Favoritos

Posts da categoria "entrevistas"

seriados da tv para a internet

por   /  21/05/2008  /  16:34

seriados no micro: tvs tentam atrair público que baixa séries na internet

fãs se articulam para ver séries no pc

episódios têm desdobramentos na internet

baixar séries não é crime, mas infração

“gossip girl” aponta caminho para a tv 

veja séries on-line

myspace faz séries on-line supercurtas

programa “urbano” leva internet para a tv paga

agências de publicidade valorizam mídia gerada por fãs

blackberry pearl 8110 vem com GPS, Wi-Fi e câmera com flash

nome próprio

por   /  14/05/2008  /  5:34

sábado teve pré-pré-estréia de “nome próprio”, filme de murilo salles baseado em livros e posts de clarah averbuck. o filme vale por leandra leal, que interpreta camila, uma personagem hiperbólica que escreve com aquela visceralidade toda que me dá uma certa preguiça. é preciso escrever o tempo todo, qualquer mesa de bar ou pé na bunda servem de inspiração. se uma barata aparece no seu teclado, uhu, aquilo ali vai render, no mínimo, um post pra um blog onde você coloca sua vida em pedaços. e aí acaba que camila fica chata. tão excessiva que vira tédio.

leandra bem que tenta tornar camila interessante (e consegue porque sua atuação é intensa e sincera) e ainda faz a alegria que quem quer vê-la pelada em 87% do tempo. mas o que fazer quando a vida de uma personagem é um marasmo disfarçado por noites de sexo, anfetamina e quase nenhum rock´n´roll (o que me espantou, porque os textos da clarah no brazileira!preta sempre falavam de um velvet aqui, uma nina ali…)?

por tentar retratar essa “coisa blogueira de ser” (e espero ansiosamente pelo dia em que vão parar com papos do tipo “monetização de blogs”), o filme fica num meio termo estranho. letras do post invadindo a tela enquanto camila narra em off suas desventuras, o computador onipresente, sei lá. a internet, que, pra muita gente, é tão natural quanto escovar os dentes, vira uma personagem que domina toda a cena. se a rede fosse só um meio de expressão, e não toda a mensagem, talvez o filme ficasse mais interessante.

e não é que o filme seja de blogueiro, para blogueiro, sobre blogs ou apenas sobre internet. acho até que essa não era a intenção dos roteiristas. mas do jeito que está, posts, stalkers e tectectec parecem maiores e mais importantes do que realmente são. mas, beleza, “nome próprio” se passa em 2000, 2001, época em que a gente até se arriscava a usar pseudônimos pra postar em blogs confessionais. então vale pelo resgate de como um dia a gente usou a internet.

twitter

por   /  23/04/2008  /  18:54

140 letras ou menos – textos supercurtos são a base dos microblogs, que trazem notícias, expõem o dia-a-dia de internautas e viram febre na rede; twitter ganha destaque e já tem 7% de brasileiros

usuários utilizam twitter para dialogar

raio-x

mídia, educação e publicidade usam micromensagens

projeto apresenta processo de criação de reportagens

‘twitter me tirou da cadeia’, diz estudante

pownce e tumblr acirram concorrência entre microblogs

* na foto, a publicitária bruna calheiros, do sedentário & hiperativo, em clique de carol guedes/folha imagem

come a little bit closer

por   /  20/04/2008  /  0:17

eu tentava acreditar em deus quando estudava em um colégio católico. cheguei até ver as alpercatas de jesus quando estava na segunda série. eu me esforçava, tentava, mas não sentia o que todos os meus coleguinhas diziam sentir: a fé. aquela elevação de espírito que transformava até o mais escabroso problema em uma simples provação. eu tentava, queria, mas num chegava lá.

sete, oito, dez anos depois, alguma coisa próxima de tudo isso aparece assim, de repente, pelo dvd da sala. é neil young no show “heart of gold”, que ele fez depois de descobrir que tinha um aneurisma e depois de perder seu pai.

eu amo neil young há uns bons anos. já tinha visto vídeos, trechos de shows. mas “heart of gold” é uma celebração, um culto na igreja dos sentimentos mais bonitos do mundo _até mesmo quando eles te fazem sofrer e te transformam em uma coisa que você ainda não sabe ser.

em cada letra, em cada tom de voz, neil encanta e comove. te faz chorar por ser tão sincero. eu não tenho medo de soar brega ou clichê com frases desse naipe, porque é a simplicidade de uma música como “here for you”, que ele fez pra filha, que me comove:

when your summer days come tumbling down
and you find yourself alone
then you can come back and be with me
just close your eyes and i’ll be there
listen to the sound
of this old heart beating for you
yes i’d miss you
but i never want to hold you down
you might say i’m here for you

o que neil young canta não é só música. o que ele escreve não é só poesia. e se existe algum sentimento próximo ao que eu tô sentindo agora é o bliss de bertha young.

amor  ·  analyze this  ·  escreve escreve  ·  música

tse vai controlar campanha na internet

por   /  02/04/2008  /  16:27

Sem Facebook, MySpace e YouTube, provavelmente a campanha de Barack Obama à Presidência dos EUA não teria alcançado tanta repercussão. O “candidato 2.0”, que tem perfil em redes sociais e trava debates on-line, conseguiu arrecadar US$ 135 milhões, até janeiro, via doações de internautas.

A força da rede em campanha eleitoral, no entanto, deve passar longe das terras brasileiras. O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) divulgou as condutas vetadas para a campanha municipal de 2008.

De acordo com o artigo 18 da Resolução 22.718, “a propaganda eleitoral na internet somente será permitida na página do candidato destinada exclusivamente à campanha eleitoral”.

Isso significa que apenas os candidatos poderão promover suas propostas quando começar o período eleitoral, em 6 de julho. Se um eleitor quiser fazer propaganda em seu blog ou no Orkut, poderá ser impedido -também há risco de multa para ambos.

“Ao proibir a utilização dos recursos gratuitos que estão disponíveis na rede, o TSE beneficia quem controla os canais da “mass media” e prejudica quem tem maior articulação na rede”, analisa o doutor em ciência política Sérgio Amadeu.

De acordo com o presidente do TSE e ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Marco Aurélio Mello, o objetivo é equilibrar a campanha. “Se não, quanto maior o poder de penetração do candidato e seu poder econômico de arregimentar gente para ter blog, ele terá maior propaganda, desequilibrando a disputa”, afirmou em entrevista por telefone à Folha.

Espera
Consulta ao TSE feita pelo deputado federal José Aparecido (PV-MG) questiona se será possível usar ferramentas da internet para angariar votos -como marketing por e-mail, blogs, perfis em redes sociais etc. A consulta 1.477 ainda precisa entrar na pauta do TSE e ser avaliada pelos ministros -isso deve ocorrer até julho.

matéria minha no caderno informática de hoje