Mais:

Eva Uviedo

Priscila Barbosa

Brunna Mancuso

“Um coração sem fechadura”, de Silvia Guimarães

por   /  24/05/2018  /  18:00

sil

“As coisas difíceis da vida vêm pra fazer a gente melhor, não pra acabar com a gente.”
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Sil (@designdebaunilha) é uma dessas amigas que eu mais marco de ver do que encontro de verdade. Ainda assim, estamos há anos nos acompanhando, frequentando uma festinha de aniversário aqui, um show ali, falando nas DMs. A cada ano que passa eu vejo essa amiga desabrochar, se abrir pro mundo, se entender, colocar na vida e no trabalho o tanto que aprende. É tão bonito!

Um dos episódios que marcaram a vida dela é o assunto desse post aqui. Há 8 anos, Sil deu à luz Matias, seu filho caçula. Matias nasceu com uma cardiopatia congênita. E mudou tudo na vida de sua mãe – e de todos ao seu redor.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
A história dele é contada no livro “Um coração sem fechadura”, que está em processo de financiamento coletivo. A primeira meta já foi atingida, e a ideia agora é dobrar a meta. Vamos ajudar a espalhar essa história preciosa?

www.catarse.me/umcoracaosemfechadura

sil2

Sil, que também faz o Design de Baunilha, conta sobre o livro:

“Passei a vida ouvindo as pessoas dizendo pras mulheres grávidas “não importa se é menina ou menino, o que importa é que tenha saúde”. Em 2010 eu tive um filho que tinha um problema no coração e pensava nessa frase todo dia, perdida, martelando ‘E agora? O que é que importa?’.

Meu primeiro passo foi me vitimizar. Passei por esse passo com força e com vontade. Minha segunda frase favorita nessa época era ‘o que é que eu fiz pra merecer isso?’, e tudo o que eu consegui com ela foi passar um ano sem dormir. E o menino lá, se recuperando, sendo feliz, vivendo, e eu sofrendo porque nada daquilo estava sendo como eu tinha imaginado.

E então eu escrevi um livro. Que é um livro pra criança, mas é um livro pra adulto também. Ele fala sobre medo, fala sobre como a gente quer controlar o incontrolável. Fala sobre encontrar dentro da gente a sabedoria de quem já veio pra esse mundo com um passinho na frente, entendendo que fechando o coração pra vida a gente não vai muito longe não.

E o que eu mais quero agora é que esse livro exista, é que essa história chegue nas pessoas. É mostrar que tudo bem ser diferente. Que as coisas difíceis da vida vêm pra fazer a gente melhor, não pra acabar com a gente.”

sil3

Mulheres, seres do mar e sentimentos na profundidade dos desenhos de Eva Uviedo

por   /  22/05/2018  /  12:12

846a4058803929.5abdc01eb9865

Conheço a Eva Uviedo de quando a internet ainda era pouco povoada. E ali ela já se destacava com seus desenhos e ilustrações tão característicos, que foram ganhando ainda mais força ao longo dos anos. O talento dela sempre me encantou, e acho demais vê-lo materializado em quadros, livros, roupas. Descobrir mais da trajetória dela foi uma dessas alegrias que o Don’t Touch me dá. Espero que gostem do bate papo!

Mais Eva: @evauviedo e www.evauviedo.com.br

#entrevistadonttouch
#galeriadonttouch
#minasdonttouch

3

Conta um pouco sobre você, sobre como você se encontrou na ilustração e o que você mais gosta de desenhar?

Nasci na Argentina, em família de artistas (pai diretor de teatro, mãe cantora) que precisaram fugir da ditadura, e moro em São Paulo desde a adolescência. Nessa época comecei a ver que tinha jeito pra desenhar, mas era o início da MTV e o grande barato era videoclipes, vídeoarte. Por conta disso entrei para o meio do audiovisual, e acabei indo pra área de documentários, especialmente os ligados a direitos humanos, LGBT e feminismo, o que foi uma experiência muito enriquecedora. Alternava o curso de comunicação com aulas de desenho e pintura, e também direção de arte e design, que me levou para a internet. Aí passei 15 anos como responsável pela área na Trip Editora – o que foi sensacional porque juntava tudo, arte visual, vídeo e jornalismo – e ia desenhando como hobby e postando no Flickr, até que comecei a receber convites para ilustrar profissionalmente. Em 2008 fiz um curso com os ilustradores Fernando Vilela e Odilon Moraes, que tem uma abordagem incrível dessa arte, e passei a ver isso como uma profissão real oficial, com todas suas características e desafios próprios. Em 2014 saí da Trip e desde então me dedico integralmente à ilustração, seja para o mercado editorial, publicidade ou em projetos autorais.

peixe-beta_v2_eva_uviedo

Gosto muito de desenhar mulheres, e desde 2007 venho desenvolvendo uma série chamada “Sobre Amor & Outros Peixes”, onde relaciono seres do mar com sentimentos e tipos de relacionamentos. Fui identificando nas características deles muitos comportamentos que poderia atribuir a dinâmicas das relações humanas, e por aí foi se desenvolvendo um universo pictórico de simbolismo próprio. O tubarão, ao mesmo tempo suave e feroz. A arraia, um animal manso que pode ser letal. Os peixes Beta, de briga; o baiacu, que infla pra se defender. O polvo, com seus tentáculos envolventes, que aparece em diversas representações com características sensuais. E a água, que envolve tudo em um estado alterado como quando a gente está apaixonado. E por aí vai, a lista é enorme e é aberta para interpretações de cada um.

Essa série já se desdobrou em diversos trabalhos e parcerias, como os livros “Nossa Senhora da Pequena Morte” [Ed. do Bispo, 2008] e T”oureando o Diabo” [Independente, 2016], em parceria com a escritora Clara Averbuck; apareceram em “Mnemomáquina”, de Ronaldo Bressane [Demônio Negro, 2014], capas de discos, como o das cantoras Pitty e Elza Soares, e outros trabalhos.

Também gosto muito de desenhar sobre viagens, em forma de mapas, travelbooks, guidebooks e afins, tenho vários trabalhos nessa área. E toda viagem que faço rende um caderninho com as impressões da viagem e desenhos.

220fb458803929.5abdc01ec2e76

– O que a arte representa na sua vida?

Vejo a arte como uma frequência diferente de comunicação entre as pessoas. É como se houvessem coisas das quais só dá pra falar, e entender, através da arte. Muitas vezes faço um desenho que eu mesma não sei exatamente o que ele significa, mas veio de um sentimento que não consegui colocar em palavras. Aí muitas pessoas vêm e falam: “esse desenho me tocou, me fez chorar, mexeu comigo de um jeito que não sei explicar”. É porque a gente compartilhou algo, só que em outra sintonia. Às vezes tenho vontade de perguntar: “mas o que foi que você entendeu?”. Mas acho que isso quebraria essa magia. E a mesma coisa acontece de volta com as artes que eu gosto.

16ec2758803929.5abdc01dd04e9

– O que você acha que faz seu trabalho reverberar? Quais são os temas que você acha mais importante abordar?

Acho que o que faz o trabalho reverberar é que ele fala de sentimentos de um jeito aberto para que as pessoas ponham nele suas próprias vivências e interpretações. Os temas que gosto de abordar são as relações entre as pessoas, sendo o personagem principal uma mulher (que pode ser representada de várias maneiras, épocas, e com várias idades), pois o desenho é autobiográfico, e o sentimento, o ser do mar.

6d137b58803929.5abdc017c9966

– Como é ser mulher no seu meio?

Por um lado é muito bacana, porque está se formando um sentimento de comunidade real, muito sincera e naturalmente, coisa que não existia anos atrás. O fato das mulheres se juntarem para montar exposições e coletivos femininos é necessário para ganhar força e visibilidade neste momento; então é ótimo que isso esteja acontecendo. Mas penso que o ideal seria uma equiparação real de gênero em todas as oportunidades e projetos.

Já como artista, me incomoda quando dizem que tenho um estilo “delicado / feminino”, como se fossem coisas naturalmente associadas. Existem trabalhos feitos por mulheres que são super agressivos, transgressores, e tem artistas como o espanhol Conrad Roset, que retrata mulheres com um trabalho super delicado (e não trabalha só para marcas femininas).

Essa associação dá a impressão de que faço um tipo de arte que SÓ pode ser apreciado por mulheres, o que não é real: muitos dos que compram meu trabalho são homens. Mas na última feira que participei teve um cara que se recusou a ficar PERTO dos meus desenhos enquanto a mulher dele escolhia, fez questão de falar e mostrar que ele não queria opinar sobre aquilo, que era “coisa de mulher”. Tipo depreciando mesmo. Por que eu preciso passar por esse tipo de coisa?

livro Como viver em SP sem carro

livro 50 Brasileiras Incríveis para conhecer antes de crescer

Mais:

Priscila Barbosa

Brunna Mancuso

#galeriadonttouch  ·  #minasdonttouch  ·  amor  ·  arte  ·  especial don't touch

“Amora”, de Natalia Borges Polesso

por   /  17/05/2018  /  20:20

amora

Nunca tinha lido um livro 100% lésbico, até passar o domingo na companhia de “Amora”, de Natalia Borges Polesso (@tia_brigida). Mais uma vez me vem à cabeça aquela palavra tão importante e que já é quase lugar comum (tomara mesmo que se torne): representatividade. Das inúmeras histórias de amor que você passou a vida vendo, lendo, ouvindo, quantas são protagonizadas por duas mulheres?
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
A literatura nos expande. E, tantas vezes, nos mostra que somos mais parecidos do que antagônicos. Afinal, nos apaixonamos, levamos pé na bunda, nos metemos em confusão, celebramos acordar todo dia ao lado da mesma pessoa, casamos, travamos DRs, às vezes separamos e começamos tudo outra vez. Tem tudo isso no livro, que é sobre amor e descoberta e, por isso, interessa a qualquer um que goste dos temas. De diferente ele tem camadas de silenciamento e preconceito. Duras e doloridas, sempre, mas que bom vê-las visíveis na literatura, né?
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
#bibliotecadonttouch
#minasdonttouch

#asmúsicasdeamor: Kika Novaes

por   /  14/05/2018  /  15:15

kika

A Kika viu a playlist da Aurea e perguntou qual era o critério para fazer uma também. E logo a convidei para fazer esse passeio pelo seu repertório de amor. A surpresa é que ela fez uma playlist com 100 músicas! Daquelas pra acompanhar a gente em diversos momentos da vida.

Kika é mãe solo de um menino de 14 anos, designer de moda, figurinista e há um ano trabalha com pintura em porcelana. “Faço ilustrações com cunho meio feminista/erótico e estou sempre ouvindo música enquanto pinto, o que me inspira bastante e muitas vezes frases das musicas que ouço vão parar nas minhas peças.” Sobre a seleção, ela diz: “Obviamente cortei várias da lista e obviamente não consegui fazer uma coisa resumida mesmo assim (prazer, meu sobrenome é complexidade). Misturei nesse repertório todo tipo de amor que existe dentro do meu pequeno ser (o universal, o próprio, o romântico, o platônico, o carnal e o mais amor dos amores que sinto que é o incondicional e que todos sabem porque e por quem). Coloquei pra fora da boca, através das palavras de outros, o meu coração que pulsa terra, ar, fogo, água, suor e muito sangue.”

A foto é daqui.

Vamos ouvir?

#asmúsicasdeamor + #trilhadonttouch

“Estúpida, eu?”, de Camila Coutinho

por   /  12/05/2018  /  20:20

camila

Acabei de ler “Estúpida, eu?”, livro de estréia da @camilacoutinho. De um fôlego só, em 2 horas de uma tarde de sexta em que eu, como todo dia, queria ser produtiva, fazer mais, cumprir a lista de tarefas… Até que resolvi fazer o que queria: ler um livro escrito por uma blogueira que acompanho desde o começo, uma daquelas pessoas por quem você até tem mixed feelings (pois não fala exatamente dos temas que você diz pra si mesma que tem mais interesse) ao mesmo tempo em que vibra por, tamanho o carisma.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Entre os vários insights que tive, divido um com vocês: ando cansada de julgar tanto tudo e todos. A gente escreve “blogueira” ou “blogueirinha” já colocando o trabalho em um patamar inferior. Eu tenho blog há dez anos, e ele me trouxe tanto. De amigo a crush, até uma sócia! Sou pura hashtag gratidão pelo que a internet me deu e dá.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Faz um tempo, no entanto, que essa internet me angustia na mesma proporção em que me alegra. Questiono demais, observo demais, julgo demais. Tô o tempo todo medindo e analisando a quantidade insana de material que chega aos meus olhos a cada vez que abro o Instagram. Ler esse livro me reconectou com uma Dani adolescente que pediu uma assinatura da Caras, ganhou e passou a acumular um repertório inacreditável sobre celebridades e subcelebridades. Tem uma parte de mim que gosta desse assunto, e tá tudo bem, que bom que somos múltiplos, né?
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Tenho gostado demais de ouvir o outro, e essa leitura foi ótima. Mostrou como uma ideia simples se tornou um negócio poderoso, que por trás do sucesso existe uma mulher de 30 anos que está sempre dando o próximo passo, se reinventando, fazendo networking, entendendo concorrência como estímulo.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Nessa era de feed perfeito e discurso supercoerente, me perco. Poderia postar todo dia, dividir coisas que leio, penso, vejo, sinto. Mas não. Por que? Porque o texto desse post aqui tá cheio de mas e gerúndio, “não pode”. Porque quem vai querer ler? É muita chatice e pouca ação. Enquanto me dividido entre angústia e paralisação, a vida acontece, o tempo passa… Fiquei com vontade de parar com isso. Quem sabe, né?
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
#ainternetqueagentequer
#bibliotecadonttouch
#estupidaeu