Favoritos

Posts da categoria "amor"

A beleza do inesperado

por   /  25/04/2016  /  8:08

Herbie e Wayne

It’s a lot of fun to negotiate the unexpected

Wayne Shorter

É muito divertido negociar com o inesperado. Com essa frase, o saxofonista Wayne Shorter deu uma resposta à plateia que havia deixado a apresentação que ele fazia com o pianista Herbie Hancock na Sala São Paulo, há algumas semanas. Simplicidade, elegância e uma leve alfinetada em pessoas que pareciam ter ido ali mais porque era uma noite de gala do que pela música em si.

Ouvir duas lendas do jazz ao vivo é um presente – e também um privilégio. Esperar que elas toquem os clássicos pelos quais ficaram consagrados, uma bobagem e talvez uma pista sobre um entendimento esquisito em relação ao estilo musical cuja maior característica é a improvisação.

Lembrei de quando fui ao show de Bob Dylan, alguns anos atrás, e saí de lá incomodada porque demorava em média dois minutos pra reconhecer o que ele cantava. Eu queria o Dylan do “Blonde on blonde”, que virou minha obsessão adolescente, só saciada quando consegui comprar o CD em uma livraria no Rio. Queria cantar junto, me emocionar pelo que tinha vivido ao som dele. Mas não rolou.

Quando soube que o Lou Reed ia fazer um show experimental no Sesc, decidi não ir. Queria o Lou do Velvet, do “Transformer”, e não uma viagem com a qual eu não ia me conectar. Não preciso dizer o quanto me arrependo, né?

Esses três episódios me fizeram pensar em algumas coisas. A primeira é que a gente perde muito quando não se abre para o novo. Dã, frase clichê, obviedade, eu sei. Mas qual foi a última vez que você saiu de casa para ver um show de uma banda que nunca ouviu falar? Nos acostumamos a fazer o que já sabemos fazer, a sair de casa quando sabemos que o programa é garantido. Nos arriscamos pouco – e isso parece tão pouco com a ideia de juventude.

O segundo pensamento me vem quando penso que estamos vivendo o auge da falta de paciência. Um vídeo não carrega imediatamente? Que saco! Não recebo resposta para as mensagens que mandei no Whatsapp, o que será que aconteceu? O cliente pede um relatório às 17h e te liga às 18h cobrando? Normal, agência é assim mesmo. Queremos tudo agora, e isso me lembra uma frase que eu repito há um tempo: a sua urgência não é a minha urgência. E me lembra também um vídeo do Louis CK, em que ele fala como estamos vivendo uma época espetacular, mas ninguém está feliz.

O mundo disputa nossa intenção. A internet, nem se fala. Aliás, se o show tá “ruim” não tem problema sacar o celular com tela gigantesca pra dar uma olhadinha no Face (socorro!). Se não somos atendidos, ficamos agoniados, ou à flor da pele. Se o Herbie Hancock não toca “Rock it” nem o Wayne Shorter alguma que ele tocava com o Miles Davis, não quero ouvir. “Eu não paguei para ouvir esse som cabeçudo”, alguém poderia ter dito, e então saído da sala. Daquela sala linda, uma jóia de São Paulo, um templo em que você ouve exatamente o que os músicos querem que você ouça. Sair sem nem esperar o intervalo entre as músicas.

Que vergonha me deu na hora. Depois ficou só um lamento. A dupla fez um show difícil mesmo, eu demorei pra entrar na vibe sonora que eles propuseram. Quando entrei, foi uma daquelas viagens difíceis e deliciosas, que poucas vezes a gente faz. E ainda fiquei achando fantástico ouvir dois caras com seus 75 e 82 anos apostando até em uma pegada meio eletrônica, que dava vontade de dançar. Pra depois voltar para um fraseado* difícil de classificar. Gente que não parou no tempo, que inova, tenta, se arrisca, surpreende. Discurso que aparece tanto por aí, né? Mas que quando se tem a oportunidade de vê-lo ao vivo e em cores, corre-se o risco de desperdiçar. Ainda bem que eu fiquei até eles voltarem para um ou dois bis.

* Meu entendimento de jazz se limita a gostar e ouvir. Não sei falar dos aspectos técnicos, mas não resisti a usar esse verbo que entreouvi de um cara na platéia que não teve suas expectativas atendidas  :-)

A foto é da Ligia Helena.

amor  ·  escreve escreve  ·  especial don't touch  ·  fotografia  ·  música

Do seu pai, o livro

por   /  13/04/2016  /  17:17

Do seu pai

Uma vez perguntei ao Pedrinho e à Lua Fonseca se eles não tinham medo de expor a vida na internet – em seus perfis no Instagram e também nos blogs Do Seu Pai e No drama mom, eles falam sobre ser pai e mãe e mostram o dia a dia de João, Irene e Teresa, seus filhos. Eles me deram uma resposta tão autêntica que só pude concordar. Falaram que compartilham porque a cada post se conectam com gente de verdade – e muitos desses contatos são transformadores.

Se vocês olharem os comentários dos perfis , vão perceber rapidamente essa potência. É a internet sendo um lugar especial, de construção, aprendizado, de todo mundo junto compartilhando alegrias e angústias.

Agora o Do Seu Pai está prestes a virar livro. A campanha de crowdfunding está no Catarse, e você pode apoiar com a quantia que quiser. Já garanti o meu! ♡

Mais em > www.catarse.me/doseupai

Abaixo, o convite do Pedrinho.

João, Irene e Teresa:

escrevo como quem engoliu uma brasa e tem no estômago um queimor de medo. A azia desconfortável da incerteza. Não sei se vai dar certo, mas preciso contar-lhes que estou fazendo uma tentativa muito importante, desde que comecei a rascunhar essas cartas aqui para vocês, no blog. Hoje, filhos, começo a pedir a ajuda de gente que vez por outra passa aqui – para ler e ver o que se passa na nossa família – para transformar este blog num livro. Gente que ora aqui, ora ali se reconhece em algum gesto nosso, alguma palavra nossa. O medo de não dar certo está bem aqui, no estômago. Mas nos braços, pernas, cabeça, peito, em todas as outras partes, tenho em mim o que este vídeo aí embaixo foi buscar: coragem. Amor, filhos, é quando o coração da gente bate no peito do outro e, ainda assim, estamos vivos. Para isso, para amar, é preciso coragem. Pois aqui estou: medroso e corajoso. Estou vivo, apesar de sentir meu coração batendo em cada pessoa que pode ajudar a realizar este livro – e sonho.

Do seu pai,
Pedro.

amor  ·  escreve escreve  ·  especial don't touch  ·  fotografia  ·  internet  ·  vida  ·  vídeo

As músicas de amor de Alexandre Matias

por   /  12/04/2016  /  19:19

matias4

Com vocês, As músicas de amor de Alexandre Matias.

Já adianto: a seleção tá foda!

Alexandre Matias é jornalista e autor do Trabalho Sujo, que começou como um zine em um jornal de Campinas e se transformou em uma das principais referências de música e cultura pop no Brasil. Também foi editor do Link, do Estadão, da Galileu. Traduz livros, escreve também. Faz festas, podcasts, dá cursos, promove conversas. Resumindo, vive música sempre e ainda nos ajuda a filtrar o tanto de informação que existe no mundo.

Sobre a seleção, ele diz: “Abril é o mês do meu amor – e quando a Dani me chamou pra fazer uma playlist sobre músicas apaixonadas, eu não consegui pensar em outra coisa senão fazer uma seleção pra minha Mariana. Uma coleção de músicas que gostamos de ouvir juntos, de artistas que assistimos shows juntos, que equilibra o gosto 90s dela com coisas que conhecemos nesses quase dez anos juntos. É um dos presentes que preparei – hoje é o aniversário dela e sei que ela vai gostar. Te amo, meu amor ♡”

Ouçam – e sigam o donttouchmymoleskine no Spotify! ♡

Mais #asmúsicasdeamor:

Diego de Godoy

#asmúsicasdeamor  ·  amor  ·  especial don't touch  ·  fotografia  ·  mixtapes  ·  música

#bibliotecadonttouch: Júlia de Carvalho Hansen

por   /  11/04/2016  /  8:08

20160316_ilanalichtenstein_seivavenenooufrutoSP_baixa009

A convidada da vez da #bibliotecadonttouch é a Júlia de Carvalho Hansen, poeta, astróloga e uma das editoras da Chão da Feira.  Seu livro mais recente, “Seiva veneno ou fruto”, acaba de ser lançado.

“Minha lista de livros tem oito porque deitados chegamos ao infinito. É momentânea, n’outro dia talvez eu escolhesse outros, dada a transitoriedade dos nossos sentimentos e pensamentos. De todo modo, minhas escolhas são políticas, espirituais e afetivas. O que eu, em abril de 2016, volto a reler muitas vezes, buscando não só quem fui por já ter lido e relido, como quem serei porque começaria tudo outra vez. São os livros preferidos de alguém que lê buscando pela orientação da própria sensibilidade.”

A foto é da Ilana Lichtenstein.

Acompanhem!

FullSizeRender

FullSizeRender_1

FullSizeRender_4 FullSizeRender_5

FullSizeRender_2 FullSizeRender_3

FullSizeRender_6

FullSizeRender_7

IMG_2867

IMG_2868

IMG_2861 IMG_2862

IMG_2877 IMG_2878

 IMG_2883

FullSizeRender_8

Quem já passou pela #bibliotecadonttouch:

Gabriel Pardal

Noemi Jaffe

Paula Gicovate

Liliane Prata

Emilio Fraia

Maria Clara Drummond

As músicas de amor de Diego de Godoy

por   /  07/04/2016  /  16:16

Diego de Godoy

O Don’t Touch ganha uma nova seção: As músicas de amor de ____________!

Para a estreia, convidei o Diego de Godoy, amigo que o karaokê me trouxe em 2015. Ele é diretor, roteirista e outras coisas. Gaúcho e colorado, sem exageros, e o maior fã de R.E.M. do hemisfério sul. Dirigiu recentemente a série “Work in progress – Por dentro do Balé da Cidade de São Paulo”, atualmente em exibição no canal Arte 1. “Vi 11 shows do R.E.M., Bowie me mandou um beijo no show, abracei o CD ‘Baltimore’, da Nina Simone, quando finalmente encontrei, e ver Leonard Cohen duas vezes foi a maior emoção da minha vida”, nos conta.

Sobre a seleção, ele diz: “Adoro uma música ‘lentinha’, dessas de FM da madrugada. Muitas destas da lista me arrepiaram, outras me viram chorar, de algumas eu ri, mas todas têm uma história. Algumas têm dona, outras eu gostaria que tivessem.”

Pra completar, uma foto estonteante do Joseph Szabo.

Ouçam – e sigam o donttouchmymoleskine no Spotify

#asmúsicasdeamor  ·  amor  ·  especial don't touch  ·  fotografia  ·  mixtapes  ·  música

Playlist: Despertar da consciência, parte 3

por   /  30/03/2016  /  9:09

Teresa C. Freitas

Despertar da consciência, parte 3! Começa com Maria Bethânia, tem várias músicas do Coral Filhos de Iemanjá, outras da Tenda de Umbanda Caboclo Caramã e Pai Cesário, além de Clara Nunes, Marisa Monte e mais um monte de gente.  Ideal para encher o dia de good vibes!

Pra combinar, uma foto linda da Teresa Freitas.

Ouçam no Spotify! 

As partes 1 e 2 da série Despertar da consciência também estão no Spotify, ouçam!

amor  ·  especial don't touch  ·  fotografia  ·  mixtapes  ·  música

#vitrinedonttouch: Edinara Patzlaff

por   /  24/03/2016  /  8:08

Edinara

#vitrinedonttouch apresenta Edinara Patzlaff, fotógrafa de 20 anos natural de Carlos Barbosa, cidade da serra gaúcha.

A minha relação com a fotografia é recente, diria ainda que muito imatura, contudo forte em todos os aspectos e intensa em relação à poética. Estudei moda por três anos e foi por meio dela que conheci a fotografia e me encantei. Troquei moda por fotografia por vários motivos, mas o principal foi ter notado que ela não seria suficiente para dizer tudo o que desejo dizer ao universo. A fotografia hoje me possibilita isso, me deslocar do tempo e do espaço criando uma nova realidade a cada minuto, traduzindo assim o que até então era visto como uma beleza sagaz em algo novo, desconhecido. A fotografia fala, na verdade às vezes ela grita. Fotografo tudo aquilo que existe em mim e que de alguma forma acredito que exista em todos (contudo muitas vezes isso leva uma tempo para aflorar). Gosto de pensar nas palavras delicadeza, força e plenitude pra inscrever nas minhas fotografias.

Para acompanhar o trabalho dela > www.instagram.com/edipatzlaff

#portfoliodontouch: Renata Ursaia em busca do desencaixe

por   /  15/03/2016  /  9:09

Renata Ursaia

Existe um hábito entre alguns amigos de quase nunca falar de trabalho quando a gente se encontra para passar réveillons em praias paradisíacas ou almoçar por horas em um sábado de chuva e sol. Acho interessante, já que vivemos todos em São Paulo, a cidade da pergunta “o que você faz?” logo nos primeiros minutos de conversa. Ao mesmo tempo, adoro quando a conversa sobre trabalho surge. Tenho tanto amigo talentoso que dá vontade de contar pro mundo o que eles fazem, sabe?

Há um tempo vinha querendo mostrar aqui o trabalho da Renata Ursaia, fotógrafa e artista cujo trabalho eu conhecia mais pelo site do que ao vivo – vi apenas uma residência artística que ela fez no Pivô, no centro de SP. Dia desses fiquei vendo os trabalhos dela e tem tanta coisa tão legal - vocês precisam conhecê-la! Na entrevista abaixo, misturo umas perguntas sobre o processo de trabalho dela, de onde vem a inspiração, pra onde ela quer ir, com fotos e vídeos.

Mais > www.renataursaia.com.br

Renata Ursaia - Brenda e Tampinha (2010)

Eu trabalho na margem estreita do “quase óbvio”. Procuro um deslocamento pequeno de ponto de vista, que faça com que as engrenagens do cotidiano apareçam sob um outro ângulo, e que alguma dúvida possa se instaurar neste processo. Uma ferramenta poderosa para esta desestabilização é o humor. Porque o humor trata desse desvio que transforma uma expectativa em outra coisa. Tem inclusive uma piada que ilustra bem isso (sério!): O cara que chegou no médico, desesperado, achando que tinha uma doença grave, porque todas as partes do corpo em que ele tocava doíam. O médico examinou e concluiu que o problema dele era o dedo, que estava quebrado. Bom, eu acho que o humor, a arte e o que eu tento com o meu trabalho é ser esse dedo quebrado; um desencaixe, que muda o sentido do que está ao redor.

Renata Ursaia - Vegas (2013)

Passo uma boa parte do tempo tentando esquematizar uma metodologia eficaz de criação. Mas claro que é quando eu me distraio disso por um momento, que as coisas costumam se mostrar. Então é um acordo difícil. Você vai mapeando algumas pistas, com fotos, anotações, livros, o que está chamando sua atenção no momento. Tentando articular questões internas e externas. Porque, de alguma maneira você tem que confrontar o que lhe é mais custoso para encontrar um caminho que seja legitimamente seu.

Eu sempre gostei de viajar. E comecei a fotografar nessas viagens que eu fazia na época da faculdade. Quando você é de fora, naturalmente já olha para as coisas de um jeito novo. Isso me ajudou. O vídeo me interessava desde antes do surgimento dessas câmeras que fazem as duas coisas. Gosto do ritmo que você consegue construir na edição, da possibilidade narrativa da câmera em movimento. É uma outra maneira de lidar com o tempo.

Eu comecei trabalhando como fotojornalista e também com documentário. Mas chegou uma hora em que me senti cercada pela variedade de assuntos, a simultaneidade dos acontecimentos e a falta de conexão entre eles. E percebi que precisava voltar toda minha atenção justamente para isso; para a brecha de sentido do cotidiano, o ponto onde os objetivos escapam… aquilo que eu estava falando sobre desencaixe.

Renata Ursaia - Excursão  

O meu desejo com o trabalho é que ele possa ecoar como um antídoto contra a funcionalidade a que se resume cada vez mais a vida das pessoas. Acho que a minha contribuição é no sentido de apontar para a beleza da inutilidade.

Veja os demais posts da série #portfoliodonttouch:

A fotografia sentimental de Juliana Rocha + #retratosanônimostakeover por @rochajuliana

Paulo Fehlauer e a fotografia guiada por sensações + #retratosanônimostakeover por @fehlauer

A noite sem filtros de Luara Calvi Anic + #retratosanônimostakeover por @luaracalvianic

Corpo em desclocamento na fotografia de Patricia Araújo + #retratosanônimostakeover por @patiaraujo

A busca pela pureza na fotografia de Bruna Valença + #retratosanônimostakeover por @brunavalenca

O mundo dos sonhos de Cassiana Der Haroutiounian

A juventude pelo olhar de Pedro Pinho

O vazio na fotografia de Ana Teresa Bello

#portfoliodonttouch  ·  amor  ·  arte  ·  especial don't touch  ·  fotografia  ·  vídeo