Favoritos

Posts da categoria "contente"

As lições de Tina Roth Eisenberg

por   /  26/11/2014  /  8:08

Tina

Foi fazer um sabático sem clientes e nunca mais voltou pra eles. Em entrevista para o blog da Contente, a trajetória de Tina Roth Eisenberg, criadora do swissmiss, da Tattly, do CreativeMornings e uma das nossas maiores inspirações!

Leiam em > http://contente.vc/blog/as-licoes-de-quem-tirou-um-sabatico-sem-clientes-e-nunca-mais-voltou-pra-eles/

contente  ·  design  ·  entrevistas  ·  escreve escreve  ·  especial don't touch  ·  fotografia  ·  internet

Precisamos falar sobre o feminismo

por   /  31/10/2014  /  15:15

chimamanda

Não tinha me dado conta de como o feminismo deve ser uma questão cotidiana*, até o dia em que fazia uma aula de alongamento na academia e três caras entraram para fazer um serviço no ar-condicionado e ficaram secando as mulheres da turma. Foi uma situação desconfortável, pra não dizer nojenta, e eu me senti invadida. Uma parte ficou no deixa disso, eu resolvi reclamar com a coordenação, que prontamente falou que aquilo não ia mais acontecer. Passei o resto do dia pensando nesse tipo de armadilha que tantas vezes cruza o nosso caminho, em como a gente pode cair facilmente (do tipo se achar gostosa porque o cara tá olhando) e, principalmente, no quanto a gente precisa entender melhor várias questões e aprender a se afirmar cada vez mais.

Faz pouco mais de seis meses que voltei para o Facebook, depois de ficar um ano longe. Para não ficar saturada, decidi por menos ruído, mais informação. Entrei em alguns poucos grupos, número suficiente para que eu acompanhe as discussões que acontecem neles. Vi minha relação com a rede mudar. Feminismo era um assunto que me interessava pelas bordas, eventualmente. Depois que entrei no grupo Talk Olga, isso mudou. Comecei a acompanhar as histórias que as garotas postam, a ler um monte. Passei a usar com frequência a palavra empoderamento – e a vibrar cada vez em que ouço uma história desse tipo.

Jamais achei que um grupo no Facebook fosse capaz desse tipo de transformação. Por isso, decidi entrevistar a Juliana de Faria, jornalista, criadora da Olga, um dos melhores sites feministas que você vai encontrar na internet, e moderadora desse grupo no Facebook que é capaz de fazer mudanças na vida de várias mulheres. A entrevista é longa, do jeito que eu gosto. Espero que vocês gostem também! E, desde já, sugiro que acompanhem os canais: www.thinkolga.com e www.facebook.com/groups/talkolga

* Isso soa bobo, eu sei, me deixou com receio de postar, mas foi essa situação que aconteceu recentemente que me despertou com mais intensidade pro movimento. Já tinha passado por outras situações opressoras, tinha me incomodado e sentido nojo, claro, mas foi nesse dia que a questão deixou de ser uma coisa que vem e vai e se firmou mesmo. Pra não ficar com uma abertura rasa, deixo vocês com outra pessoa que entende muito do assunto, a Aline Valek, que fez um compilado sobre o que as feministas defendem e um FAQ feminista.

ju faria

Qual é a primeira lembrança que você tem em relação ao feminismo?

Sempre compartilhei da luta do feminismo se partimos do significado básico do termo (do Aurélio, movimento com o intuito de conquistar a equiparação dos direitos políticos e sociais de ambos os sexos). Lembro até de defender o direito ao aborto em discussões com colegas de escola, quando ainda era pré-adolescente. Mas por muito tempo reneguei a credencial de feminista por acreditar que o feminismo me renegava. Na minha ignorância, acreditava que algumas das minhas ações, como me interessar por moda e beleza e ter me casado no papel, já me excluíam do movimento. Foi graças a debates na internet que me aprofundei no assunto, entendendo então que feminismo também significa liberdade e empoderamento. Criei uma definição do meu feminismo: lutar para ampliar o leque de opções das mulheres. E que elas possam tomar suas próprias decisões, livres de pressões externas, sem ter que pedir desculpas pelos caminhos que escolherem.

E como e quando o feminismo virou uma causa para você?

Eu estudei jornalismo e, depois de cansar de fazer matérias sobre qualquer assunto que caía no meu colo, decidi me especializar em uma área. Estudei moda, em Londres. Fiz dois cursos na Central Saint Martin’s, de marketing de moda e styling. Este último me fez perceber que eu não tinha o menor jeito com roupas (haha). Lembro de uma aula em que tínhamos que reconhecer os tecidos pelo toque e, nossa, eu tinha uma dificuldade para distinguir o que era seda e do que era sintético (haha). Claro que me perguntava se eu estava fazendo a escolha certa. Mas tão logo entendi que moda é uma coisa ampla, e a parte social e antropológica dela era o que me interessava. Por isso que digo que sempre gostei mais de mais falar sobre as mulheres que vestem as roupas do que as roupas que vestem as mulheres. A partir daí, comecei a trabalhar em redações de revistas femininas. Conheci mulheres inspiradoras, apaixonadas pelo que faziam e aprendi muito. Mas também senti que meu interesse pelo feminino ultrapassava a barreira dessas publicações. Notei que minhas sugestões de pautas já não faziam mais sentido para aquele espaço. Muitas delas eram rejeitadas por não conversar com a linha editorial das revistas. Um exemplo era a minha vontade de falar sobre assédio sexual. Decidi criar meu próprio projeto. Se não poderia escrever sobre o que me interessava nessas revistas, criaria um blog próprio, onde teria mais liberdade. E poderia também ser uma opção de leitura para outras pessoas, caso houvesse esse interesse. E o feminismo pautou muito a criação desse espaço, que é a OLGA, e a escolha dos assuntos que eu trataria. Ali, fui desconstruindo um monte de conceitos que oprimem as mulheres, pressões sociais que deixam nossa vida mais difícil. Assim como criando campanhas e projetos cujo objetivo é empoderar mulheres em diversos áreas — de violência de gênero à liderança no trabalho. Não foi um projeto que nasceu com um conceito totalmente pronto. Aprendi e ainda aprendo muito sobre feminismo conforme vou caminhando. Mas a essência dele, de querer criar conexões mais verdadeiras com as mulheres, será sempre a mesma.

olga-frase

Você trabalhou em revistas femininas, espaços que não costumam oferecer uma visão mais completa e complexa da mulher. O que mais te incomodava nessa época?

A limitação de assuntos. As revistas femininas não deveriam ser chamadas assim porque suas páginas trazem matérias sobre moda, beleza e sexo. Isso é dizer que mulher só se interessa por esses assuntos. Na minha visão, essas publicações deveriam tratar de todos os assuntos — política, economia, cinema, música, arquitetura, carros, futebol — mas com um viés feminino e feminista. Já temos exemplo de publicações que fazem isso muito bem. Lá fora, Rookie Mag, Libertine, Frankie Mag, The Gentlewomen. Aqui, gosto de citar a revista digital Capitolina, que é voltada para adolescentes e não restringe seu conteúdo a boyband e virgindade. Elas falam sobre crise de ansiedade, ciência, homossexualidade, roubos em museus (!), medo da morte, violência doméstica, fantasias sexuais, racismo, quadrinhos, ditadura. Eu acho que as femininas estão no caminho da mudança. Muito vem sendo feito, de verdade, como a capa da Nova com a Preta Gil. De novo, a Nova apoiou a campanha Não Mereço Ser Estuprada, o que foi muito legal também. Mas elas ainda pagam um preço pelo seu histórico — e também pelas chamadas de capa, que insistem na fórmula antiga da “barriga chapada” e “as formas como enlouquecer seu homem”.

Você conseguia de alguma forma driblar as limitações e falar de temas que te interessavam, que mostravam um pouco daquilo em que você acredita?

Eu trabalhei no Modaspot, o extinto portal de moda da Editora Abril, e a diretora de redação era a Eliana Sanches, uma chefe muito incrível que me dava carta branca para pirar. Por ser um site, havia mais espaço (literalmente) para escrevermos sobre o que quiséssemos. Fazia sim o feijão com arroz (tendências, passarelas, o look do dia da celebridade), mas tive também a oportunidade de escrever matérias que debatiam o transgênero, por exemplo. Também criticamos a exposição das crianças no mundo da moda. Mas faço a mea culpa: já escrevi sim coisas das quais me envergonho por pura automatização da reprodução de discursos machistas. Por isso brigo muito para que nós, jornalistas, paremos para refletir sobre a mensagem que colocamos para o mundo. As palavras têm força e temos que tomar cuidado com a escolha de cada uma delas. Quando dizemos que uma atriz foi FLAGRADA sem maquiagem, o termo traz um peso de que ela estava cometendo um crime, sabe? Outra coisa: temos que escutar as leitoras, mas escutar para valer e não atrás de uma janela de vidro, durante uma pesquisa de mercado feita pelo marketing. A conversa entre criador de conteúdo e consumidor de conteúdo precisa ser horizontal e não vertical.

Foi quando suas pautas começaram a ser rejeitadas que você decidiu criar um blog, né? Conta como surgiu o Think Olga?

Sim, exato. A OLGA nasceu dessa vontade de poder criar um conteúdo sobre mulheres, para mulheres, que não fosse condescendente, baseado em clichês. Além disso, queria que fosse um espaço para evidenciar as desigualdades de gêneros — do gap salarial à baixa participação das mulheres como fontes em matérias — e criar soluções para elas. É um sonho e uma responsabilidade imensa, que não vem acompanhada de apoio financeiro.

Falar com a mulher de uma maneira livre de estereótipos é uma das premissas do projeto. Quais são as outras?

Gosto da frase da jornalista e ícone feminista Gloria Steinem: “A verdade vai te libertar. Mas antes vai te irritar”. E o feminismo é a conquista de poder pela informação. Uma mulher bem informada – dos seus direitos, das suas possibilidades e principalmente de realidades tristes e injustas – é uma mulher com mais força para lutar e para buscar alternativas e mudanças. E a OLGA nasceu a partir desse desejo de criar uma conversa mais honesta, mais acessível com as mulheres. De criar conteúdo livre de estereótipo, de linguagem paternalista e pressões sociais. O projeto acabou indo além e se desdobrando em diversos outros braços: workshops, encontros, palestras, exposições, projetos colaborativos, um grupo de debate com mais de dois mil membros e até um ebook. Trabalho em diversas plataformas, mas sempre com o mesmo objetivo: empoderar mulheres pela informação.

entreviste-uma-mulher

Como você articula a rede de mulheres que fazem pesquisas, escrevem textos e ilustram os posts?

Temos algumas colaboradoras voluntárias fixas, como a advogada Gisele Truzzi, que responde dúvidas judiciais das leitoras e até fez um FAQ sobre violência e assédio online (www.thinkolga.com/2014/04/01/f-a-q-juridico-violencia-virtual/).

A Bárbara Castro, socióloga e doutora em Ciências Sociais, é conselheira do projeto e traz a visão acadêmica para dentro do projeto [ela já foi entrevistada para o blog da Contente; A armadilha do faça o que você ama]. A Luíse Bello, também diretora de comunicação da Olga, e a Gabriela Loureiro têm uma presença se alternam na criação de conteúdo. Esse é o núcleo duro. Mas como a maioria dos nossos projetos, a Olga também funciona de forma colaborativa. Publicamos quadrinhos, ilustrações e textos de quem quiser colaborar. As portas estão abertas!

A internet é recheada de textos que dizem como a gente deve ser, o que fazer. Como despertar a atenção para um conteúdo que é diferente disso – sempre mais aprofundado, falando de temas “difíceis”?

Acho que se eu tivesse uma fórmula, seria mais um dos textos que dizem o que a gente deve fazer e ser para atingir o sucesso. Hehe. Não sei, Dani, mas acredito que a internet abraça todo tipo de pessoa, inclusive quem dá preferência para textos mais aprofundados e complexos. Não tenho regras para despertar a atenção do público: apenas vou lá e faço o que acredito estar certo. A Chega de Fiu Fiu, por exemplo, foi rejeitada quando ofereci como pauta para uma revista. Mas quando a coloquei na internet, sem qualquer trabalho de assessoria de imprensa ou de relações públicas, ela viralizou. Felizmente, existiam várias outras pessoas que queriam ler, falar, discutir sobre o assunto. É claro que nunca terei a mesma audiência do Buzzfeed, afinal, meu conteúdo fala com um nicho. Mas vejo vantagens em falar com nicho — os leitores são muito mais engajados e participativos. Trabalhei vários anos em redações e recebi meia dúzia de e-mails de leitores. Na Olga, tenho um contato frequente e direto com o público, o que fortalece meu trabalho, me dá direções de onde devo mirar. É importante ter esse feedback instantâneo, principalmente para sabermos onde erramos e como podemos acertar numa próxima vez.

Você já tem um modelo de negócios? Como vê a Olga crescendo?

A Olga não é uma empresa. Ela é um movimento cujo objetivo é empoderar mulheres e o ativismo é a sua base. Ou seja, sinto que mudamos o mundo de fora (mobilizando pessoas) para dentro (criando pressão social em órgãos públicos, empresas privadas etc) com ações sem fins lucrativos. Mas debaixo do guarda-chuva da Olga pretendo sim lançar um braço que incentive mudanças e transformações feitas de dentro para fora também. Ou seja, buscar parcerias com marcas, empresas e agências que estão na liderança de produção de produtos para as mulheres e assim poder, por meio de consultorias, criar conexões mais humanas com o feminino.

Por que o feminismo ainda é um tema que não interessa a tanta gente? Quais são as armadilhas que travam as mulheres em relação ao feminismo?

Na verdade, acredito que o feminismo nunca foi tão popular. Nunca vimos tantas celebridades — pessoas imersas em uma indústria ainda muito machista que fatura em cima de padrões de beleza — se declarando feministas. A internet está repleta de produtores de conteúdo feminista de qualidade. E até mesmo jornalistões das antigas e meios de comunicação conservadores já não hesitam mais em usar o termo “feminismo”. Fico feliz em notar que ultrapassamos a barreira do medo de falar sobre o assunto. Mas, sim, acredito que existam ainda armadilhas que travam as mulheres em relação ao movimento. Basta ver campanhas como “mulheres contra o feminismo”. E acredito que essa aversão nasce da ignorância do que é o feminismo. Há muitas estereótipos e informações equivocadas sobre o movimento, muitas delas espalhadas por páginas machistas, com o objetivo de minar o ativismo. O feminismo busca simplesmente oportunidades iguais para homens e mulheres. Como alguém pode ser contra isso?

bey

Beyoncé citar o feminismo ajuda a mudar um pouco isso? Quais outras iniciativas do tipo você gostaria de ver como notícia?

Ajuda muito. Existem algumas pessoas que acreditam que existe “feminismo certo” e “feminismo errado”. Mas como podemos julgar o ativismo alheio se o movimento não tem mesmo nada de absoluto? Publicamos um texto chamado Flawed: Uma feminista Imperfeita (www.thinkolga.com/2014/08/28/flawed-uma-feminista-imperfeita/), da Fabi Secches, em que ela analisa as críticas às ações da Beyoncé. Ela diz: “O feminismo é um conceito em formação e transformação e estamos nos formando e transformando junto com ele.” E ela aplaude o ode que Beyoncé faz à escritora Chimamanda Ngozie Adichie. “Se as críticas dizem que Beyoncé é privilegiada demais, certamente Chimamanda Ngozi Adichie não é. Negra, nascida em um país pobre como a Nigéria, a escritora precisou enfrentar um mundo machista, racista e com recursos limitados para se tornar a autora premiada e consagrada de hoje. Ainda assim, poucos a conhecem. Especialmente se compararmos a quem conhece e acompanha o trabalho de Beyoncé. Portanto, ter levado a voz de Adichie a pessoas e ambientes onde ela provavelmente jamais chegaria, para mim, já é algo para se aplaudir de pé.” Então sim, ver um telão gigante escrito FEMINIST no palco do VMA, da MTV, é uma grande conquista. Queria eu, quando jovem, ver meus ídolos se declarando feministas assim abertamente. Isso me ajudaria a ter contato ainda mais cedo com um movimento que luta contra desigualdades. E ok, o universo pop está superando o medo da palavra. O próximo passo é ver essas celebridades registrarem ainda mais apoio às lutas do feminismo, como aborto, a luta contra a violência de gênero, o gender gap. E é algo que, aos poucos, estamos vendo — de Sheryl Sandberg falando de mulheres na liderança de empresas à Emma Watson representando a ONU Mulheres.

mapa-cdff

Você já tinha sofrido assédio bem antes da Olga. Com a repercussão das campanhas, também. O que mais te enoja em tudo isso e quais providências você costuma tomar?

O assédio é uma violência que humilha, traumatiza e amedronta a mulher. Ele não surge da valorização e sim das relações de poder de gênero, da necessidade de impor na mulher um desejo sexual independente de consentimento. Acho aterrorizante perceber como não temos direito aos espaços públicos, mas nossos corpos são sim vistos como públicos. Como se qualquer homem tivesse o direito a usá-lo da forma que bem entender, em qualquer lugar, a qualquer hora. É lamentável o fato de que nós, mulheres, não podemos experimentar cidade da mesma forma que homens — temos medo de ir a certos espaços à noite, de passar em frente a locais com grande concentração de homens, que pensamos duas ou três vezes nas roupas que vamos usar para escapar dessa violência. Jamais, na história da sociedade, um homem precisou ter essas mesmas preocupações. Sempre tive muito medo de responder a assédios — mesmo porque eles começaram quando eu ainda era criança, aos 11 anos. E não foram apenas assédios verbais (que considero uma violência também bastante dolorida para a mulher). Aos 13, um desconhecido na rua puxou meu braço e me empurrou na parede, dizendo que “eu era muito bonita e que queria me comer”. Por sorte, ele estava bastante bêbado, então tive forças para me desvencilhar. Mas e se não tivesse forças? Nós nunca sabemos quando um assédio pode virar estupro ou até mesmo um outro tipo de violência. Quem nunca respondeu a um assédio e, em seguida, ouviu um xingamento ou até mesmo sofreu uma violência física? Mas sinto que graças a campanhas contra o assédio, as mulheres se sentem mais corajosas para responder, buscar ajuda, denunciar para policiais. E também convido a todas que quiserem denunciar qualquer violência contra a mulher a entrar no mapa Chega de Fiu Fiu (www.chegadefiufiu.com.br) e compartilhar sua história. Nossa proposta com a ferramente é de registrar os locais problemáticos do Brasil. E ao conhecer esses pontos críticos, podemos entender o motivo que os levam a assim ser: é uma rua com iluminação escassa? É uma casa noturna com segurança falha? Somente compreendendo tais questões é que podemos buscar mudanças – e não apenas no setor privado, mas também no público.

Quais as histórias mais difíceis que você já ouviu depois de ter aberto esse espaço?

Antes do mapa, abri um espaço na própria Olga para publicar depoimentos de mulheres vítimas de assédio sexual. O recorte era esse. Mas rapidamente as denúncias já se ampliaram para outros tipos de violência de gênero: violência doméstica, machismo no trabalho, gaslighting (www.papodehomem.com.br/porque-as-mulheres-nao-estao-loucas/), racismo, gordofobia, homofobia, abuso sexual na infância e estupro. Foi um espaço em que elas acharam para poder relatar o que sofriam, botar pro mundo os horrores que viviam. Já recebi milhares de depoimentos sobre violência contra a mulher. No grupo de discussão da Olga, também tenho contato com muitas histórias de partir o coração. Confesso que até hoje eu me emociono com esses depoimento, choro, passo raiva, sinto meu coração acelerar. Vivo alternando entre o otimismo (pois acho que estamos avançando muito na conversa sobre violência contra a mulher) e o pessimismo (pois às vezes acho que a única solução para um mundo que permite que mulheres sejam abusadas desde a infância é explodi-lo em milhões de pedacinhos).

Você se dá conta de como ajuda a transformar a vida de várias mulheres?

Espero que a OLGA esteja mesmo cumprindo com o que se pretende, que é empoderar mulheres. E faço também a pergunta ao contrário: será que essas mulheres se dão conta de como me ajudam a transformar a minha vida?

Daqui a 10 anos, o que espera para você, para a Olga, para a causa?

Espero que as mulheres passem a ser tratadas como seres humanos — por revistas, pela publicidade, pela política, pelos homens. Seres humanos de direitos, de desejos e vontades próprias. Será que é querer muito? :-)

amor  ·  entrevistas  ·  escreve escreve  ·  especial don't touch  ·  feminismo  ·  internet

O vazio na fotografia de Ana Teresa Bello

por   /  21/10/2014  /  9:09

Processed with VSCOcam with n3 preset

Viver o Instagram há quatro anos, diariamente, é um grande exercício sobre o olhar. Tanto o meu, quanto o do outro, principalmente. Adoro descobrir fotos que me dizem alguma coisa. Adoro acompanhar os amigos e conhecidos, claro, mas gosto ainda mais de acabar parando no perfil de alguém e, de repente, me impressionar com as imagens reunidas ali.

Existe uma coisa nessa descoberta que me lembra a internet do fim dos anos 1990, quando a gente ficava amigo das pessoas porque elas gostavam da mesma banda que a gente ouvia sem parar ou porque elas tinham lido os autores que nos faziam nos sentir menos sozinhos no mundo. Parece que naquele tempo existiam menos narrativas de uma vida perfeita, e mais conversa. Menos contatos, e mais afinidades.

Há um tempo, conheci o Instagram da Ana Teresa Bello. Ana é decoradora e é apaixonada por fotografia. É dona da Amy, “uma felina cheia de personalidade, colecionadora de arte e afeto, carioca da Gávea e apaixonada por São Paulo”.

Passei a acompanhar o dia a dia dela e me surpreendo com o olhar que ela tem para cada foto. Pedi pra ela escolher algumas pra postar aqui. Ficamos entre a Islândia e o vazio, que ganhou. Fiz umas perguntas, e ela devolveu com um texto que diz muito sobre o que a fotografia representa na vida dela.

No Instagram > @anatbello

Processed with VSCOcam with c1 preset

Foi muito difícil responder essas perguntas, porque é sempre complicado para mim falar o que me motiva a fazer alguma coisa. Sempre fui melhor de imagem do que de fala, talvez por isso trabalhe com interiores e por isso a fotografia tenha me tomado desta forma. No meio do processo de descrever o que eu gosto de fotografar, fiquei pensando no que eu não gosto de fotografar, no sentido da possibilidade de filtrar em um frame o que eu quero mostrar para o outro, o que eu escolhi ver.

vazio_islandia

E isso me encanta, poder selecionar apenas uma parte de alguma coisa maior e registrar aquele universo tão particular e tão meu, mas que ao mesmo tempo pode ser também um lugar comum para o outro, um sentimento ou uma imagem que ele possa reconhecer. Acho que no fundo toda vez que faço uma foto eu pense nisso, em algo que o outro também ache interessante e que de alguma forma o faça se transportar para aquela situação. Uma forma de dividir e exercitar meu olhar.

Processed with VSCOcam with c1 preset

Já faz 10 anos que trabalho com interiores e neste tempo todo fui aprendendo a selecionar, de um infinito universo de opções, aquilo que acho melhor para cada projeto. É sempre um imenso quebra cabeça de possibilidades e, de alguma forma, levo esse olhar para as minhas fotografias.

Processed with VSCOcam with c1 preset

Costumo brincar que as melhores fotos são aquelas que eu ainda não fiz, aqueles lugares que costumo passar com frequência, que sempre enquadro imaginariamente, aquela cena… Algumas eu volto e registro, outras ficam só na lista de pendências fotográficas.

Processed with VSCOcam with c1 preset

O vazio tem me interessado muito nos últimos anos, tanto em fotografia quanto em literatura, música e arte. É um interesse que tem muito a ver com o que eu observo da nossa geração, um comportamento individualista e muitas vezes indiferente ao outro. Gosto da brincadeira de pensar no vazio tanto em termos de proporções, como também de situações.

Processed with VSCOcam with c1 preset

Como te disse, tenho bastante dificuldade em observar todo este processo por estar muito envolvida por ele. Não tenho distanciamento suficiente para entender como estas imagens se relacionam, por estarem muito presentes em mim. Mas o vazio está ali, e fotografá-lo é uma forma de preenchê-lo, de dar uma história para ele.

Processed with VSCOcam with c1 preset

No começo o que me estimulava a fotografar eram os espaços vazios, as linhas, as simetrias ou a ausência delas, tudo muito relacionado à arquitetura. Depois, aos poucos, fui achando interessante quando a relação com a escala humana aparecia de alguma forma, e hoje em dia acho fundamental este elemento para a composição de uma imagem. Nada como ir treinando o olhar…

Processed with VSCOcam with n3 preset

Termino com uma frase de Bergson, um filósofo que eu admiro e que estudei por muito tempo: “O olho só vê o que a mente está preparada para compreender”. E eu espero que o meu olhar ainda me ensine muitas coisas.

Processed with VSCOcam with n3 preset

Processed with VSCOcam with n3 preset

amor  ·  entrevistas  ·  escreve escreve  ·  especial don't touch  ·  fotografia  ·  internet

O pós-crise

por   /  29/08/2014  /  21:21

Irina Munteanu |

A melhor coisa que fiz por mim e por este blog nos últimos tempos foi escrever o post da crise dos 7 anos. Dividir a angústia foi um alívio – e já me fez pensar em várias coisas, algumas novas, outras nem tanto. Escrever me tirou da inércia. Ler os comentários de vocês aqui, no e-mail e no Twitter foi a mesma coisa que receber uma injeção de adrenalina, motivação e amor.

A gente vive um tempo maravilhoso. E muito louco. Exigimos demais de nós mesmos – e o mundo ao nosso redor parece exigir mais ainda. Temos que fazer muito, ter uma vontade incessante, nos dedicar a tudo com muita determinação.

Gostei de falhar. De ficar em dúvida. De pensar “pra quê?”. De quase desistir, ao menos por um tempo. Me senti mais gente de verdade, menos personagem nesta internet que a gente se acostumou a viver como palco.

Ver que muitos de vocês sentem as mesmas coisas aumentou meu nível de empatia em 100%. Empatia, essa palavra de que eu tanto gosto!

Entre o post da crise e este, comecei um daqueles trabalhos que nos fazem lembrar porque escolhemos uma profissão. Fui convidada para escrever os perfis dos homenageados do Prêmio Trip Transformadores.

[Vocês conhecem o prêmio? Vai para a sua oitava edição e é muito legal! Seleciona pessoas do Brasil todo que estão fazendo mudanças na vida de muita gente. Obrigada pelo convite e pela parceria, Pedrinho, Ju, Carol, Vinícius e Regina]

O que eu mais gosto no jornalismo é de fazer entrevistas. Com o prêmio, tenho experimentado conversar com um senhor de 75 anos que inventou um aquecedor solar de baixo custo, com uma juíza que mudou a história do casamento no Brasil ao proferir a primeira sentença que reconhecia uma união homoafetiva, com uma doula que fez o imperdível filme “O renascimento do parto” e mais um monte de gente.

Gente que dedica a vida inteira a uma ideia, a uma causa. Que fala com paixão sobre o que faz, sobre o que ainda quer fazer – e a força incessante de cada um deles é impressionante!

Não poderia haver momento melhor para uma crise do que esse de entrar em contato com gente admirável, inspiradora, que todos vocês vão adorar conhecer (os perfis começaram a sair na edição de agosto da Trip).

Ao longo dessas conversas, que podem durar uma hora, mas geralmente duram 5, 6, 7 horas, um dia inteiro, voltei a perceber que uma das melhores coisas do mundo é conversar ouvindo com toda atenção o que o outro tem a dizer. Ando tão fascinada por isso! Você conversa 5, 10 minutos, ok, pode saber algumas coisas sobre alguém. Passou da meia hora, não tenha dúvida: vai descobrir, ao menos um pouquinho, as nuances, o que faz aquela pessoa ser quem é.

Voltar a fazer jornalismo me lembrou do que une tudo que fiz e faço, tanto na profissão que escolhi quanto na outra que descobri ao criar a Contente com a Lu: vontade de compartilhar as coisas do mundo que me interessam e me emocionam. É quando mostro, faço um convite, converso sobre as coisas que elas ficam mais legais de verdade.

Tem momentos em que tudo que a gente precisa é olhar pra dentro, né? E depois ver o tanto de mundo que existe lá fora.

Este post é para agradecer pelas palavras de vocês, que me lembraram da essência deste blog. É muito natural para mim dividir o que me emociona. Pode ser uma foto, uma música, uma história transformadora. O mundo é tão interessante, e eu me empolgo tanto com tanta coisa, que é impossível não voltar a postar por aqui com todo o amor do mundo.

Vocês são foda! Muito obrigada.

_____________________________________________________________________________

A foto é de Irina Munteanu.

amor  ·  contente  ·  entrevistas  ·  escreve escreve  ·  especial don't touch  ·  fotografia

A crise dos 7 anos

por   /  30/07/2014  /  8:08

rsz_1lukasz_wierzbowski

A crise do sete anos chegou. Ela vinha se anunciando há alguns meses, mas eu não queria admitir. O desinteresse foi ficando cada vez mais forte. A falta de assunto também. Quando eu tentava dar uma animada na relação, tudo parecia meio burocrático.

Hoje a gente tinha um date. Horário nobre, vamos sair pra jantar? A hora foi chegando… Desmarquei. Sabe quando você se arruma toda, faz reserva em um restaurante delicioso e, de última hora, desiste, porque na real o que você mais quer é vestir sua moda casa e ver novela?

O relacionamento aí acima é o meu com esse espaço que já me trouxe tanto na vida. Faz semanas que tento tirar a poeira do blog – até fiz ontem uma mixtape com esse nome.

Agora confesso: não sei mais o que postar. Quando posto, acho que pouca gente vê (valeu, Facebook). Até hoje devo resposta de emails que recebi em 2012. O livro Fratura Exposta não sai – eu travei de um jeito que nunca aconteceu antes (já que a metáfora é relacionamento, nada melhor que essa frase, haha).

Tenho a impressão de que a internet está gigante, que todo mundo produz muito conteúdo, que muita gente consome quase tudo. Como fazer de um blog que existe há quase sete anos um lugar interessante, relevante, gostoso, que as pessoas têm vontade de visitar quase todo dia?

Continuo vendo um monte de fotografia linda, ouvindo umas músicas no repeat, lendo menos que eu gostaria, é verdade, mas sempre tem uma coisinha. Sempre tem assunto. E aí vem outro pensamento: será que a gente precisa dividir tudo, tanto? Tem dias que acho que não.

Alguém aí já passou pela crise dos sete anos? Me aconselha uma terapia de casal? Sugestões são super bem-vindas, viu? Afinal, adoro saber que aí do outro lado tem gente de verdade, e não só um monte de número, como é tão praxe nessa internet de hoje.

Este post é apenas um post. Não é o fim do blog, nem o anúncio de um hiato, muito menos uma vontade de receber confetes. É só uma tentativa de me reconectar com ele, com vocês, de pensar sobre o assunto e, quem sabe, fazer uma mudança ou outra. Tenho pensado sobre, comecei a conversar com os amigos, vamos vendo, né? Às vezes dá vontade de me colocar mais por aqui, não só as coisas que eu vejo, ouço, leio, curto, mas um pouquinho também do que tenho pensado.

Obrigada por ficarem por aqui há tanto tempo!

_________________________________________________________________________________________________

A foto é do Lukasz Wierzbowski.

Não existe papo em SP

por   /  10/06/2014  /  17:17

Queridos, desde maio tenho uma coluna na ótima revista VIP!

Super legal, né? Tô animada!

A primeira, intitulada Não existe papo em SP, acabou de ir pro ar e começa assim:

Não existe papo em SP. A não ser que você queira ser fiel à frase de efeito que vendeu para o seu novo editor. Porque na primeira tentativa fora da sua zona de conforto, uma coisa vai ficar muito clara: a contradição está logo ali, na segunda esquina.

Minha tese vem do gosto pela rua (e aí você inclui bares, exposições, achar a festa certa para dançar muito) e perceber o quão difícil é conhecer pessoas novas, sobretudo porque a gente tende a se fechar no maravilhoso grupo de amigos que fizemos ao longo da vida, né? O espaço para o novo fica reduzido, quase inexistente. Até que um dia você resolve convidar uma amiga que tem uma atitude oposta à sua timidez, escolhe um ou dois lugares e começa o trabalho de campo.

Leiam a coluna completa > http://vip.abril.com.br/colunas/comportamento/nao-existe-papo-em-sp/

O mundo pré-selfie da japonesa Hiromix

por   /  12/05/2014  /  9:00

Antes de selfie virar palavra do ano, hit do Oscar e atividade nossa de quase todo dia, a fotógrafa japonesa Hiromix já experimentava documentar todos os detalhes da sua vida.

Ela começou a fotografar aos 17 anos e, aos 19, ganhou a décima primeira edição do New Cosmos Photograhy, concurso da Canon no qual ela recebeu a indicação de Nobuyoshi Araki, uma de suas maiores influências. Foi a deixa para suas fotos da vida íntima ganhassem uma popularidade gigante.

O ano era 1995, e vocês conseguem imaginar o impacto que suas fotografias tiveram na época? Ela adotou um estilo “meu querido diário”, com imagens de flores, discos, gatos, amigos e, claro, muitos auto-retratos. Pode ser comum hoje e todos fazemos, mas há quase 20 anos tinha um outro apelo – e muito frescor.

Aos 24, Hiromix, cujo nome de batismo é Toshikawa Hiromi, já tinha quatro livros publicados, o que mostra não só como sua fotografia gera identificação para uma legião de jovens seguidores quanto dá uma ideia do quanto os projetos fotográficos em livros fazem sucesso o Japão.

Em seu livro de 1998, ela dá uma boa noção da sua arte:

“Youth reflects transparency and beauty. Despite our lack of experience, the world often confronts us with unforgivable situations. We believe, more than anyone, in things that cannot be seen. Many unknown worlds are awaiting us. Surrounded by people and things we love, we smile carefree smiles. It is perhaps because I wanted to keep a record of this, that I take photos of myself.”

O que faz das fotos dela arte é aquela discussão eterna. De minha parte, gosto de ver em detalhes os registros de uma vida auto-centrada, que é tão enaltecida hoje, feita há muito tempo.

Mais em > http://photoguide.jp/txt/HIROMIX

O cotidiano banal de Stephen Shore

por   /  31/03/2014  /  14:00

A capa do livro que reproduz uma guia de revelação de filme analógico me chamou a atenção. Comecei a folhear aquelas páginas e encontrei fotos de um dia a dia sem filtro nem glamour. Pelo contrário: aquelas cenas davam espaço para uma refeição que não apetece aos olhos, um banheiro que acabou de ser usado, uma cama com lençóis sujos.

O livro era “American Surfaces”, de Stephen Shore, 66, fotógrafo norte-americano pioneiro no uso da cor – e um dos primeiros a ter suas fotos de cenas banais do cotidiano reconhecidas pelo mundo da arte.

Ele foi o primeiro fotógrafo vivo (segundo o livro; e o primeiro, segundo a Wikipédia) a ganhar uma exposição individual no Met (Metropolitan Museum of Art). Bem antes disso, Shore já atuava com determinação. Aos 14 anos, telefonou para o então curador do MoMa, Edward Steichen, e conseguiu vender três fotografias. Aos 17, conheceu Andy Warhol, passou a frequentar a Factory e a fotografar seus personagens icônicos.

Em “American Surfaces”, criou um diário visual das road trips que fez pelos Estados Unidos entre 1972 e 1973. O resultado é fascinante porque é muito simples – e nos leva a passar minutos criando histórias para cada uma de suas cenas.

Encontrei uma definição perfeita de Shore sobre o que faz: “Uma frase de que gosto muito chega perto de explicar minha atitude em relação a tirar fotografias. ‘A poesia chinesa raramenta ultrapassa os limites da realidade. Os grandes poetas chineses aceitam o mundo exatamente como eles o encontram em seus termos e sua profunda simplicidade. Eles raramente falam de uma coisa pensando em outra, mas são capazes e seguros o suficiente como artistas para fazerem os termos exatos se tornarem belos termos’.”

Coloco aqui algumas fotografias dele pra gente ver juntos.

Para saber mais sobre o fotógrafo, acessem > http://stephenshore.net/

amor  ·  arte  ·  escreve escreve  ·  especial don't touch  ·  fotografia

A armadilha do “Faça o que você ama”

por   /  18/02/2014  /  11:11

Há pouco mais de três semanas, decidimos falar menos, mas trocar mais. Criamos, então, um blog para a Contente > http://contente.vc/blog/

Para nossa surpresa, o feedback foi muito maior do que a gente esperava, o que nos encoraja a continuar pensando cada vez mais na internet que a gente quer.

Semana passada, publicamos uma longa entrevista que fiz com a Bárbara Castro, socióloga, sobre o lema “Faça o que você ama”. Coloco aqui o começo da entrevista. E peço pra que quem se interessar vá lá no blog ler tudo. Foi uma alegria conversar sobre esse tema com alguém tão brilhante. Leiam! > http://contente.vc/blog/a-armadilha-do-faca-o-que-voce-ama/

Vivemos em um mundo imperativo que a toda hora nos sugere com veemência o que devemos fazer para ter uma vida melhor. Seja você mesmo, ame o seu amor, faça o que você ama. Nas paredes das ruas e nos murais da internet, as frases se impõem a todo momento, nos incentivando a sermos mais completos e felizes (muitas delas até já apareceram no nosso projeto Autoajuda do dia, aliás). Mas esse mesmo incentivo, quando feito em excesso, também acaba nos causando uma certa angústia. Afinal, sabemos que a vida é feita também de vulnerabilidade e que ainda vamos falhar muitas vezes, por mais que a gente passe dia após dia em busca dessa satisfação total.

Não tinha idéia de quando o discurso do “Faça o que você ama” tinha começado a aparecer com tanta frequência ao meu redor. Geralmente quando percebo alguma coisa assim, minha primeira reação é achar que todo mundo está sentindo a mesma coisa (ô, pretensão!). Depois costumo fazer o recorte: isso deve ser coisa de nicho, do meu nicho, de gente que faz trabalhos criativos, que consegue inventar sua própria rotina etc. O próximo passo é sair da superficialidade e entender melhor o tema.

Depois de ler uma matéria da Slate que fala sobre como o lema “Do what you love, love what you do”, estampado em pôsteres lindos que compõe a decoração do home office (obrigada por me mandar, Jana!) pode ser uma grande armadilha, encontrei minhas amigas do trainee da Folha para um jantar. Comecei a discutir com uma delas sobre o texto. E qual não foi minha surpresa? A Bárbara tinha passado o segundo semestre de 2013 inteiro dando aulas sobre o assunto!

Fiz uma entrevista com ela. E o que ganhei em troca foi uma aula sobre a história do trabalho. Bárbara Castro é socióloga e doutora em ciências sociais pela Unicamp (Universidade de Campinas). É especialista em discussões sobre trabalho e gênero e atualmente dá aulas no curso do sociopsicologia da FESPSP (Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo).

“Não é todo mundo que pode, efetivamente, largar tudo e botar um mochilão nas costas (e aqui não faço nenhum julgamento moral sobre isso, é só uma questão de oportunidades e de classe), isso gera uma ansiedade absurda em quem já se sente oprimido pelo trabalho”, diz ela na entrevista. “O problema é que o que circula são sempre os casos bem sucedidos. De quem pediu demissão e inventou um negócio bem sucedido. De quem nunca trabalhou em uma firma e vive de frila, rodando o mundo enquanto escreve uma ou outra matéria. Mas o que eu sempre me pergunto é: quem pode, efetivamente fazer isso? Eu acho restrito, ingênuo e glamourizado. Porque amar o que você faz sempre vem acompanhado de ter dinheiro, morar em uma cidade incrível e cara e ser bem-sucedido. É um discurso de felicidade que, além de irreal pra maioria das pessoas, que não vivem de trabalhos criativos que podem ser feitos fora de uma empresa, traz um modelo de felicidade hermético. E acho que o que a gente precisa discutir de verdade é o que existe no trabalho tal como ele é organizado hoje, que nos faz abrir esse flanco entre produção e felicidade.”

A entrevista completa > http://contente.vc/blog/a-armadilha-do-faca-o-que-voce-ama/

As imagens que ilustram a entrevista são da Ana Luiza Gomes.

amor  ·  contente  ·  design  ·  entrevistas  ·  escreve escreve  ·  especial don't touch  ·  fotografia  ·  internet  ·  trabalho