Favoritos

Posts da categoria "#asmúsicasdeamor"

#asmúsicasdeamor: Henrique Neto

por   /  20/11/2017  /  9:09

eaba8a9f5ebe38a67a3240c17f469765

Estava no lançamento de “Breve história do homem”, da Ivana Arruda Leite, quando comecei a conversar com o Henrique Neto. Em poucos minutos ele sacou um fone da mochila e me fez perceber o quanto tô escutando música de um jeito inadequado. Próximo passo é comprar um fone incrível para superar isso!

A conversa sobre música se alongou, e eu pedi pra ele uma playlist com#asmúsicasdeamor.

“Quando a Dani me convidou para fazer uma playlist com músicas de amor, ato contínuo, me veio à cabeça as canções que embalaram paixões. Mas por que também não apreciar a beleza contida nas canções que falam dos amores imperfeitos, desfeitos, quase concretizados? A seleção da playlist  traz belas canções que narram com a mesma paixão amores desfeitos”, diz ele.

Henrique faz o projeto Risco no Disco, que resgata histórias por trás da música brasileira. “O projeto surgiu da minha paixão por esse universo, muitas pesquisa e, de tanto contar bastidores para os amigos, fui encorajado a botar meu bloco na rua.” Conheçam: instagram.com/risconodisco.

E ouçam essa playlist de rasgar o coração!

#asmúsicasdeamor + #trilhadonttouch

Uma viagem pelo México

por   /  14/11/2017  /  8:08

Graciela Iturbide 1

Fizemos recentemente missões super especiais no @instamission para promover a cultura mexicana. A ideia era falar do Taco Tuesday, movimento gastronômico que tem como desejo trazer a cultura mexicana para São Paulo. Como eles fazem isso? Oferecendo tacos e margaritas em dobro às terças-feiras entre setembro e dezembro. Nossa proposta contemplava uma missão cujo prêmio é uma viagem para o México, uma missão com influenciadores, um guia no @vailasp, além de uma breve pincelada sobre a arte mexicana aqui no @donttouchmymoleskine.

Pra começar, temos playlist. E aqui preciso contar da primeira vez que fui ao México, há uns 6, 7 anos. Fui pela Folha cobrir um evento do Google. Nos intervalos, bati perna, comi todas as delícias, vi uma lucha libre. Passando por uma loja de CDs, adorei a capa de um. Era da Paquita la del Barrio. Um CD triplo, que ouvi muito. Foi ela o ponto de partida dessa trilha, que é composta majoritariamente de mulheres mexicanas – ou que moraram lá, têm alguma relação. Há alguns homens também, porque “Amorcito corazón” é outra música que me acompanha há um tempo.

Vamos ouvir?

Agora vamos conhecer algumas maravilhosas fotógrafas mexicanas?

– Graciela Iturbide

“Aonde quer que nós vamos, queremos encontrar o tema que carregamos dentro de nós mesmos.” A frase é de Graciela Iturbide, um dos maiores nomes da fotografia mexicana. Nascida em 1942, ela percorreu o país para fotografar o papel e as condições das mulheres mexicanas na sociedade. Também fotografou a intimidade de Frida Kahlo em “El baño de Frida”, refugiados na Colômbia e no México, uma vendedora de iguanas que compôs uma imagem tão forte que virou icônica. “A câmera é só um pretexto para conhecer o mundo.”

Sobre Frida, ela disse em entrevista para o LA Times: “Foi muito intenso. O banheiro tinha sido fechado por ordem de Diego Rivera, certamente porque continha todas as coisas dela. E, de fato, havia cartas e outros objetos pessoais. Era muito interessante. Foi como entrar em um espaço proibido, congelado no tempo – com alguns cheiros terríveis. Imagine um banheiro fechado há 50 anos. Eu não era uma Frida-maníaca, nem o sou agora. Hoje em dia ela é praticamente ‘Santa Frida’. Mas lá eu aprendi que ela era uma mulher maravilhosa que suportava muita dor. Eu tenho uma imagem do Demerol – a morfina que ela costumava tomar. Ela teve muita dor. Mas ela continuou pintando. A pintura era sua terapia. Sinto que tenho que conhecê-la melhor.”

Mais em: gracielaiturbide.org

Graciela Iturbide 3102 (1)Graciela Iturbide 2 la-1500395815-21eecjmot2-snap-image

Graciela Iturbide 4 Graciela Iturbide

– Eunice Adorno

Começamos com Eunice Adoro, nascida em 1982, jornalista e dona de um trabalho que mergulha na intimidade de mulheres das comunidades de Nuevo Ideal, Durango e Onda Zacatecas que abriram as portas de suas casas, deixando-a fotografar  seus espaços íntimos e seus eventos diários. “A cumplicidade mútua e os relacionamentos emocionais que se formam entre elas são parte dessa série de imagens em que a vida cotidiana nos distrai da ideia dominante da vida conservadora dessas mulheres. Essas comunidades isoladas foram, para mim, vidas extraordinárias. O mundo dessas mulheres parece fascinante, enigmático. Essa viagem foi para mim, em que eu mesma me isolei do meu mundo cotidiano e, partindo por estradas empoeiradas, encontrei a minha própria história”, diz ela sobre o projeto “Mujeres flores”.

Mais em: euniceadorno.com/work/works/mujeres-flores

Eunice Adorno 4Eunice Adorno 2 Eunice Adorno 3 Eunice AdornoEunice

– Mariela Sancari

Mariela nasceu na Argentina em 1976, mas desde 1997 vive no México. Seu trabalho parte de investigações pessoais para desenvolver seus trabalhos. Aqui mostramos “Moisés”, uma série em que ela busca em desconhecidos a figura do seu pai, que se matou quando ela e a irmã gêmea tinham 14 anos. As adolescentes não chegaram a ver o corpo, era como se ele tivesse desaparecido. Restou só o silêncio. As irmãs entraram em negação e procuravam o pai pelas ruas. “Imaginávamos ele com uma nova família, ou como um homem sem casa, vivendo na rua. Eventualmente, decidi fazer essas fantasias virarem realidade”, disse ao Guardian.

Mais em: marielasancari.com

Mariela Sancari 1 Mariela Sancari 2 Mariela Sancari 3 Mariela Sancari 4

– Ruth Pietro Arenas

Ruth Pietro Arenas conta as histórias de mulheres que migraram do México para os Estados Unidos na série “Safe heaven”. Ela fotografa intimidade, usa muita cor e faz um retrato de uma das questões mais importantes da contemporaneidade. “O que acontece uma vez que você atravessa a fronteira? Essas mulheres são corajosas. Com a situação social no México, a pobreza, essas mulheres decidiram atravessar, dizendo: ‘Se eu morrer, morro.’ Quando eles não têm mais nada a perder, elas conseguem a força para cruzar. E, uma vez que eles estão aqui, eles têm que ter grande força de vontade de cuidar de tudo.” Forte.

Mais em: lens.blogs.nytimes.com/2013/05/09/across-the-border-live-and-in-color

Ruth Pietro Arenas 0Ruth Pietro Arenas 6Ruth Pietro Arenas 1 Ruth Pietro Arenas 2 Ruth Pietro Arenas 3 Ruth Pietro Arenas 4 Ruth Pietro Arenas 5

#trilhadonttouch  ·  amor  ·  escreve escreve  ·  especial don't touch  ·  fotografia  ·  instamission  ·  música  ·  viva méxico!

“Treta”, um disco de Marcia Castro para o corpo – e a pista

por   /  13/11/2017  /  15:15

18493190_1418010928257884_517971778_o

Gosto de pensar na importância da gente construir um repertório de pista baseado em músicas novas – e não só nas maravilhosas que nos acompanham há 10, 30, 40 anos (como “Cartaz”, de Fagner, “Todo dia era dia de índio”, de Baby do Brasil, e todas aquelas que recheiam o som nas festas de música brasileira, sabe?). Então gosto quando artistas de hoje se propõem a criar músicas pra gente dançar – e suar, colocar o corpo em movimento.

Ao ouvir “Treta”, da Marcia Castro, pensei nisso. Que bom! Foi então que deu vontade de fazer mais uma dessas entrevistas longas, em que a gente tenta conhecer mais da artista, sabe? Espero que gostem!

Pedi playlist pra ela também. Tá uma delícia, ouçam!

#asmúsicasdeamor + #trilhadonttouch

– Depois de ouvir “Treta” pela primeira vez, pensei: a Márcia Castro quer ser a Anitta, e isso é maravilhoso! Como se deu essa mudança de sair de uma carreira na MPB para algo tão sexy e pop?

Quando comecei a produzir esse trabalho, não tinha idéia onde isso daria, estética e pessoalmente. A única coisa que sabia era que queria produzir um som eletrônico, eu queria dançar com o meu som. Há alguns anos eu vinha fazendo em Salvador um projeto de verão chamado Pipoca Moderna, onde aconteciam encontros bem alegres entre diversos artistas da música brasileira, como Otto, Caetano, Gil Zeca Baleiro etc. Sentia falta de uma música minha que representasse esse espírito de celebração, de dança. Daí vi que fazer um som eletrônico dançante poderia ser um desafio muito enriquecedor para mim, para minha carreira, para esse desejo. Convidei o Rafa Dias (DJ e produtor baiano) para iniciar esse processo comigo, mergulhei no eletrônico de cabeça, nas referências que vinham a partir de Rafa, que já tinha ali um filtro do que poderia me interessar mais, pois o mundo eletrônico é muito vasto. Foi um ano inteiro de processo, desde começar a finalizar o vídeo. E muitas tretas e mudanças pelo meio do caminho. O que se revelou foi a vontade de produzir um som mais pop, que se comunicasse diretamente com as pessoas, e com muitas pessoas. As letras, melodias, os timbres, tudo isso foi definido por esse desejo. E tom sexy se estabeleceu por conta de minha vida pessoal, de novas experiências com o meu corpo. Tudo acontecendo enquanto eu fazia o disco. A música revelou minha vida.

– O disco marca uma fase de transformação na sua vida. Conta sobre ela?

Eu era casada por 9 anos. Em 2016, meu casamento chegou ao fim, me apaixonei por uma pessoa. Tudo que era estável e encaixado em minha vida se estremeceu. Perdi meus lugares de permanência, lugares afetivos, sociais…. Em contrapartida, conquistei novas experiências que só são possíveis a partir do furacão de uma paixão. Todo esse território de instabilidade e novidade foi fundamental para me fazer nessa nova etapa. Não foi fácil, porque a crise estava ali, com todo sofrimento que acompanha toda crise, e em meio a isso havia a responsabilidade de colocar um trabalho novo no universo. Chegado ao fim, parece que você viveu uma longa ressaca. E depois o alívio de ter sobrevivido e construído coisas tão importantes, como esse disco.

IMG_3776

– O disco é do corpo, da pista, cama. O corpo é quase um instrumento nele. Faz sentido?

Faz todo sentido. Há alguns anos comecei a me relacionar de um jeito novo com meu corpo. Mudei minha alimentação, comecei a fazer exercícios intensos regularmente, acendi uma vaidade que estava escondida. Daí o corpo acendeu junto. E foi acendendo faíscas, contaminando quem estava ao redor. E tudo foi acontecendo….

– O que um casamento duradouro trouxe de aprendizados? E para o que uma nova paixão te despertou?

Meu casamento foi longo, 9 anos de relação. São muitos aprendizados. O maior talvez se refere a alteridade. Você perceber o outro a partir dele, ser generoso, saber ceder, saber dividir. Nenhum relacionamento dura tanto tempo de um modo saudável se você não consegue desenvolver esses sentimentos numa relação. Amadureci muito nesse período, como se estivesse mais preparada hoje para viver comigo, dentro e fora de uma relação. A paixão, por outro lado, lhe faz descobrir a intensidade dos desejos, a urgência dos sentimentos, o carnal, o sexo, o frescor da admiração, coisas que, se você não cuida numa relação, vão se perdendo e minando esse território estável. É necessário a gente estar sempre atento para manter a faísca da paixão acesa numa relação. Isso é possível.

– De quem você se cercou para fazer o disco? Não só os compositores e produtores (quero saber dessas escolhas), mas também o que foi referência pra você durante o processo?

Musicalmente, me cerquei de poucas pessoas, porque o trabalho eletrônico é mais enxuto, são menos profissionais necessários para fazer a coisa andar. Iniciei o processo com o baiano Rafa Dias, que foi fundamental para me lançar na história eletrônica. Tínhamos imersões mensais no trampo, aprendi muito nessa fase inicial. Depois, Marcos Vaz se juntou ao trabalho trazendo novas referências e muita experiência, pois há muitos anos ele desenvolve uma pesquisa nesse território eletrônico. Os compositores Ozz, Raoni, Luciano Salvador Bahia, Jurema Paes, Ava Rocha, que conversaram comigo no processo e enviaram músicas e versos a partir dessa minha demanda. Os músicos baianos Juninho Costa (guitarrista), Chibatinha (guitarrista) e Gustavo DiDalva (percussionista) foram precisos para pontuar definitivamente o jeito do som. Por fim, a contribuição do francês Mr. Gib, que mixou o trabalho, foi essencial para chegarmos no resultado de som que desejamos no início. Além dessas pessoas que trabalharam diretamente na música, teve o incentivo absoluto do DJ Zé Pedro, dono do selo Jóia Moderna, que lançou o trabalho. Teve a contribuição valiosa e generosa do diretor criativo Giovanni Bianco, que realizou toda concepção gráfica do trabalho. Enfim, me considero sortuda por ter encontrado a mão de cada uma dessas pessoas disponível para somar ao trabalho. E de referências, no inicio ouvia muito o Stromae, o Buraka, a MIA, Bomba Stereo, Die Antwoord.. Depois comecei a ouvir o pop de Beyonce, Timberland, Rihanna, Drake, Kanye West, Kendrick Lamar… Depois, ouvi muito funk….. E por aí vai…..

– Aliás, o que te formou musicalmente?

Minha formação musical primeira está ligada à música brasileira e ao jazz por conta do meu pai, que me dava todas essas referências para eu escutar. De Elis Regina, passando por Caetano, Tom Jobim e indo até Billie Holiday, Chet Baker etc. Mas eu sempre absorvi muita coisa. Tudo que me soa novo, eu experimento. E daí, acabo absorvendo muita coisa. Não existe um estilo que eu não escute. Talvez, o pagode paulista seja a coisa mais distante de mim. No mais, ouço e acompanho quase tudo. Sou curiosa.

– O que te inspira a compor?

Minha vida, minhas experiências pessoais. Aí mora toda minha inspiração.

IMG_6081

– Conta brevemente sua trajetória?

Comecei a cantar profissionalmente aos 16 anos, em bares de Salvador. Fiquei fazendo isso por uns cinco anos. Eu tinha meu próprio equipamento de som, fazia eventos, comecei a ganhar meus primeiros cachês assim, mas já estava enfadada de fazer barzinho, eu sentia e sabia que tinha minha mensagem para reverberar por aí. Foi então que conquistei o Prêmio Braskem de Cultura e Arte para gravar o meu primeiro disco, “Pecadinho”. Com ele, me mudei para São Paulo, pois sabia que precisa de um terreno onde espalhar minha música fosse mais possível. Na sequência vieram os discos “De pés no chão” e “Das coisas que surgem”. No meio desse caminho, toquei o projeto Pipoca Moderna em Salvador, que me deu bastante visibilidade e despertou o desejo de fazer um disco de dança, de corpo, que chegou agora com o “TRETA”.

© Erivan Morais

© Erivan Morais

– O que ser cantora, compositora, artista melhor te ensinou e ensina sobre a vida? E quais foram as maiores dificuldades no caminho?

Ser artista me faz ser mais sensível ao outro, me faz ser aberta ao encontro, me desperta a curiosidade, a generosidade. E sou artista porque essas coisas todas já me pertencem. Sinto que sou uma pessoa melhor por ser artista. A arte me melhora, me espiritualiza. Foram muitas dificuldades no caminho, que ainda existem. Não é fácil ser artista e viver de arte nesse mundo, porque se você não está no topo como artista, o trabalho é pouco valorizado, em todos os sentidos. E precisamos sobreviver. Mas nenhuma dificuldade até aqui sucumbiu o desejo de fazer arte. Vivemos agora um período muito crítico. Depois de anos de conquista, onde vimos pela primeira vez a música independente brasileira se estabelecer de modo mais digno, temos uma crise profunda no mercado musical. E quem mais sofre essa crise somos nós, os pequenos e independentes. Mas estamos aí. Crescemos na crise. Agora é uma questão de administrar.

– Agora pausa pra uma pergunta de RH: como você se vê daqui a cinco anos? E daqui a 20? O que você quer fazer que ainda não fez?

Não tenho idéia… rs. Eu mudo muito o tempo todo. Tenho vontade fazer um curso de nutrição, me interesso por alimentação. Acredito em nas curas emocionais e físicas a partir dela. Tenho vontade de morar em Portugal. Tenho vontade de morar numa casa no campo. Tenho vontade de ter filhos. Tenho vontade de fazer música para sempre, mas aos poucos a gente vai mudando a expectativa. Sinto cada vez mais que faço para mim, por mim. Em tudo que me vejo fazendo, existe o desejo de me tornar uma pessoa que contribua para a evolução desse mundo, de modo que as pessoas possam viver mais plenas, inclusive eu. É um desafio constante. É uma prática diária.

– Ser artista no Brasil hoje é…

Uma novidade a cada dia…

IMG_6788

#asmúsicasdeamor: Pérola Braz

por   /  07/11/2017  /  9:09

 _I_

Pedir uma playlist de músicas de amor para as pessoas é uma coisa maravilhosa. Cada escolha diz muito, dá pra sentir as emoções nas entrelinhas, sabe? Essa da Pérola Braz é um espetáculo, consegue juntar Stooges com brega, Jards Macalé com Lia de Itamaracá. Duas horas de pérolas, literalmente!

“Obrigada por me fazer juntar alguns hinos da minha vida, o peito inflou. Aqui é o seguinte, amor sem vergonha: potente, bonito que dói, vulnerável, entregue, esperançoso, atento, mágico, rasgado, safado. Pra mim, é exatamente como Luiz Gonzaga cantou: um cajá do tamanho de um melão, um elefante que caiba em minha mão, tamarindo doce como mel e rapadura amarga como fel. Não faz todo sentido? Cinismo, decepção, crueldade e indiferença não couberam aqui. fica pra uma próxima, hehe”, diz ela.

A imagem que ilustra é “da incrível série em processo ‘Insetos Transando’, de Clara Moreira“, completa.

Apenas ouçam esse presente!

#asmúsicasdeamor + #trilhadonttouch

#asmúsicasdeamor  ·  #trilhadonttouch  ·  amor  ·  arte  ·  especial don't touch  ·  música

#asmúsicasdeamor: Mariana Neri

por   /  31/10/2017  /  10:00

love

Toda segunda, a Mariana Neri dispara a Mops, sua newsletter de música, contando quais são os lançamentos, fazendo duelo de quem fez a melhor versão de um clássico, compartilhando links desse universo. É uma delícia, descubro um monte de coisa graças a ela.

Fiz o convite pra ela criar uma playlist de amor. E sabe quando você quer ser amiga porque deu tanto match, que muitas das músicas são as de amor da sua vida também? Pois.

Ela explica: “Eu sou pisciana BEM pisciana do tipo que nunca superou a separação de Chico Buarque e Marieta Severo e o término de Fiona Apple e Paul Thomas Anderson. Sofro com música de dor de cotovelo mesmo quando tá tudo bem na vida amorosa, então na minha playlist estão todas as fases do amor misturadas: música de amor platônico, que eu ouvi quando o coração foi partido, trilha de momentos ~quentes~, até músicas que me lembram a primeira pessoa que eu vejo quando acordo e por quem me apaixono um pouquinho mais todos os dias. Ficou ridícula, porque as playlists de amor, se há amor, têm de ser ridículas.”

Derretam-se!

#asmúsicasdeamor + #trilhadonttouch

#asmúsicasdeamor  ·  #trilhadonttouch  ·  amor  ·  especial don't touch  ·  mixtapes  ·  música

O climão do Letrux no melhor disco do ano

por   /  24/10/2017  /  10:10

Foto: Vitor Jorge

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Letrux é a nova alcunha de Letícia Novaes, artista carioca que lançou uma pérola este ano – e hoje concorre a melhor álbum no Prêmio Multishow, ao lado de Chico Buarque e Rincon Sapiência. “Letrux em noite de climão” é, sem dúvida, o melhor disco do ano. Ouço várias vezes por dia, e, a cada vez, uma música diferente me pega. Tem amor, tem sofrência, tem melancolia,tem hit pra pista – muitos, aliás. Ela passeia por tantas histórias e tantos moods…

Ao vivo, suas músicas ganham ainda mais força, uma vez que a Letícia é de um carisma absoluto, dona de um timing perfeito para interagir com a plateia. No show o disco faz ainda mais sentido. É forte, potente, divertido. É uau, sabe? Como é bom ouvir música que é feita com verdade, sem ser para soar de um jeito (que vai agradar mais, vender mais).

Costumo dizer que, se não tem algum sofrimento na história, as músicas ficam naquele estágio de quase lá. Música boa é feita de arrebatamento, né?  – e, tenha ela sofrido ou não, a real é que fez um disco genial (que em vários momentos me lembra Rita Lee dos anos 1970, pensa que delícia?).

Como já deu pra perceber, acho ela foda (já apareceu aqui algumas vezes). Conversamos sobre música, vida, processos, essa coisa de ser artista no Brasil.

Pra completar, a Letícia fez uma playlist com suas músicas de amor.

Ah, ela faz shows no Rio (Circo Voador) e em São Paulo (Sesc Vila Mariana) em novembro. Vamos?

#asmúsicasdeamor + #trilhadonttouch

Mais: www.facebook.com/letruxletrux +@leticialetrux

– Eu tô apaixonada pelo Letrux, ouço todo dia, várias vezes por dia, aliás. Quando não ouço, dá uma abstinência. Conta como foi o processo de criação desse disco? Como ele se insere na sua carreira depois dos outros trabalhos?

Foi um processo muito natural, mas ainda assim cósmico e caótico, risos. Desde 2012 fui guardando umas melodias, letras, músicas, coisas que não entraram no Letuce. Eu escrevo quase todo dia, não necessariamente muito, mas uma frase, algo, tô sempre anotando. Em 2015, Arthur (um dos produtores do disco) e eu, inventamos que meu disco chamaria Em Noite de Climão, por conta de uma piada besta, somos muito amigos, rimos, guardamos essa informação, esquecemos. Daí a piada foi ganhando força, o conceito foi se ampliando, veio o golpe, veio que eu não passei em nenhum edital, fiz o 3 crowdfunding da minha vida, em pleno ano de crise, ui! Mas aconteceu, as pessoas me salvaram geral! Além do Arthur, chamei a Natália Carrera, guitarrista maravilhosa, pra produzir também. Éramos um trio bem diferente, mas isso foi muito curioso, saber ouvir, saber mesclar as vontades. Depois dos meus outros trabalhos como cantora, seja Letuce ou outros projetos que também participei, Letrux em Noite de Climão foi um processo de cura, de renascimento, foi meu jeito de contar uma saga, uma trajetória romântica desastrosa, mas ao mesmo tempo curiosa, divertida.

– E como tem sido a recepção dele? Aliás, no show no CCSP fiquei impressionada como você tá formando um público que inclui adolescente (e isso é tão legal!). Como foi essa construção? Como é ser artista no Brasil? Como é ser artista tendo a internet como grande meio de disseminação?

Tento não criar expectativa, pois sou um ser ansioso. A recepção ultrapassou tudo que eu esperava, é muito forte, é email, é carta, é foto, é vídeo, é gente falando comigo no metrô, um troço muito forte, porque não é “Oi, Letícia, sou sua fã”. Não. Acho que como eu tenho uma certa intensidade, as pessoas vem com a mesma pra mim, é muito doido. Mensagens profundas, maravilhosas. Sim, meu público mais jovem aumentou, ao passo que o mais adulto também, achei muito importante isso. Consegui atingir os pólos. A construção foi boca a boca. Claro que meu assessor é maravilhoso e saímos em matérias e sites interessantes, mas todo dia no twitter é alguém dizendo “meu deus me indicaram isso aqui e já não consigo parar”! Ser artista no Brasil é bem brabo. Não vou mentir, não vou recomendar, risos e choros. Só sou porque é o que me move, o que me emociona, o que amo fazer, o que me transforma, me alucina, me deixa viva. A internet ajuda um bocado, visto que somos artistas independentes, então, sem ela não estaria rolando esse bafafá todo, né? Ufa!

– Muitas vezes eu ouço uns discos e penso: “tinha que rolar um pouco de sofrimento para essas músicas serem boas de verdade”. Sofrer por amor, aquela coisa de filme de Hollywood de ter que chegar num ponto treta pra dar a volta por cima. Você acha que um pouco de dor influencia o seu trabalho? Como o amor molda sua arte, sua escrita, suas canções?

Eu lido bem com o eixo “amor & dor”, “tragédia & comédia”, deve haver uma explicação psiquiátrica, risos. Mas caminho do meio não vai ser nessa vida. Tenho dias que entro no buraquinho e vou lá no cerne e choro a vida e sinto tudo muito. Mas sou sempre salva pela graça, impressionante. Sou capaz de estar aos prantos, destruída e fazer uma piadinha leve, pra começar a me reerguer. Aí vou rindo, vou voltando. Então essa montanha russa me influencia um bocado. Eu gosto do amor, tenho sol em capricórnio mas é na casa 5 (que entre tantos significados, é a casa “do amor” na astrologia). Gosto do passeio amoroso, por mais alucinante que seja, gosto.

– O que te faz subir no palco e performar brilhantemente? O que você entrega quando está ali, o que você espera receber, se é que espera?

Outro dia eu pensei uma coisa que é a seguinte: eu estava a 5 minutos de entrar no palco e sei lá, eu fico numa concentração tão louca, que minha cabeça esvazia, eu tentei lembrar de uma letra, e eu mesma me censurei, fiquei “não se programa, não se programa”. Tento deixar acontecer naturalmente. Claro que falo algumas coisas duas, três vezes, mas as entrelinhas eu deixo pra sentir a dinâmica da noite. Eu tenho muito medo de palco, cago sempre antes de entrar, de tão louca minha barriga fica. Mas nunca deixei esse medo me controlar, eu controlo ele, e acho que isso me excita. Então eu domo o palco e fico “arrá!”. Eu espero receber atenção, apenas. Não gosto quando ficam à espreita da queda alheia. Já fiz alguns shows com gente me olhando de maneira estranha. Eu canto de olho aberto, eu olho para as pessoas, então às vezes não gosto do que vejo, é raro, mas acontece. Por mais que você não esteja gostando, tem alguém na sua frente (no caso eu) em carne viva quase, tenha alguma empatia, sabe? Não faça cara de cu. Mas foi raro isso ocorrer. Mas aconteceu e às vezes me desconcentra, daí viro a cabeça e olho para os querides que estão me doando atenção e seu tempo. Eu não sei exatamente o que eu entrego quando estou no palco, talvez meu entusiasmo em estar viva. Não sei.

– Agora pausa pra uma pergunta de RH: como você se vê daqui a cinco anos? E daqui a 20? O que você quer fazer que ainda não fez?

Daqui a 5 anos terei 40, me vejo com mais um livro publicado, uma peça escrita e encenada, mais um disco Letrux, um dvd talvez, risos. Me vejo já tendo lido os 5 livros que estão na minha fila. Acho que já conheci a Grécia e talvez a Itália. Filhos não sei, ainda é uma questão. Me vejo viajando por aí, cantando. Um livro pra crianças, sim. Daqui a 20, uau. Me vejo indo à praia, talvez entrei no vôlei de praia sênior, acho que já fiz a travessia do mar de Copacabana. Passei um ano fora. Na Bahia ou na Grécia mesmo. Sei mais sobre mitologia e sobre a umbanda, talvez já tenha incorporado. Tenho netos, não sei como, mas tenho. Tenho um amor que me acompanhou nessa trajetória insana. Viajamos. Lemos, rimos. Evoluí no violão e no piano, felizmente. Fiz um disco só de baladas, risos. O que eu queria fazer que ainda não fiz é virar mergulhadora profissional, acho.

– O que ser cantora, compositora, artista melhor te ensinou sobre a vida? E quais foram as maiores dificuldades no caminho?

Aprendi que cantar é forte. Vira para qualquer pessoa na rua e fala “Canta aí”, as pessoas têm vergonha. Ninguém fala “gente, deixa eu cantar aqui rapidinho”. Então se você tem coragem de cantar, saiba que você é forte. Envolve muita força, muita entrega, muita divindade. Ser artista me ensinou que a maneira que eu vejo as coisas não é a mesma maneira que todo mundo vê, e isso parece bobo mas me valeu a vida. As maiores dificuldades foram conciliar as expectativas, entender os desejos dos amados pais que só querem o seu bem, amansar o medo do futuro e da falta de grana. A auto estima que por vezes te julga e te faz pensar que você é uma mentira, que está apenas “brincando” de arte e que já passou da hora de fazer um concurso público. Tem muita dificuldade no caminho, não vou mentir.

– Conta brevemente sua trajetória? Aquela coisa de se apresentar pra quem ainda não te conhece, ou pra quem quer relembrar?

Nasci no Rio, caçula, tenho 2 irmãos homens, meus pais são seres humanos iluminados, tive uma infância muito lúdica, cheia de livros e filmes por parte da minha mãe que era professora de francês e com muita música e piscina, por parte do meu pai que é geminiano, risos. Fiz teatro no colégio e achei que era só um passatempo, mas já sentia minha cara ficar quente. Fiz faculdade de letras porque eu amava escrever, mas achei o ambiente acadêmico muito opressor em 2000. Daí fui fazer teatro na CAL, e ali minha vida mudou, fiz amigos profundos, descobri o violão, comecei a compor, foi uma fase muito rica da minha vida. Montei minha primeira banda, comecei a tomar gosto pela coisa. Conheci Lucas em 2007, nos apaixonamos, fizemos a banda Letuce, lançamos 3 discos, viajamos muito, tivemos muitas pirações e momentos lindos. Ano passado quis encerrar a banda, eu e ele já separados e tudo lindo e natural, e aí quis lançar esse disco solo, essa maluquice de Letrux em Noite de Climão. Ah, também já lancei um livro que chama “Zaralha – abri minha pasta” e também já participei de um filme meio blockbusterzão “Qualquer gato vira lata”, o 1 e o 2. Muito divertido fazer. E outras mil coisinhas malucas que já fiz, e ainda farei, certamente.

– Ser artista no Brasil hoje é…

Resistir.

#trilhadonttouch  ·  amor  ·  entrevistas  ·  especial don't touch  ·  música

As músicas de amor: Laís Sampaio

por   /  23/10/2017  /  17:17

C79A377/SdCard//DCIM/114LEICA/L1140910.JPG Processed with VSCO with c1 preset

Voltamos com #asmúsicasdeamor, essa parte do blog em que convidados fazem trilhas com as músicas de amor que mais gostam na vida. Desta vez a convidada é a Laís Sampaio, produtora cultural e dona de um gosto musical maravilhoso (foi por causa dela – e do Renato Saraiva – que fui parar no show do Mateus Aleluia, um dos melhore que já fui.)

A playlist “tem música de amor, de transar, de chorar, de amar, de janjar, de superação, risos’, diz ela. E já tá no repeat aqui – tenho a impressão de que vocês vão amar!

#asmúsicasdeamor + #trilhadonttouch

A tecnoguitarrada de Lucas Estrela

por   /  20/10/2017  /  9:00

Lucas

Ouvi o disco do Lucas Estrela e quis me transportar pro Pará. Que música boa, que vontade de dançar! O músico lançou recentemente “Farol”, seu segundo álbum, e a gente aproveitou pra conversar.

Mais: @lucas.estrela

#trilhadonttouch

Pra completar, ele fez uma playlist especial pro blog!

Minha história na música começou com uns 8 anos de idade. Minha família não é de músicos, mas meus pais amavam música, então recebi toda essa influência deles, principalmente da música instrumental e da lambada, que eles gostavam muito. Eles me deram o primeiro violão de presente e fui aprendendo sozinho, naquelas revistinhas de cifras que vendiam em bancas na época. Mas um ano depois, quando fiz 9, meu pai faleceu e acabei abandonando o instrumento por um tempo. Só depois de alguns anos que fui estudar música mesmo. Com 15 montei a primeira banda e aos 16 já tava começando a tocar na noite. Foi nessa passagem dos 16 pros 18, quando ainda era barrado na porta das casas quando ia tocar, que descobri que queria ser artista, haha.

Tem um disco chamado “Tecnoguitarradas” do Pio Lobato de 2007. Pio é guitarrista, compositor e produtor musical daqui de Belém, hoje ele é o produtor musical da Dona Onete. Então, esse disco que completa 10 anos agora em 2017 mudou minha vida. Quando ouvi o “Tecnoguitarradas” pela primeira vez, a ideia de música instrumental, eletrônica e de música experimental se ampliaram na minha cabeça e no meu jeito de tocar e produzir música. O Pio conseguiu juntar a linguagem tradicional da guitarrada com os elementos do tecnobrega e essa coisa mais contemporânea da música eletrônica. Loops, efeitos, samples, tudo isso gravado no home studio do Pio em 2007, quando o acesso aos equipamentos de estúdio de baixo custo ainda não era tão fácil.

Depois te tanto ouvir esse disco, fui atrás dele. Só então que descobri que ele tinha sido responsável por vários outros trabalhos importantes pra cultura popular paraense, inclusive os “Mestres da Guitarrada” (2001). Trabalho que promoveu essa difusão da guitarrada pelo Brasil. Nessa época, acho que tinha uns 18, já produzia em casa e comecei a mandar coisas pro Pio. Certo dia ele disse que tava produzindo o novo disco e queria que eu fizesse a base eletrônica pra uma música chamada “2×2”. Me mandou algumas trilhas de guitarra e fiz a base. A faixa entrou pro disco dele e nossa parceria de composição surgiu aí. O Pio foi um dos responsáveis pelo meu primeiro álbum. A outra pessoa igualmente responsável foi o Waldo Squash (Gang do Eletro), um dos maiores produtores de música eletrônica que tive o prazer de conhecer. Waldo produziu comigo as bases do “Sal ou Moscou”.

O processo de produção do primeiro foi bem diferente do segundo disco. No primeiro, passei uns 2, 3 anos gravando sozinho em casa, sampleando as bases do Waldo até chegar num álbum. Tentei dar uma unidade a esse trabalho, usando praticamente os mesmos timbres de bumbo, caixa, synths e guitarras nas faixas. Algo bem característico do tecnobrega.

No “Farol” (2017), o processo foi totalmente diferente. Chamei vários amigos pra esse disco, tem muitas participações. Gravamos em 3 meses no estúdio Casarão Floresta Sonora, chamei um grande amigo pra fazer a direção artística, o Felipe Cordeiro, e gravei algumas versões instrumentais nesse disco, coisa que não fiz no disco anterior, em que todas as composições eram minhas. Sem falar na sonoridade, que já caminha por outros lugares também. Do carimbó digital à cumbia. Essa experimentação no estúdio só foi possível graças ao patrocínio do Natura Musical que acreditou nessa união da música tradicional e contemporânea feita no Pará.

Bom, tenho 25 anos, nasci em Belém/PA e acho que só fiz coisas ligadas à música até hoje, haha. Nessa época que comecei a tocar na noite, com uns 16 anos, pensava em fazer arquitetura. Tentei o vestibular por dois anos e não passei. Aí foi quando decidi seguir a carreira da música mesmo. Mas também fiz trabalhos ligados à música em outras áreas, como câmera e editor de vídeo em uma produtora audiovisual em Belém por uns bons anos, editando shows e videoclipes (outras grandes paixões: o cinema e audiovisual). Também já fui roadie da Gaby Amarantos e do Felipe Cordeiro por um tempo, depois passei três anos em São Paulo trabalhando na EMESP (Escola de Música do Estado) como técnico de gravação. Fiz o “Cine Concerto Arboreal”, um média metragem de paisagens sonoras que gravei em várias cidades e tocava a trilha sonora do filme ao vivo. Apresentei em alguns festivais em Belém e São Paulo. Em 2015 voltei pra Belém pra finalizar e lançar ainda o primeiro disco e tô aqui desde então.

É bem difícil a gente tentar definir a música que faz, ainda mais sendo instrumental. As influências são tantas que definindo alguma coisa acabaria excluindo outra sem querer. Mas como gosto tanto desse termo criado pelo Pio Lobato e pela cineasta Jorane Castro, eu diria que é tecnoguitarrada.

O “Farol” foi só mais um experimento juntando essas duas linguagens, a tradicional e a experimental. Minha vontade é continuar fazendo música e espero que as pessoas também tenham o intuito de continuar com a produção musical paraense. De ir atrás da história da nossa música, do Mestre Vieira, da guitarrada, do carimbó, do tecnobrega, até chegar nesse momento atual tão legal que a gente tá vivendo. A cidade cheia de novos artistas fazendo música. Isso é bonito demais!