Favoritos

Posts da categoria "#bibliotecadonttouch"

Líricas afetivas: Número 0, por Dandara de Morais

por   /  10/09/2018  /  11:11

Número 0, por Dandara de Morais

(A imagem é de @nitimueth)

Eu tinha 16,  ele talvez 18. Na época, eu ainda não usava meu cabelo natural, fazia das tranças uma forma de escudo, de me sentir bonita enquanto o resto do mundo me chamava de feia. E foi num dia desses, me sentindo a mais feia das criaturas, com todo o poder do meu afro contido em uma amarração, que esse boy olhou pra mim.

Vamos dar um nome pra ele, pra facilitar essa nossa conversa. Vou chamá-lo de Numero 0. Número 0 era mais alto que eu, lábios bonitos, aspirante a físico e vocalista em uma banda adolescente hardcore de Recife. Aqui estamos em 2006, e antes de ser essa que eu sou hoje em dia, eu gostava de usar bermudas do meu irmão, All Star cano médio pintado de tênis e trancinhas no cabelo.

Uma bela noite depois de um festival de música na escola que eu estudava, Número 0 se chegou em mim. Eu insegura, usando uma blusinha rosa de alça e calça jeans, não entendi muito bem o que tava acontecendo. Aquele boy, que era o gatão da época, olhando pra mim? Não, tem alguma coisa errada aí.

Um tempo depois a gente começou a conversar no finado MSN. Marcamos de sair pro Recife Antigo, subir na Torre Malakoff, ver a vista. O passeio seguiu até a Livraria Cultura, onde tava rolando um showzinho, e foi lá onde rolou o primeiro beijo: perdi o bv. Eu, tão envergonhada, no auge dos meus cabelos com permanente super soltos, fiquei sem querer beijá-lo outra vez. Ele não acreditou quando eu disse que era a primeira vez e ficou rindo. Eu fiquei séria, e rindo, e séria, e rindo. Finalmente ele acreditou. Levei o boné que ele usou na cabeça a tarde toda comigo pra casa.

Ele sumiu por um ano.

Reapareceu, e não demorou muito pra os primeiros sinais de lixão aparecerem. Fiz uma festa de aniversário feat. despedida de Recife – obviamente ele não apareceu. Falou depois comigo dando uma desculpa horrorosa. E eu, inocentemente, acreditei. Como é bom olhar pro passado e perceber que a gente amadureceu, não é mesmo? Hoje em dia não sou imune a boylixo, mas sei reconhecer melhor os indícios de frustração e pura treta – e, assim, economizar desgastes maiores.

Eu ia viajar e chamei ele pra passar na minha casa, minhas amigas do ballet também iam passar lá, pra comer pizza, cantar, dançar e me dar um beijo antes de eu viajar pro interior do Piauí. Minhas amigas eram todas brancas. Foi uma noite agradável. Tenho fotos surpreendentes dessa época, é muito interessante observar, sou muito nostálgica, posso passar um tempão olhando e catando foto antiga.

Viajei. Ele parou de falar comigo.

Não dava mais sinal de vida, a plaquinha não subia, não respondia mensagem. E eu me perguntava o que tinha de errado. Será que ele sofreu um acidente? O computador pifou? Ele tá doente? A cabeça já virava no jiraya e arrumava mil e uma possibilidades, quando na verdade o que tinha acontecido era bem simples: ele começou a namorar com uma das minhas amigas brancas que tinha conhecido lá em casa. Sim. Quando eu voltei de viagem ela não falava mais comigo, ele então nem pensar.

Foi a minha primeira experiência de ser trocada por outra, branca. Demorou muito, muito tempo pra entender que a culpa não era minha, que eu não era chata, nem todos os defeitos que fui colocando em mim ao longo dos anos na tentativa de entender.

Esse cara nunca mais falou comigo na vida. Vi ele em vários lugares, e ele nem olhou na minha cara. Disappointed but not surprised né? Já a amiga falou comigo e de uma forma discreta pediu desculpas. Hoje em dia não vejo mais ele, e ela muito raramente ou pelo Instagram. Escrever sobre isso me tira um peso enorme. Respiro bem bem bem fundo e digo a mim mesma: não vou mais me desculpar pelos meus sentimentos. Taca le pau!

Coluna: Líricas afetivas, por Dandara de Morais

Trilha: Sapatão

por   /  29/08/2018  /  9:09

camila

Aproveitando o Dia Nacional da Visibilidade Lésbica, fiz uma playlist chamada Sapatão. É bom falar sapatão, né? Que seja uma cada vez mais uma palavra como outra qualquer, e não um xingamento.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
A foto linda é de @camillacattabriga.

Ouçam no @spotifybrasil.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
#trilhadonttouch #visibilidadelésbica

#minasdonttouch  ·  #trilhadonttouch  ·  amor  ·  especial don't touch  ·  fotografia  ·  música

Coluna: Líricas afetivas, por Dandara de Morais

por   /  23/08/2018  /  20:00

Dandara

O Don’t Touch sempre foi, e é, um blog sobre o amor. Por isso é com muita alegria que compartilho essa novidade com vocês. A partir de hoje, inauguramos a primeira coluna deste blog! Assinada por Dandara de Morais, atriz, bailarina, diretora de cinema e ativista. A cada 15 dias, texto novo dela por aqui.

Líricas Afetivas pra boy lixo – Uma breve explicativa do que me trouxe até aqui

“Muitas mulheres negras sentem que em suas vidas existe pouco ou nenhum amor. Essa é uma de nossas verdades privadas que raramente é discutida em público. Essa realidade é tão dolorosa que as mulheres negras raramente falam abertamente sobre isso.” Bell Hooks

Pra início de conversa, confesso aqui que meu primeiro beijo foi quando tinha 16 anos.  O primeiro, e único namorado da vida, quando eu tinha 25. Não tão incomum assim. Sempre falei sobre como me sentia usada pelos caras, um mero objeto, usado e descartado, e ouvindo que a culpa era minha, da boca das pessoas que eu tinha um cariño enorme.

“Mas, você se apega demais”. Era o que eu sempre encontrava como resposta quando eu tentava desabafar, e aquele sentimento de que tinha alguma coisa errada comigo foi crescendo e se instalando com raízes profundas dentro de mim ao longo dos anos. Eu falava sobre a solidão da mulher negra sem nem saber que o que eu sentia/vivia tinha nome, e muitas outras meninas, garotas, mulheres negras passavam pelo mesmo.

Até alguns anos atrás a maioria da minhas amizades eram pessoas brancas. Eu fui a mais feia da escola até uns 14 anos. Minha melhor amiga branca era a mais bonita, namorou e ficou com todos os meninos que eu gostava. Gran amiga! Quando fiquei maiorzinha e comecei a enxergar um pingo de beleza em mim, continuei sendo rejeitada e sem entender porque nenhum boy se interessava em mim. Se eu sou tão bonita, tão legal e engraçada, o que tem de errado comigo que ninguém fica na minha vida?

Muito fácil pensar que realmente o problema é meu, que eu sou exigente, complicada, carente, “fácil” ou qualquer outra palavra que sirva pra jogar a culpa das rejeições em cima de mim. Somente há uns 2, 3 anos, eu comecei a falar e como resposta ouvir “eu também me sinto assim”, porque comecei a fazer mais amigas – que não largo nunca mais – negras. Mulheres maravilhosas, talentosas, inteligentes, criativas, divertidas, fofas, minhas meninas rainhas. Então comecei a perceber que o problema não era comigo de jeito nenhum, que eu não tava louca, exagerando, ou exigindo demais dos outros.

“(…) Muitos negros passaram a acreditar que a capacidade de se conter emoções era uma característica positiva. No decorrer dos anos, a habilidade de esconder e mascarar os sentimentos passou a ser considerada como sinal de uma personalidade forte. Mostrar os sentimentos era uma bobagem.”

Eu já fui trocada por mulheres brancas diversas vezes. O cara dizia aquele velho “não quero nada sério” e semanas (ou até dias mesmo) depois aparecia namorando. Já passei por situações do cara não me beijar na frente de amigas y amigos, mas me ligar tarde da noite me chamando pra casa dele (não era pra ver filme). Já fui ignorada, feita de louca, assediada, abusada, enrolada, levada a acreditar por jogos psicológicos que eu estava errada e exagerando. Enfim, é muita história. Eu tinha blogs e diários, escrevi muito durante anos, mas a ansiedade máxima me pegou, e agora sentar pra escrever é algo raro, e difícil de se começar a fazer.

Como até na terapia eu ouvia que o problema era comigo, acho que comecei a confiar mais nas folhas de papel e nas páginas de meus blogs, eu podia falar o que quisesse sem medo de ser incompreendida. Encontrei até pessoas que me entendiam bastante, mas isso não vem ao caso agora. Eu sempre tive vontade de escrever sobre cada boy que me envolvi na vida, alguns não passariam de um parágrafo, outros eu teria que resumir bastante a história. Esse ano finalmente consegui virar autora. Descobri que podem ser crônicas, e é isso que eu vou fazer.

Paralisada por muitos sentimentos ruins durante anos, agora eu consigo finalmente me apropriar das minhas próprias mazelas e então produzir algo de bom com isso. Colocar pra fora, na esperança de que tenha alguma serventia, que esses sentimentos ruins que sempre me acompanharam, as experiências negativas, tão cruéis e destrutivas se transformem em histórias, que sirvam de alguma forma para refletir e entender porque tanto se fala sobre essa solidão e rejeição das mulheres negras.

Sempre que eu escrevo eu penso no que as minhas palavras representam. Podem ser coisas muito íntimas, mas com certeza uma ou duas mulheres já passaram pela mesma situação. Então é por isso que eu falo, até brinco, gosto de dizer que eu aprendi a tirar onda da minha própria cara. Se eu tivesse que escolher um gênero para enquadrar a minha vida seria a tragicomédia. Feliz e triste, rindo mas sofrendo, dou início a uma série de crônicas (nem sei se é esse o nome, mas tudo bem) que meu irmão um dia me disse para escrever.

Enquanto as mulheres brancas lutam pela liberdade sexual, nós negras ainda queremos ser reconhecidas como parceiras, companheiras. Se segura, Berenice, aqui vamos nós.

—–

Leituras recomendadas:

“Para você não romper o silêncio e manter as relações saudáveis, você tem que negar a sua cor”

Síndrome de Cirilo e a solidão da mulher negra

Dissertação: “A solidão da mulher negra: sua subjetividade e seu preterimento pelo homem negro na cidade de São Paulo”

“A mulher negra não é vista como um sujeito para ser amado”

Vivendo de Amor

 

Amor, feminino, ocupação e crochê: conheçam Karen Dolorez

por   /  17/08/2018  /  9:09

eu2

A arte de Karen Dolorez transborda. Seja em sua nova série com bordados inspirados na poesia do João Cabral de Melo Neto, seja pelas ruas de São Paulo, onde ela faz intervenções potentes. A artista visual encontrou no trabalho uma maneira de criar novos lugres, “lugares onde a gente inicia os mundos novos que a gente tanto acredita e acha possível.” E a vontade que dá é de morar nesses mundos. Porque eles falam de liberdade, de feminino e feminismo, de amor – e são bonitos demais!

Conversamos em mais uma #entrevistadonttouch, espero que gostem!

Mais Karen > @karendolorezdolorez.com.br

3quandooamorcomeuomeumedodamorte

– Conta um pouco sobre você, sobre como você se encontrou na arte e o que você mais gosta de fazer?

Eu sou a Karen Dolorez, sou do interior mas moro em São Paulo há 8 anos. Não sei ao certo como ou quando meu encontro com a arte se deu de fato. Eu aprendi a fazer crochê quando era criança e sempre gostei de trabalhos manuais. Quando me mudei pra capital, trabalhei como designer mas senti uma necessidade maior de produção interna e externa. Acho que talvez tenha sido aí onde realmente comecei a desenvolver os trabalhos com essa consciência. As instalações nos muros nas ruas foram de grande importância pra mim, por que foi onde comecei a sentir uma resposta muito imediata das pessoas, me motivando cada vez mais a me comunicar com as pessoas através da arte.

muro3

– O que a arte representa na sua vida?

O Lama Padma Samten (mestre budista) diz que a arte é a manifestação livre da mente, como uma experiência da realidade onde a dimensão interna se mostra de uma maneira mais visível – aquilo que se é criado também é realidade: a gente enxerga na matéria a essência da obra. Acho que hoje é difícil olhar pra arte como algo separado da minha vida. Por mais que exista o lado profissional envolvido, acho que eu acabo entendendo tudo como coisas que surgem juntas: minha vida se reflete no meu trabalho e meu trabalho acaba se refletindo diretamente na minha vida também.

muro4

– Quem são suas principais referências?

Referências são sempre difíceis, eu tenho muitas e nunca lembro de todas! Mas vou citar alguns artistas que gosto demais e tenho acompanhado bastante ultimamente: Ines Longevial, Olek, Erin Riley, Gleo, Guimtio, Acidum Project, Alexandre Herberte… Fora isso tenho muitas referências de artistas contemporâneos, escritores e músicos também.

Processed with VSCO with preset

– Como é um dia na sua vida?

Posso dizer que nos últimos meses cada dia da minha vida tem sido bem diferente um do outro e talvez um pouco imprevisível rs. Muitas mudanças acontecendo ao mesmo tempo. Mas basicamente eu costumo passar o dia no atelier produzindo. Meu atelier fica em um casarão onde outros artistas de diversas áreas compartilham salas e por isso tem uma troca diária muito gostosa. Tem sido muito importante para o meu processo estar nesse ambiente criativo todos os dias.

millabios

– O que você acha que faz seu trabalho reverberar? Quais são os temas que você acha mais importante abordar?

Acho que as pequenas vivências do processo nas ruas que tive no início e o feedback após cada obra finalizada, me proporcionaram entender a potência desse trabalho, sabe? As pessoas passaram a se comunicar comigo, seja respondendo as mensagens e/ou desenhos que colocava nas ruas, seja simplesmente repostando nas redes sociais ou vindo falar diretamente comigo. Acho que por se tratar de um material e técnica que remetem a uma memória afetiva, essas mensagens conseguem atingir algumas pessoas que de repente não atingiria em outros formatos.

Acredito que as pessoas se comunicam de diversas maneiras, se manifestam, protestam… Cada um encontra seu jeito de se expressar. Eu sinto que o meu trabalho foi a maneira que encontrei pra me manifestar também, pra falar de coisas que me incomodam e que me deixam mal, mas também de coisas que me motivam e que podem motivar outras pessoas. Acho que o mais importante nessa comunicação é sempre criar novos “lugares” em paralelo, lugares onde a gente inicia os mundos novos que a gente tanto acredita e acha possível. Penso que quando falo sobre direitos da mulher, liberdade individual de se expressar, de agir, de escolher e de só ser, é mais ou menos esse mundo que estou tentando criar.

muro2

– Como é ser mulher no seu meio?

É complicado em todo meio, né? A mulher não tem muito espaço nas ruas, nem na arte, nem nos museus. As meninas do Guerrilla Girls tem uma pesquisa muito linda a respeito da representatividade feminina nesses espaços artísticos – exposta recentemente no MASP, inclusive. Mas como disse anteriormente, acho que precisamos criar esses novos lugares onde podemos estar e circular livremente. Acho que é muito importante cada vez mais incluirmos os homens nas nossas conversas também. Trazê-los pra perto é a melhor forma de quebrar as segregações. A mulher precisa sim do lugar de fala, de protagonismo, mas é importante demais que a gente abra esses diálogos com eles, afinal se eles não estiverem presentes, como vão aprender também?

1quandooamorcomeuminhapazeminhaguerra 2quandooamorcomeumeudiaeminhanoite

Aaah, acho que uma das coisas legais de se dizer de repente também tem a ver com minha nova fase mesmo, desde que aluguei o espaço pro ateliê entrei nessa nova fase, criando trabalhos mais internos e saindo um pouco das instalações na rua. Foi bem importante pro meu processo criativo ter um espaço voltado somente para o trabalho sabe? Consegui desenvolver novas obras e dentre elas essa série sobre o amor. São 3 retratos que simbolizam alguns momentos da minha vida. Me inspirei na poesia do João Cabral de Melo Neto para os títulos, Os Três Mal Amados: “Quando o amor comeu a minha paz e a minha guerra”, “Quando o amor comeu o meu dia e a minha noite” e “Quando o amor comeu o meu medo da morte”.

#galeriadonttouch  ·  #minasdonttouch  ·  amor  ·  arte  ·  entrevistas  ·  especial don't touch

“Transformo o que não aceito”, diz Cris Pagnoncelli em seus letterings

por   /  09/08/2018  /  8:08

Cris 6

Quando trabalho e vida se misturam e se materializam em ilustrações, designs e letterings. Assim é o trabalho de Cris Pagnoncelli, que vocês conhecem mais na entrevista a seguir!

Acompanhem > @crispagnoncelli

Cris Pagnocelli 3

Sou designer, artista visual e profissional independente desde 2010. Me formei em design gráfico em Curitiba, e depois de 4 anos atuando em agências de design e publicidade, naquela correria insana, senti que havia perdido o que havia de mais original e prazeroso do processo: as técnicas manuais. Em 2009, armei uma fuga (talvez de mim mesma, talvez do que me prendia) e mudei para Barcelona, onde cursei uma pós em ‘Ilustração Criativa e Técnicas de Comunicação Visual’, mas acredito que não só o curso, e sim a vivência em outro país, foi o que me permitiu redescobrir outras coisas sobre mim. Sinto que nessa fase meu trabalho teve uma grande mudança não só visual, mas de propósito mesmo. Eu queria ter prazer e me enxergar no que eu tava fazendo / criando / colocando no mundo. Na época eu estava com 24 anos. E os anos seguintes foram de muita busca. Experimentei técnicas novas, estudei coisas diferentes, me conheci melhor. Não digo que foi fácil – talvez os anos mais difíceis da minha vida, mas sem dúvida, o autoconhecimento foi essencial pra estar na fase que me encontro hoje: um pouco mais em paz com tudo o que faço e feliz de colocar minha voz no mundo, talvez por isso eu tenha encontrado no lettering um caminho que gosto de explorar em várias mídias e formatos. Eu gosto de desenhar coisas novas, de me desafiar, de estar sempre me reinventando.

Cris Pagnocelli 1

A arte é a forma mais sincera da nossa liberdade de expressão e coragem. Escolher abordar um tema nas nossas criações exige que a gente se posicione, acredite em algo e defenda até o fim (ou pelo menos, até ser convencido do contrário). Sou muito aberta a novas ideias e estou sempre buscando o equilíbrio das coisas à minha volta. Acredito que através das minhas ilustrações, designs e letterings eu posso comunicar e principalmente transformar aquilo que não aceito. Sei que não posso mudar tudo, mas até o momento que eu puder, vou utilizar a arte e o design como um veículo de informação das pautas que acredito.

Cris Pagnocelli 2

Nos últimos anos coloquei muito da minha vivência pessoal em meu trabalho. Foi algo muito natural. Ao pedalar na rua, e perceber a falta de respeito e espaço com os ciclistas, passei a defender e falar mais sobre bicicleta. Ao perceber o quanto me calei e aceitei coisas que antes pensava serem normais no mundo de agência, entendi que poderia ir ainda mais além sendo independente e traçando meu próprio caminho. E sempre falei sobre isso. Acho que as pessoas se identificam. Trabalhar sozinha nunca foi fácil, mas encontrei belas parcerias no meio do caminho e isso com certeza foi o que me fortaleceu. E acredito que essa coragem de falar sobre o que eu queria falar, de me abrir, de compartilhar, ensinar e aprender com outras pessoas autônomas me trouxeram ainda mais visibilidade. Em tempos de tanta individualidade, acho bem importante bater nessa tecla de que sozinhos a gente não chega tão longe quanto estando lado a lado com quem nos inspira e fortalece.

Cris 5

Nunca foi fácil ser mulher em qualquer meio. E o meio da comunicação é bastante machista e predominantemente masculino. Sempre trabalhei e convivi com muitos homens. Mas talvez por ter minha mãe como referência eu nunca me senti inferior ou incapaz sendo minoria. Eu cresci acreditando que eu poderia ser o que eu quisesse. E minha mãe sempre foi uma grande líder. Uma vez ouvi de um superior que eu nunca seria uma (líder), pois era emotiva demais, chorava fácil (e choro até hoje). Guardei isso e toda vez que lembro dessa frase, tenho a certeza de que me tornei a mulher que eu já sabia que queria ser, que não necessariamente queria ser líder de alguém mas que saberia e gostaria de liderar. E sigo nesse processo. Construindo espaços de fala, lutando ao lado de outras mulheres e homens que admiro, resistindo. Para que um dia todas nós tenhamos a mesma força e auto estima dos homens. A gente não foi criada pra se impor, pra liderar (muito pelo contrário), mas a mudança está acontecendo e somos parte dela.

#galeriadonttouch  ·  #minasdonttouch  ·  arte  ·  entrevistas  ·  especial don't touch  ·  feminismo

Corpo que vivem, sentem e se relacionam nas maravilhosas pinturas de Jade Marra

por   /  06/08/2018  /  8:08

DSC_1967

Desde a primeira vez que vi o trabalho de Jade Marra fiquei encantada pelas cores, pela textura, pelos corpos ali desenhados. Fui conversar com ela pra entender de onde vem tanta beleza e consistência, e como resultado agora quero ter uma obra dela na parede! Espero que gostem da entrevista.

Acompanhem a Jade > @dejadejadejadejadeja e jademarra.com

tela azul

– Conta um pouco sobre você, sobre como você se encontrou na arte e o que você mais gosta de pintar?

Sou a Jade, tenho 25 anos e vivo em Belo Horizonte. Em 2014 comecei a cursar artes plásticas na Escola Guignard, onde iniciei meu contato com a pintura. No segundo semestre de 2015, tive o privilégio de receber uma bolsa de um ano do programa Ciências sem Fronteiras para estudar artes visuais na Alemanha, o que foi determinante no meu amadurecimento como artista. Durante esse período, pude me dedicar integralmente a experimentar e entender meu lugar na arte, e foi também quando desenvolvi a série “Toque”, que considero meu primeiro trabalho com maior consistência artística.

A experiência de distância e ausência que vivi durante esse período me colocou em contato com sentimentos muito intensos e com a possibilidade de incorporá-los no meu trabalho. Aprendi aí a encontrar nos meus afetos pessoais a potência do que eu quero criar.

carne2018

– O que a arte representa na sua vida?

A arte, de um ponto de vista purista e ideal, representa a possibilidade de comunicação num plano sensível. A possibilidade de enxergar o mundo a partir da perspectiva do outro, de ter acesso a novas ideias e experiências. Por outro lado, a arte pode também representar um circuito extremamente restrito e elitista baseado em relações opressoras de poder.

vao1

– Quem são suas principais referências?

Francesca Woodman

Pina Bausch

Felix Gonzalez-Torres

Paula Rego

Guerrilla Girls

Regina Parra

Leonilson

Ana Mendieta

Emilio Vilalba

azul_1340_c

– Como é um dia na sua vida?

Ontem eu acordei, tomei café, atualizei meu portfólio, respondi e-mails, liguei pra minha mãe, fui ao banco, fui ao supermercado, li coisas diversas, procurei editais, desenhei, paguei meu aluguel, fiz uma torta de maçã, jantei, vi um filme e dormi. Zero glamour, muita vida real.

DSC_1968

– O que você acha que faz seu trabalho reverberar? Quais são os temas que você acha mais importante abordar?

Eu trabalho a relação de afeto entre o corpo da minha companheira Luíza e o meu próprio corpo. Acredito que o afeto seja esse elemento que reverbera, cria identificação e empatia. Além disso, vale ressaltar que estou falando do afeto entre duas mulheres. O corpo da mulher lésbica existe socialmente em duas margens extremas: ou é apagado por não estar conforme o padrão de feminilidade, ou objetificado e fetichizado em função do prazer masculino. Considero meu trabalho político à medida que, trazer minha relação pessoal para a minha pesquisa artística, coloca o corpo lésbico em posição de protagonista e de propositor. Quem estabelece contato com o meu trabalho passa a ter contato também com um corpo que vive, sente e se relaciona como qualquer ser humano dotado de sensibilidade.

photo-1---Jade-Marra_1340_c

– Como é ser mulher no seu meio?

Outro dia saiu o resultado de um edital ao qual eu estava concorrendo. Dos 9 selecionados, uma mulher. Existem camadas veladas de misoginia nas mais diversas esferas da arte, é vergonhoso. Precisamos estar atentas e conscientes e ajudarmos umas as outras a conquistar respeito e reconhecimento.

JESUS OR LESBIAN_

Esse trabalho joga com uma inversão de perspectiva. Uma mesma imagem apresentada ora em uma orientação, ora em outra, permite uma alternância entre símbolos associados a visões de mundo contrastantes. Quando o mesmo elemento visual é capaz de representar sujeitos antagônicos, cria-se uma sensação de similaridade capaz de questionar a efetiva oposição entre categorias que podem estar relacionadas a estes sujeitos. 

#minasdonttouch  ·  amor  ·  arte  ·  entrevistas  ·  especial don't touch

@estarmorta, quadrinhos sarcásticos sobre a vida da jovem mulher branca de classe média

por   /  30/07/2018  /  9:09

1

O @estarmorta é um desses perfis que quando aparecem na timeline você agradece pelos posts traduzirem vários aspectos da vida mulher de 30 e poucos vivendo na cidade grande enfrentando diversos tipos de dilema e se valendo do humor e do sarcasmo para lidar com várias análises sobre o mundo.

A autora não revela a identidade, o que deixa a história ainda mais legal. Conversei com ela sobre esses desenhos e textos que me fazem ter uns momentos de “é isso, traduziram o que eu penso!”. Foi demais o papo, espero que vocês gostem!

Acompanhem > @estarmorta

2

– Conta um pouco sobre você, sobre seus quadrinhos/ilustrações e o que você mais gosta de desenhar e falar?

Vou tentar resumir. Eu sou jornalista. De economia. É isso que paga o meu aluguel e até gosto. Mas eu tinha 4 anos e queria ser estilista. Passava o dia todo desenhando mulheres com roupas bregas! Só que a minha mãe sempre me desestimulou, até porque eu não era nem um pouco boa nisso, nem em nada que envolvesse trabalhos manuais. Ela preferiu estimular meu jeito com números e linguagem – não à toa virei jornalista de economia. Eu reprimi totalmente meu lado artístico durante anos, nem sabia que tinha um. Amava apreciar arte em museu, mas nunca achei que pudesse fazer. Mas aí ano passado eu fique deprimida, tipo, lido com depressão há anos, mas a do ano passado eu achei que fosse morrer – não à toa o nome é “estar morta”. Assim como Lana del Rey eu queria estar morta. Mas não morri, entrei na terapia e a terapeuta deu aquele velho conselho de fazer arte. Mas ela foi específica: faz quadrinhos, já que você é boa em linguagem. Comecei a fazer, meus amigos começaram a gostar. Aí quando eu criei um personagem chamado PANIQUINHO, que é basicamente uma personificação das minhas crises de ansiedade, outras pessoas começaram a seguir. Percebi que tem muita gente sofrendo no mundo.
Eu passo metade da minha vida lendo sobre doença, principalmente as psiquiátricas. Meus pais tinham uma farmácia, só falavam disso. Como doença mental esteve na minha vida desde cedo, esse virou um dos meus temas centrais – e também é um tema que conquistou muita gente. Mas eu também gosto de falar sobre outras coisas: feminismo, lacração, relacionamentos, sexo, amizades, bebidas, drogas, trabalho – enfim, a vida de uma jovem mulher em 2018.

3

– Você tem um humor ácido maravilhoso. No que você se inspira, quem são suas referências? Em quem você quer que cheguem essas mensagens?

Sou gaúcha – o que quer dizer que cresci cercada por gente meio grossa, sarcástica e que adora humor negro. Não caí longe do pé, né? Sempre gostei de Monty Python, que tem uma coisa meio nonsense; Agatha Christie, que todo mundo só vê como escritora de mistério, mas tinha um humor ótimo; e piada com coisas sobre as quais não se deve brincar. É que sempre acreditei que humor era a melhor maneira de lidar com coisas ruins (continuo achando que é, mas meu psiquiatra disse pra eu parar de usar sarcasmo para mascarar sentimentos e tenho tentado). Mas minha musa inspiradora, tanto no traço como no estilo de texto é uma ilustradora americana chamada Julie Houts (JooLeeLoren, no insta). Os desenhos dela falam muito com a estilista que eu QUERIA ser e não fui e ela consegue expor certas angústias de mulheres (brancas de classe média) de uma forma muito afiada. No Brasil, gosto muito do Ricardo Coimbra, Bruno Maron, Allan Sieber, Adão Iturrusgarai e da Chiquinha – achei ótimo uma mulher começar a publicar todo dia na Folha.

4

– O que você acha que faz seu trabalho reverberar? Quais são os temas que você acha mais importante abordar?

Depressão e ansiedade foram os temas que atraíram pessoas pro perfil e continuam sendo um tema frequente – e uma demanda das seguidoras e seguidores, inclusive. Tenho inclusive vontade de fazer um site com mais informação sobre saúde mental. Depressão deve ser a doença mais comum atualmente, e percebo que as pessoas se sentem bem de saber que não estão sozinhas nessa, que o que elas sentem é comum. O meu post que mais “viralizou” até hoje é um que fala sobre a pressão para ter “autoestima” lá no alto – esse feminismo de consumo rápido, sabe? Achei que fosse me ferrar criticando o feminismo da lacração, mas espantosamente muita gente se identificou e concordou.

18

– O que a arte representa na sua vida?

Transcendência – é isso que eu sempre achei mais legal na arte. Pelo menos pra mim, apreciar e mais recentemente produzir arte é uma coisa que me permite sair do “eu”. Deprimido e ansioso passa muito tempo dentro da própria cabeça e acho apreciação e criação de arte ótimas maneiras de sair de lá. Não à toa quase todo psicólogo e psiquiatra indica trabalhos artísticos, artesanais, manuais, como uma via de tratamento.

16

– Como é ser mulher no seu meio?

No jornalismo econômico francamente acho bem tranquilo – mulheres são maioria, várias em cargo de chefia. Tem machista? Até tem, claro, mas acho que menos que em outras profissões até pela grande presença feminina. Entrevisto muita gente do mundo dos negócios, executivos, etc e a maioria é homem, quase todos muito respeitosos e educados. Eles fazem mansplaining? Fazem, mas jornalista adora gente que fala demais, então podem continuar fazendo. O que mais me incomoda em entrevistar tanto homem é que eu queria ver mais mulheres na posição de poder. Sou novata em quadrinhos ou arte, mas tenho um pouco essa impressão também, de que faltam mulheres em “posição de poder”, tipo, mais mulheres quadrinistas publicando em jornal diário, lançando livros, sabe? Mas também acho que isso vem mudando, fiquei muito feliz que a Chiquinha começou a publicar na folha e cada vez mais vejo mulheres ganhando visibilidade.

Por fim, também tenho impressão que ter sucesso em arte é uma coisa que depende de networking (vc viu “Nanette”? Ela fala disso) e homens são historicamente bons nisso, pois mais tempo tendo poder e tendo contato com poderosos, né? Acho que a gente tem que aprender a não só criar redes de mulheres mas também entrar nas redes deles – acho que o feminismo e as mulheres perdem se se isolarem apenas em clubes de mulheres e ficarem chamando os homens de machista o tempo todo.

o1 o2 o3 o4 o5

06

A potência das fotografias de Helen Salomão

por   /  25/07/2018  /  7:30

H0

Muito impactada pelo trabalho da Helen Salomão, puxei uma conversa pra conhecê-la mais.

Acompanhem esta mulher! > @helesalomao

H5

Sempre fui apaixonada por arte, mas as pessoas diziam que a arte não era para mim, e eu levei essa afirmação muito a sério. Só decidi que iria me dedicar a ela quando me decepcionei com a profissão que eu almejava. Meu sonho era ser advogada, até eu entrar para estagiar como Jovem Aprendiz no fórum da minha cidade e perceber que naquele momento eu seria infeliz se escolhesse essa profissão. E então decidi me dedicar à arte.

H2

Comecei a estudar para passa na faculdade pública para cursar design. Nesse meio tempo já tinha comprado uma máquina semiprofissional e estudava sozinha fotografia. Comprei a máquina sem pretensões, só queria me aproximar da arte. Sem conseguir passa em design, entrei num curso de arte e tecnologia. Foi nesse curso que me tornei artista e me dediquei inteiramente à fotografia. E descobri que ela seria minha aliada para mostrar e discutir minhas ideologias, para ser uma artivista e poder ser o meio para que outras pessoas pudessem se mostrar e contar suas histórias.

Helen1

Minha fotografia é muito sentimento, é o momento que passo, junto com o espaço ou pessoa que compõe a foto. Minhas referências: a rua, as pessoas, a minha família.

Helen2

Abordo aquilo que está no meu cotidiano e a minha vida. Acredito que é importante retratar para além de um tema, sempre penso em mostrar o que me toca, o que pode ajudar o outro, a autoestima, a felicidade, o poder e por aí vai.

H3

Do Projeto Fotopoético Casa Corpo Pele Parede, que conta vivências de mulheres, focando nas experiências do seu corpo, marcadas na pele.

Débora Ester, 22 .
“Minha pele tem tendência a manchar por qualquer eventualidade. Seja uma espinha, cravo ou ferimento. Futucada ou não, ela sempre marca. Eu não tinha estrias, porém, durante a gravidez, elas começaram a aparecer. A pele em volta da barriga esticou bastante, além de aparecer aquela famosa listra negra fazendo divisão. Quando minha bebê nasceu, a barriga diminuiu, ficando bem flácida, mole e escura. Aos poucos, ela está voltando para o lugar e clareando. Ainda tenho vergonha de algumas manchas e, agora, das estrias, mas estou trabalhando minha autoestima para lidar e me aceitar. Faz 40 dias que minha Maria nasceu e o corpo está normalizando bem, a barriga murchou bastante e as estrias estão sumindo. Com tudo que aconteceu, amo demais meu corpo e amo ser eu, amo residir no corpo em que estou e aprender com as mudanças que acontecem nele.”

H4

[O que faz o seu trabalho reverberar?] É a minha verdade junto ao que retrato.

H6

[Ser mulher no meio da fotografia] É perceber que alguns homens ainda continuam falando e mostrando nossas particularidades sem nenhum cuidado, vendo os homens ainda fazendo mais jobs que nós e sentindo na pele o desrespeito por simplesmente ser mulher.

H1

Dona Maria.
Você é boa.
Você é bonita.
Você é importante.
Você é inteligente.
#historiasquenaoestavamnoslivros

#galeriadonttouch  ·  #minasdonttouch  ·  amor  ·  entrevistas  ·  especial don't touch  ·  fotografia

Os bordados “desajeitados” de Nani Broderie

por   /  20/07/2018  /  14:14

Ana 1

Adoro quando alguém chega por DM e apresenta o que faz. A Ana Maria Copetti fez isso, e cá estamos para falar do trabalho dela e mostrá-lo um pouco!

Mais > @nani_broderie

Nani2

Bom, me chamo Ana Maria, sou bordadeira e designer, e meu apelido em casa é Nani. Sempre tive gosto pelas artes manuais, praticava de tudo quando pequena, desde aquarela a marcenaria, e hoje sigo experimentando. O design como profissão contribui para o meu pensamento criativo, mas, mesmo amando muito, sempre existiu aquele receio de expor minhas criações e também uma falta de trabalhar com o manual (fico geralmente mais de 8h por dia no computador). Foi através do bordado que encontrei uma forma própria de expressão, que consegui me identificar e ter maior confiança nos meus trabalhos, riscos e identidade. Comecei a bordar em 2014, quando fiz por acaso uma oficina da técnica em um evento de design em Buenos Aires – e desde então não parei mais.

Nani3

Hoje tenho a marca de bordados Nani, com bordados desajeitados e feitos à mão em um processo 100% autoral; mas continuo descobrindo outras manualidades também, faço cerâmica e tenho um grupo que compartilha conhecimento manuais: o Clube das Miçangas. Então, sobre o que eu gosto de fazer, acho que a resposta é um pouco de tudo. Em relação ao bordado, bordo o que eu vejo ao redor e o que eu sinto, vejo meu trabalho como a materialização de sentimentos e, por isso, busco sempre inspirações no universo feminino, com sua delicadeza, suas curvas e sua força.

Ana 2

Acho que a arte representa uma forma de dizer aquilo que muitas vezes eu não sabia como me expressar. Também representa uma forma de ver a vida e o que nos cerca e uma forma de comunicar, uma troca e um compartilhamento dos sentimentos.

Ana 3

Meu trabalho trata do feminino e da delicadeza e da força da mulher de uma forma simples e natural, e isso sem dúvidas é algo que as mulheres se identificam. Gosto de trabalhar a relação das mulheres e da sororidade, da união e do estar presente pela outra. E também a relação mulher x natureza, através dos animais e das plantas.

Ana 4

Ser mulher no Brasil é horrível, mas acredito que a pergunta seja específica em relação ao trabalho com o manual. Eu percebo que ser artista, independente do gênero, já venha com toda uma carga de desvalorização do manual no Brasil. Agora, ser artesã e mulher é ainda mais difícil pois já carrega um significado que a sociedade traz do olhar insignificante ou ordinário sobre o trabalho. O bordado acaba muitas vezes sendo tratado mais como um artesanato básico e medíocre do que como arte profissional em si. O tempo de produção, que é altíssimo, acaba sendototalmente  menosprezado, e o valor sobre a peça diminuído. E nesse sentido eu já percebi que há uma diferença de tratamento de quando a arte do bordado é feita por homens, pois eles já são mais vistos como de fato “artistas”.

Porém, me sinto bastante privilegiada em relação ao meu trabalho, pois nunca senti um preconceito direto em relação a exercer meu trabalho. Mas já passei por situações desconfortáveis de receber comentários da família sobre certos bordados “mais ousados”, comentários machistas e homofóbicos em posts dos meus trabalhos e comentários bizarros no transporte público de homens enquanto eu bordava, perguntando se “sobrava tempo para cuidar da casa”, tipo oi?

Por outro lado, como ponto positivo, eu vejo toda uma cultura de valorização do pequeno nascendo. No Brasil pelo fato da maioria das microempresas serem coordenadas por mulheres, todo esses negócios acabam sendo muito inspiradores. E quem se dedica às artes manuais acaba achando uma rede de apoio bem grande e muito querida de artistas.

Nani5

Sirlanney e seus ótimos quadrinhos feministas

por   /  06/07/2018  /  8:00

2015_10

A Sirlanney faz aquele tipo de quadrinho que você lê e se identifica na hora. Ela fala de pensar em mandar uma mensagem de amor a cada 5 minutos, de ser stalker, de trabalhar sob pressão, de destruir o patriarcado. Suas histórias são ácidas e certeiras, e é muito legal acompanhar seu perfil no Instagram. (Aliás, obrigada, @instadage, pela indicação!)

Na entrevista abaixo vamos conhecer um pouco mais dessa mulher que nasceu no interior do Ceará em 1984 e publica seus textos e desenhos na internet, em zines e revistas há 15 anos.

Mais > @sirlanney + www.sirlanney.com

2016_58

– Conta um pouco sobre você, sobre como você se encontrou na ilustração e o que você mais gosta de desenhar?

Eu adorava desenhar quando era criança, como todo mundo, mas não parei de deseenhar quando cresci. Era algo que sempre me deixava satisfeita… Ver que eu podia fazer minha própria interpretação do mundo no papel. Mas o que eu amo fazer é contar histórias, escrever mesmo. Ilustração é só uma parte do que eu faço, porque o que eu acho que faço mais é contar histórias através dos desenhos. Então eu estudei artes plásticas, aprendi diferentes técnicas, li os grandes mestres e os nem tão grandes assim… E continuo estudando todos os dias, é um trabalho sem fim.

2015_21
– O que a arte representa na sua vida?

A arte é o ponto central da minha vida, é o que eu escolhi fazer agora e no futuro. Mas antes já era o que embalava meu coração frágil, desde que eu posso lembrar. A arte sempre foi o que eu podia me agarrar enquanto buscava o sentido da vida.

2016_24
– O que você acha que faz seu trabalho reverberar? Quais são os temas que você acha mais importante abordar?

Geralmente é o que mais me incomoda. Aquele assunto que tá mal resolvido para mim ou para o mundo. Patriarcado, política, direita, esquerda, capitalismo, ego, altruismo, nova era, minha falta de habilidade com o Excel… Qualquer coisa que fique martelando na minha cabeça! Aí eu preciso parir um quadrinho para arrancar isso de mim.

2016_35
– Como é ser mulher no seu meio?

Já foi pior, mas ainda é chato. Não posso negar o salto que demos nos últimos anos no sentido de sermos consideradas, sermos lidas e termos obrigado a sociedade enxergar que somos top. Mas sempre que pego uma revista ou qualquer publicação sobre quadrinhos ou ilustração e vejo lá o clube do bolinha, ainda firme e forte, reviro os olhos.

Sy

2016_59 2017_36

2017_60

2017_61

2017_65

#galeriadonttouch  ·  #minasdonttouch  ·  amor  ·  entrevistas  ·  especial don't touch  ·  feminismo