Favoritos

Posts da categoria "amor"

Testamento de partideiro

por   /  11/05/2014  /  15:00

Uma música para o domingo: “Tempo de partideiro”, de Candeia.

Mas se houver tristeza que seja bonita
De tristeza feia o poeta não gosta
E um surdo marcando o choro de cuíca
Viola pergunta, mas não tem resposta
Quem rezar por mim que o faça sambando
Porque um bom samba é forma de oração
Um bom partideiro só chora versando
Tomando com amor batida de limão

amor  ·  arte  ·  música  ·  vídeo

O cotidiano banal de Stephen Shore

por   /  31/03/2014  /  14:00

A capa do livro que reproduz uma guia de revelação de filme analógico me chamou a atenção. Comecei a folhear aquelas páginas e encontrei fotos de um dia a dia sem filtro nem glamour. Pelo contrário: aquelas cenas davam espaço para uma refeição que não apetece aos olhos, um banheiro que acabou de ser usado, uma cama com lençóis sujos.

O livro era “American Surfaces”, de Stephen Shore, 66, fotógrafo norte-americano pioneiro no uso da cor – e um dos primeiros a ter suas fotos de cenas banais do cotidiano reconhecidas pelo mundo da arte.

Ele foi o primeiro fotógrafo vivo (segundo o livro; e o primeiro, segundo a Wikipédia) a ganhar uma exposição individual no Met (Metropolitan Museum of Art). Bem antes disso, Shore já atuava com determinação. Aos 14 anos, telefonou para o então curador do MoMa, Edward Steichen, e conseguiu vender três fotografias. Aos 17, conheceu Andy Warhol, passou a frequentar a Factory e a fotografar seus personagens icônicos.

Em “American Surfaces”, criou um diário visual das road trips que fez pelos Estados Unidos entre 1972 e 1973. O resultado é fascinante porque é muito simples – e nos leva a passar minutos criando histórias para cada uma de suas cenas.

Encontrei uma definição perfeita de Shore sobre o que faz: “Uma frase de que gosto muito chega perto de explicar minha atitude em relação a tirar fotografias. ‘A poesia chinesa raramenta ultrapassa os limites da realidade. Os grandes poetas chineses aceitam o mundo exatamente como eles o encontram em seus termos e sua profunda simplicidade. Eles raramente falam de uma coisa pensando em outra, mas são capazes e seguros o suficiente como artistas para fazerem os termos exatos se tornarem belos termos’.”

Coloco aqui algumas fotografias dele pra gente ver juntos.

Para saber mais sobre o fotógrafo, acessem > http://stephenshore.net/

amor  ·  arte  ·  escreve escreve  ·  especial don't touch  ·  fotografia

Tudo o que eu gostaria de ser

por   /  27/01/2014  /  9:09

Quando a autoajuda ganha relevância. Ken Trogowski fez um grande trabalho de edição em “Everything I Wish I Could Be”. O artista do Brooklyn se debruçou sobre mais de 100 livros de autoajuda para explorar a linguagem, as emoções e o desejo que temos de mudar e melhorar.

“Existe um livro de autoajuda para quase todo momento e problema na vida, de conselhos sobre relacionamento a lidar com a inevitabilidade da morte”, diz o artista em seu statement.

No trabalho, cada fotografia de grande formato reúne imagens de um arranjo de páginas, baseadas em torno de um tema central. “Juntos, os títulos criam narrativas maiores, que se tornam retratos de emoções, pessoas e acontecimentos da vida.”

Bom demais, né?

Vejam o trabalho completo > http://www.kentrogowski.com/projects/everything-i-wish-i-could-be/

amor  ·  arte  ·  auto-ajuda  ·  fotografia  ·  vida