Favoritos

Posts da categoria "#bibliotecadonttouch"

Líricas afetivas: Número 0, por Dandara de Morais

por   /  10/09/2018  /  11:11

Número 0, por Dandara de Morais

(A imagem é de @nitimueth)

Eu tinha 16,  ele talvez 18. Na época, eu ainda não usava meu cabelo natural, fazia das tranças uma forma de escudo, de me sentir bonita enquanto o resto do mundo me chamava de feia. E foi num dia desses, me sentindo a mais feia das criaturas, com todo o poder do meu afro contido em uma amarração, que esse boy olhou pra mim.

Vamos dar um nome pra ele, pra facilitar essa nossa conversa. Vou chamá-lo de Numero 0. Número 0 era mais alto que eu, lábios bonitos, aspirante a físico e vocalista em uma banda adolescente hardcore de Recife. Aqui estamos em 2006, e antes de ser essa que eu sou hoje em dia, eu gostava de usar bermudas do meu irmão, All Star cano médio pintado de tênis e trancinhas no cabelo.

Uma bela noite depois de um festival de música na escola que eu estudava, Número 0 se chegou em mim. Eu insegura, usando uma blusinha rosa de alça e calça jeans, não entendi muito bem o que tava acontecendo. Aquele boy, que era o gatão da época, olhando pra mim? Não, tem alguma coisa errada aí.

Um tempo depois a gente começou a conversar no finado MSN. Marcamos de sair pro Recife Antigo, subir na Torre Malakoff, ver a vista. O passeio seguiu até a Livraria Cultura, onde tava rolando um showzinho, e foi lá onde rolou o primeiro beijo: perdi o bv. Eu, tão envergonhada, no auge dos meus cabelos com permanente super soltos, fiquei sem querer beijá-lo outra vez. Ele não acreditou quando eu disse que era a primeira vez e ficou rindo. Eu fiquei séria, e rindo, e séria, e rindo. Finalmente ele acreditou. Levei o boné que ele usou na cabeça a tarde toda comigo pra casa.

Ele sumiu por um ano.

Reapareceu, e não demorou muito pra os primeiros sinais de lixão aparecerem. Fiz uma festa de aniversário feat. despedida de Recife – obviamente ele não apareceu. Falou depois comigo dando uma desculpa horrorosa. E eu, inocentemente, acreditei. Como é bom olhar pro passado e perceber que a gente amadureceu, não é mesmo? Hoje em dia não sou imune a boylixo, mas sei reconhecer melhor os indícios de frustração e pura treta – e, assim, economizar desgastes maiores.

Eu ia viajar e chamei ele pra passar na minha casa, minhas amigas do ballet também iam passar lá, pra comer pizza, cantar, dançar e me dar um beijo antes de eu viajar pro interior do Piauí. Minhas amigas eram todas brancas. Foi uma noite agradável. Tenho fotos surpreendentes dessa época, é muito interessante observar, sou muito nostálgica, posso passar um tempão olhando e catando foto antiga.

Viajei. Ele parou de falar comigo.

Não dava mais sinal de vida, a plaquinha não subia, não respondia mensagem. E eu me perguntava o que tinha de errado. Será que ele sofreu um acidente? O computador pifou? Ele tá doente? A cabeça já virava no jiraya e arrumava mil e uma possibilidades, quando na verdade o que tinha acontecido era bem simples: ele começou a namorar com uma das minhas amigas brancas que tinha conhecido lá em casa. Sim. Quando eu voltei de viagem ela não falava mais comigo, ele então nem pensar.

Foi a minha primeira experiência de ser trocada por outra, branca. Demorou muito, muito tempo pra entender que a culpa não era minha, que eu não era chata, nem todos os defeitos que fui colocando em mim ao longo dos anos na tentativa de entender.

Esse cara nunca mais falou comigo na vida. Vi ele em vários lugares, e ele nem olhou na minha cara. Disappointed but not surprised né? Já a amiga falou comigo e de uma forma discreta pediu desculpas. Hoje em dia não vejo mais ele, e ela muito raramente ou pelo Instagram. Escrever sobre isso me tira um peso enorme. Respiro bem bem bem fundo e digo a mim mesma: não vou mais me desculpar pelos meus sentimentos. Taca le pau!

Coluna: Líricas afetivas, por Dandara de Morais

Coluna: Líricas afetivas, por Dandara de Morais

por   /  23/08/2018  /  20:00

Dandara

O Don’t Touch sempre foi, e é, um blog sobre o amor. Por isso é com muita alegria que compartilho essa novidade com vocês. A partir de hoje, inauguramos a primeira coluna deste blog! Assinada por Dandara de Morais, atriz, bailarina, diretora de cinema e ativista. A cada 15 dias, texto novo dela por aqui.

Líricas Afetivas pra boy lixo – Uma breve explicativa do que me trouxe até aqui

“Muitas mulheres negras sentem que em suas vidas existe pouco ou nenhum amor. Essa é uma de nossas verdades privadas que raramente é discutida em público. Essa realidade é tão dolorosa que as mulheres negras raramente falam abertamente sobre isso.” Bell Hooks

Pra início de conversa, confesso aqui que meu primeiro beijo foi quando tinha 16 anos.  O primeiro, e único namorado da vida, quando eu tinha 25. Não tão incomum assim. Sempre falei sobre como me sentia usada pelos caras, um mero objeto, usado e descartado, e ouvindo que a culpa era minha, da boca das pessoas que eu tinha um cariño enorme.

“Mas, você se apega demais”. Era o que eu sempre encontrava como resposta quando eu tentava desabafar, e aquele sentimento de que tinha alguma coisa errada comigo foi crescendo e se instalando com raízes profundas dentro de mim ao longo dos anos. Eu falava sobre a solidão da mulher negra sem nem saber que o que eu sentia/vivia tinha nome, e muitas outras meninas, garotas, mulheres negras passavam pelo mesmo.

Até alguns anos atrás a maioria da minhas amizades eram pessoas brancas. Eu fui a mais feia da escola até uns 14 anos. Minha melhor amiga branca era a mais bonita, namorou e ficou com todos os meninos que eu gostava. Gran amiga! Quando fiquei maiorzinha e comecei a enxergar um pingo de beleza em mim, continuei sendo rejeitada e sem entender porque nenhum boy se interessava em mim. Se eu sou tão bonita, tão legal e engraçada, o que tem de errado comigo que ninguém fica na minha vida?

Muito fácil pensar que realmente o problema é meu, que eu sou exigente, complicada, carente, “fácil” ou qualquer outra palavra que sirva pra jogar a culpa das rejeições em cima de mim. Somente há uns 2, 3 anos, eu comecei a falar e como resposta ouvir “eu também me sinto assim”, porque comecei a fazer mais amigas – que não largo nunca mais – negras. Mulheres maravilhosas, talentosas, inteligentes, criativas, divertidas, fofas, minhas meninas rainhas. Então comecei a perceber que o problema não era comigo de jeito nenhum, que eu não tava louca, exagerando, ou exigindo demais dos outros.

“(…) Muitos negros passaram a acreditar que a capacidade de se conter emoções era uma característica positiva. No decorrer dos anos, a habilidade de esconder e mascarar os sentimentos passou a ser considerada como sinal de uma personalidade forte. Mostrar os sentimentos era uma bobagem.”

Eu já fui trocada por mulheres brancas diversas vezes. O cara dizia aquele velho “não quero nada sério” e semanas (ou até dias mesmo) depois aparecia namorando. Já passei por situações do cara não me beijar na frente de amigas y amigos, mas me ligar tarde da noite me chamando pra casa dele (não era pra ver filme). Já fui ignorada, feita de louca, assediada, abusada, enrolada, levada a acreditar por jogos psicológicos que eu estava errada e exagerando. Enfim, é muita história. Eu tinha blogs e diários, escrevi muito durante anos, mas a ansiedade máxima me pegou, e agora sentar pra escrever é algo raro, e difícil de se começar a fazer.

Como até na terapia eu ouvia que o problema era comigo, acho que comecei a confiar mais nas folhas de papel e nas páginas de meus blogs, eu podia falar o que quisesse sem medo de ser incompreendida. Encontrei até pessoas que me entendiam bastante, mas isso não vem ao caso agora. Eu sempre tive vontade de escrever sobre cada boy que me envolvi na vida, alguns não passariam de um parágrafo, outros eu teria que resumir bastante a história. Esse ano finalmente consegui virar autora. Descobri que podem ser crônicas, e é isso que eu vou fazer.

Paralisada por muitos sentimentos ruins durante anos, agora eu consigo finalmente me apropriar das minhas próprias mazelas e então produzir algo de bom com isso. Colocar pra fora, na esperança de que tenha alguma serventia, que esses sentimentos ruins que sempre me acompanharam, as experiências negativas, tão cruéis e destrutivas se transformem em histórias, que sirvam de alguma forma para refletir e entender porque tanto se fala sobre essa solidão e rejeição das mulheres negras.

Sempre que eu escrevo eu penso no que as minhas palavras representam. Podem ser coisas muito íntimas, mas com certeza uma ou duas mulheres já passaram pela mesma situação. Então é por isso que eu falo, até brinco, gosto de dizer que eu aprendi a tirar onda da minha própria cara. Se eu tivesse que escolher um gênero para enquadrar a minha vida seria a tragicomédia. Feliz e triste, rindo mas sofrendo, dou início a uma série de crônicas (nem sei se é esse o nome, mas tudo bem) que meu irmão um dia me disse para escrever.

Enquanto as mulheres brancas lutam pela liberdade sexual, nós negras ainda queremos ser reconhecidas como parceiras, companheiras. Se segura, Berenice, aqui vamos nós.

—–

Leituras recomendadas:

“Para você não romper o silêncio e manter as relações saudáveis, você tem que negar a sua cor”

Síndrome de Cirilo e a solidão da mulher negra

Dissertação: “A solidão da mulher negra: sua subjetividade e seu preterimento pelo homem negro na cidade de São Paulo”

“A mulher negra não é vista como um sujeito para ser amado”

Vivendo de Amor

 

“Um coração sem fechadura”, de Silvia Guimarães

por   /  24/05/2018  /  18:00

sil

“As coisas difíceis da vida vêm pra fazer a gente melhor, não pra acabar com a gente.”
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Sil (@designdebaunilha) é uma dessas amigas que eu mais marco de ver do que encontro de verdade. Ainda assim, estamos há anos nos acompanhando, frequentando uma festinha de aniversário aqui, um show ali, falando nas DMs. A cada ano que passa eu vejo essa amiga desabrochar, se abrir pro mundo, se entender, colocar na vida e no trabalho o tanto que aprende. É tão bonito!

Um dos episódios que marcaram a vida dela é o assunto desse post aqui. Há 8 anos, Sil deu à luz Matias, seu filho caçula. Matias nasceu com uma cardiopatia congênita. E mudou tudo na vida de sua mãe – e de todos ao seu redor.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
A história dele é contada no livro “Um coração sem fechadura”, que está em processo de financiamento coletivo. A primeira meta já foi atingida, e a ideia agora é dobrar a meta. Vamos ajudar a espalhar essa história preciosa?

www.catarse.me/umcoracaosemfechadura

sil2

Sil, que também faz o Design de Baunilha, conta sobre o livro:

“Passei a vida ouvindo as pessoas dizendo pras mulheres grávidas “não importa se é menina ou menino, o que importa é que tenha saúde”. Em 2010 eu tive um filho que tinha um problema no coração e pensava nessa frase todo dia, perdida, martelando ‘E agora? O que é que importa?’.

Meu primeiro passo foi me vitimizar. Passei por esse passo com força e com vontade. Minha segunda frase favorita nessa época era ‘o que é que eu fiz pra merecer isso?’, e tudo o que eu consegui com ela foi passar um ano sem dormir. E o menino lá, se recuperando, sendo feliz, vivendo, e eu sofrendo porque nada daquilo estava sendo como eu tinha imaginado.

E então eu escrevi um livro. Que é um livro pra criança, mas é um livro pra adulto também. Ele fala sobre medo, fala sobre como a gente quer controlar o incontrolável. Fala sobre encontrar dentro da gente a sabedoria de quem já veio pra esse mundo com um passinho na frente, entendendo que fechando o coração pra vida a gente não vai muito longe não.

E o que eu mais quero agora é que esse livro exista, é que essa história chegue nas pessoas. É mostrar que tudo bem ser diferente. Que as coisas difíceis da vida vêm pra fazer a gente melhor, não pra acabar com a gente.”

sil3

“Amora”, de Natalia Borges Polesso

por   /  17/05/2018  /  20:20

amora

Nunca tinha lido um livro 100% lésbico, até passar o domingo na companhia de “Amora”, de Natalia Borges Polesso (@tia_brigida). Mais uma vez me vem à cabeça aquela palavra tão importante e que já é quase lugar comum (tomara mesmo que se torne): representatividade. Das inúmeras histórias de amor que você passou a vida vendo, lendo, ouvindo, quantas são protagonizadas por duas mulheres?
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
A literatura nos expande. E, tantas vezes, nos mostra que somos mais parecidos do que antagônicos. Afinal, nos apaixonamos, levamos pé na bunda, nos metemos em confusão, celebramos acordar todo dia ao lado da mesma pessoa, casamos, travamos DRs, às vezes separamos e começamos tudo outra vez. Tem tudo isso no livro, que é sobre amor e descoberta e, por isso, interessa a qualquer um que goste dos temas. De diferente ele tem camadas de silenciamento e preconceito. Duras e doloridas, sempre, mas que bom vê-las visíveis na literatura, né?
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
#bibliotecadonttouch
#minasdonttouch

“Estúpida, eu?”, de Camila Coutinho

por   /  12/05/2018  /  20:20

camila

Acabei de ler “Estúpida, eu?”, livro de estréia da @camilacoutinho. De um fôlego só, em 2 horas de uma tarde de sexta em que eu, como todo dia, queria ser produtiva, fazer mais, cumprir a lista de tarefas… Até que resolvi fazer o que queria: ler um livro escrito por uma blogueira que acompanho desde o começo, uma daquelas pessoas por quem você até tem mixed feelings (pois não fala exatamente dos temas que você diz pra si mesma que tem mais interesse) ao mesmo tempo em que vibra por, tamanho o carisma.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Entre os vários insights que tive, divido um com vocês: ando cansada de julgar tanto tudo e todos. A gente escreve “blogueira” ou “blogueirinha” já colocando o trabalho em um patamar inferior. Eu tenho blog há dez anos, e ele me trouxe tanto. De amigo a crush, até uma sócia! Sou pura hashtag gratidão pelo que a internet me deu e dá.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Faz um tempo, no entanto, que essa internet me angustia na mesma proporção em que me alegra. Questiono demais, observo demais, julgo demais. Tô o tempo todo medindo e analisando a quantidade insana de material que chega aos meus olhos a cada vez que abro o Instagram. Ler esse livro me reconectou com uma Dani adolescente que pediu uma assinatura da Caras, ganhou e passou a acumular um repertório inacreditável sobre celebridades e subcelebridades. Tem uma parte de mim que gosta desse assunto, e tá tudo bem, que bom que somos múltiplos, né?
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Tenho gostado demais de ouvir o outro, e essa leitura foi ótima. Mostrou como uma ideia simples se tornou um negócio poderoso, que por trás do sucesso existe uma mulher de 30 anos que está sempre dando o próximo passo, se reinventando, fazendo networking, entendendo concorrência como estímulo.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Nessa era de feed perfeito e discurso supercoerente, me perco. Poderia postar todo dia, dividir coisas que leio, penso, vejo, sinto. Mas não. Por que? Porque o texto desse post aqui tá cheio de mas e gerúndio, “não pode”. Porque quem vai querer ler? É muita chatice e pouca ação. Enquanto me dividido entre angústia e paralisação, a vida acontece, o tempo passa… Fiquei com vontade de parar com isso. Quem sabe, né?
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
#ainternetqueagentequer
#bibliotecadonttouch
#estupidaeu

#bibliotecadonttouch: Sabrina Abreu

por   /  11/04/2018  /  17:17

livros dtmm

Sabrina Abreu é jornalista e escritora, uma dessas pessoas que a internet nos traz e que num dia de sol a gente encontra ao vivo e confirma como são preciosas essas conexões.

A gente se conheceu ao vivo quando ela me entrevistou pro seu podcast, o Perrengue. Foi um um papo longo e delicioso, sabe? Se animarem de ouvir basta ir aqui: https://soundcloud.com/sabrinaabreu/perrengue11-dani-arrais

Pedi pra ela contribuições para a #bibliotecadonttouch, e o resultado tá maravilhoso!

IMG_1577_Facetune_28-03-2018-09-26-12

Hemingway, em “Paris é Uma Festa”

As histórias de amor entre escritores e suas cidades-musas me interessam muito. E nenhum romance me deixa mais encantada do que o de Hemingway e a Paris de sua juventude. Peguei este trecho de Paris é uma Festa e incluí no meu primeiro romance, porque não conseguiria pensar, eu mesma, em outra descrição mais bonita para um lugar (porém, troque o nome da cidade por “kibutz”).

“Paris não tem fim e as recordações das pessoas que lá tenham vivido são próprias, distintas umas das outras. Mais cedo ou mais tarde, não importa quem sejamos, não importa como o façamos, não importa que mudanças se tenham operado em nós ou na cidade, a ela acabamos regressando. Paris vale sempre a pena, e retribui tudo aquilo que você lhe dê.”

IMG_1780

Sêneca, em “Aprendendo a viver”

“Caro Lucílio, procura fazer o que me escreves: aproveita todas as horas; serás menos dependente do amanhã se te lançares ao presente. Enquanto adiamos, a vida se vai. Todas as coisas, Lucílio, nos são alheias; só o tempo é nosso.”

IMG_1781

Milan Kundera, “A Festa da Insignificância”

“Ele tinha uma vaga ideia de que, se tivesse nascido sessenta anos antes, teria sido um artista. Uma ideia realmente vaga, já que ele não sabia o que a palavra “artista” significaria hoje. Um pintor transformado em vitrinista? Um poeta? Ainda existem poetas?”

IMG_1782

mania de explicação

“Mania de Explicação”, de Adriana Falcão

“Mania de Explicação” é meu livro infantil preferido. Pena que quando foi lançado eu já era adulta. Adriana Falcão é genial em cada frase. Fica até difícil escolher a mais querida.

“Alegria é um agora que não tem pressa nenhuma.”

“Ainda é quando a vontade está no meio do caminho.”

a força das coisas

Simone de Beauvoir é minha memoralista preferida e amiga imaginária. Dois dos livros em que narra sua vida são meus favoritos. A Cerimônia do Adeus, em que relembra seu relacionamento com Sartre e A Força das Coisas. Nesse último, estão as viagens e o ativismo dela, pela libertação das mulheres ou da Tunísia, mas as melhores partes são as mais íntimas, como a descrição de sua descoberta como escritora e a relação com Claude Lanzmann (ele é um dos meus eternos crushs e foi o único homem com quem Simone viveu).

“Já disse qual é, para mim, um dos papéis essenciais da literatura: manifestar verdades ambíguas, separadas, contraditórias, que nenhum momento totaliza, nem fora de mim, nem em mim, em certos casos, só se consegue reuni-los registrando-os na unidade de um objeto imaginário. Só um romance podia, no meu entender, destacar as múltiplas e volteantes significações desse mundo mudado no qual eu despertara, em agosto de 1944, um mundo cambiante e que não parara mais de mover-se.”

Por falar em Simone, enquanto eu lia O Segundo Sexo, não parava de pensar em minha mãe, minhas tias, avós, vizinhas, professoras, amigas, chefes e colegas. Nunca mais perdi a ideia de que o trabalho tem papel central em nossa emancipação. Historicamente, acho que o trabalho foi o melhor amigo da mulher (a palavra “parasita” é sempre um susto, mas, aqui, ela significa a pessoa que não trabalha e que vive da renda de terceiros – geralmente, homens).

“Só quando o poder econômico cair nas mãos do trabalhador é que se tornará possível à trabalhadora conquistar capacidades que a mulher parasita, nobre ou burguesa, nunca obteve.”

serena

Algum dia de 2013, li e reli este parágrafo de “Serena”, do Ian McEwan, umas 12 vezes seguida, porque sabia muito bem o que o personagem estava sentindo. Ou ele sabia exatamente o que eu sentia.

“Fico sem dormir por causa disso. Sempre os mesmos quatro passos. Um, eu quero escrever um romance. Dois, eu estou duro. Três, eu tenho que arrumar um emprego. Quatro, o emprego vai matar a literatura. Eu não consigo ver um jeito de evitar isso. Não existe jeito.”

 

alice

“Alice” é o livro que muda de tamanho comigo, cada vez o releio. E nunca é fácil responder aquela pergunta que a cigarra faz:

“Quem é você?”

****

Polêmicas à parte, Woody Allen é o meu artista preferido no mundo dos vivos. Nada toca meu coração tanto quanto Anne Hall ou Manhattan, a vontade que ele tem de escrever, a teimosia que ele tem de viver, apesar de toda a melancolia, suas piadas depreciativas, a ida de seus personagens invariavelmente doidos a psicanalistas tão doidos quanto. No livro de entrevistas Conversas com Woody Allen, ele fala várias vezes que sua escrita é fruto do esforço, não de puro talento e iluminação – o que é sempre estimulante, quando vem do meu artista preferido no mundo dos vivos .

“Logo descobri que a escrita não vem fácil, é um trabalho que dá agonia, muito duro, e você precisa fazer um grande esforço. Muitos anos depois, li que Tolstói disse: ‘Você precisa molhar sua pena em sangue’.”

****

A tetralogia napolitana escrita por Elena Ferrante era tudo aquilo que todo mundo falava. E era mais. Li em transe os detalhes da amizade entre Lenu e Lila, o contraste entre o mundo íntimo das duas, tão rico, e o bairro claustrofóbico em que cresciam. Várias frases que a autora usa para descrever Lila estão todas grifadas nos meus livros.

“Ela tem uma força interior que não consigo dobrar.”

****

Amos Oz escreve tão bem que, basta abrir um livro dele em qualquer página para ler um trecho bonito. Esta citação de Judas, grifei em 2015 e ficaria feliz em reler todos os dias.

“Graças aos sonhadores, talvez nós também, os sóbrios, fiquemos um pouco menos petrificados e desesperançosos.”

****

Eu ainda era criança quando li “Anne Frank: O Outro Lado do Diário”, escrito por Miep Gies, holandesa que ajudou a esconder a família Frank. Ainda não tinha o Diário de Anne Frank e nem sabia que ela morria no final. O fato de Anne e aquelas pessoas que moravam no sótão escondidas dos nazistas terem sido traídas em troca de dinheiro, imaginar foram vendidas foi uma das minhas impressões mais fortes dessa época. Passei um bom tempo obcecada pelo assunto. Recentemente, vi que o caso foi reaberto e que talvez o traidor seja descoberto. Espero que sim.

“Em 1948 a polícia holandesa fez uma investigação para saber quem teria traído nossos amigos, pois, de acordo com os registros, houve traição. Não havia nomes no relatório, apenas estava escrito que alguém recebera 7,5 florins por judeu – isso é, um total de 60 florins.”

****

Foi num livro de Primo Levi que eu li pela primeira vez sobre a vergonha dos sobreviventes do Holocausto. É um sentimento muito comum entre as pessoas que passaram por guetos e campos, algumas das quais viraram minhas entrevistadas e amigas. Mas a primeira vez que eu tive contato com essa sensação incompreensível foi em Os Afogados e Os Sobreviventes.

“Você tem vergonha porque está vivo no lugar de um outro? E, particularmente, de um homem mais generoso, mais sensível, mais sábio, mais útil, mais digno de viver? É impossível evitar isso: você se examina, repassa todas as suas recordações, esperando encontrá-las todas, e que nenhuma delas se tenha mascarado ou travestido; não, você não vê transgressões evidentes, não defraudou ninguém, não espancou (mas teria força para tanto?), não aceitou encargos (mas não lhe ofereceram…), não roubou o pão de ninguém; no entanto, é impossível evitar. É só a suposição, ou, antes, a sombra de uma suspeita: a de que cada qual seja o Caim de seu irmão e cada um de nós seja (mas dessa vez digo ‘nós’ em um sentido mais amplo, ou melhor, universal) tenha defraudado seu próximo, vivendo em lugar dele. É uma suposição, mas corrói, penetrou profundamente, como um carcoma. De fora não se vêm, mas corrói e grita.”

#bibliotecadonttouch: Julia Arraes

por   /  09/01/2018  /  10:10

2

Julia Arraes não é minha prima, mas reza a lenda que os Arraes e os Arrais fazem parte da mesma família. Então nada melhor do que celebrar possibilidades quando a gente encontra alguém legal demais, né? Ela é uma jornalista super talentosa que  trocou Recife por São Paulo e São Paulo pelo Rio. Gosta de se cercar de amigos, do amor, dos livros e de muitas festas divertidas em casa (me divirto com seus stories! hehe).

Ela é a convidada de hoje no #bibliotecadonttouch.

Vamos conhecer alguns de seus livros preferidos?

O paraiso sao os outros Valter

“O paraíso são os outros”, de Valter Hugo Mãe.

Rainer Maria Rilke Cartas do poeta sobre a vida.

“Cartas do poeta sobre a vida”, de Rainer Maria Rilke. “Esse daqui tá sempre na bolsa e é quase terapia. um título não muito popular. são trechos de cartas que Rilke mandou ao longo da vida. ele fala, como ninguém, sobre trabalho, solidão, infância e, claro, sobre o amor.”

ju

Clarice Lispector.

#bibliotecadonttouch: Amanda Luz

por   /  23/11/2017  /  9:09

+ Miss Behave, da Malebo Sephodi (ativista sul-africana) 1

A conversa sobre livros com a Amanda Luz começou quando fiz um post perguntando se alguém sabia de um lugar para montar uma biblioteca (este mês, aliás, comecei a criar uma!). Ela me chamou no inbox e disse que queria me contar sobre seu novo trabalho. Um mês depois, sentamos para conversar. Sabe quando o papo rende por mais de 3 horas? E você fica encantada com o fato de ver alguém com a energia lá em cima por ter encontrado exatamente o que quer fazer da vida? Pois então. Saí de lá com a certeza de que essa jornalista vai fazer coisas grandiosas – e que eu quero acompanhar de perto.

Pedi pra ela uma seleção de alguns de seus trechos de livros preferidos. Essa #bibliotecadonttouch fica muito mais legal quando a gente sabe um pouco da pessoa, de suas andanças, de suas referências, né?

Eis aqui os trechos escolhidos.

+ Vozes do Deserto, Nélida Piñon

“Vozes do Deserto”, de Nélida Piñon.

+ Longe da Árvore, Andrew Solomon

“Longe da Árvore”, de Andrew Solomon.

+ Sobre a Tirania, do Timothy Snyder

“Sobre a tirania”, de Timothy Snyder.

+ Miss Behave, da Malebo Sephodi (ativista sul-africana) 3

A foto acima e as duas abaixo são do livro “Miss Behave”, dea Malebo Sephodi, ativista sul-africana.

+ Miss Behave, da Malebo Sephodi (ativista sul-africana) 2

#bibliotecadonttouch: Clarissa Galvão

por   /  08/11/2017  /  9:09

IMG_0085

É tão bom acompanhar umas pessoas no Instagram e ir descobrindo o que faz parte dos seus dias. Com a Clarissa Galvão, ou @clarissag, é assim. Ela posta imagens poéticas, muitos #tbts do tempo em que morou na Holanda, momentos com o amor, com os amigos, muitas flores e luz e sombra. No meio de tudo, sempre tá com um livro poderoso no colo. E foi por isso que a convidei para mostrar alguns dos seus trechos preferidos na seção #bibliotecadonttouch.

“Estou desde o ano passado fazendo meu Leia Mulheres, assim sozinha mesmo… E assino também um clube do livro cuja curadoria é das fundadoras do Leia Mulheres no Brasil. Então todo mês recebo um novo livro escrito por uma mulher. É bem legal. Ledusha, por exemplo, conheci através delas. E é incrível”, nos conta ela.

Vamos ler o que tem na biblioteca dela?

O primeiro, que abre este post, é da Ana Martins Marques, em “O livro das semelhanças”.

IMG_0087

Noemi Jaffe, em “O que os cegos estão sonhando”.

IMG_0089

Adelaide Ivánova, em “O Martelo”.

IMG_0092

Ledusha, em “Risco no Disco”.

IMG_0093

Rebecca Solnit, em “A mãe de todas as perguntas”.

IMG_0094

Wislawa Szymborska, “Um amor feliz”.

Amor depois dos 75 anos

por   /  05/10/2017  /  11:11

1496682582_530048_1496683056_noticia_normal_recorte1

Lendo o El País, encontrei essa beleza. Isabel Allende: “Me apaixonei de novo aos 75. Não há amor sem risco”.

“Allende começa a contar, radiante, como esse novo verão chegou a sua vida. Quando se separou de seu companheiro, retirou-se para uma casinha na Califórnia com seu computador e seu cão, decidida a viver sozinha pelo resto de seus dias. ‘Um senhor de Nova York me escutou no rádio de seu carro, a caminho de Boston. Mandou um email ao meu escritório, e outro, e mais outro. No terceiro, respondi eu mesma porque veio com um buquê de flores. Cinco meses depois de receber diariamente um email de bom-dia e outro de boa-noite, aproveitei uma viagem de trabalho para conhecê-lo. Então, em cinco minutos, tudo aconteceu, e agora ele está vendendo o que tem para vir morar comigo. Ou seja, essas coisas existem, são milagres que acontecem. Sim, aos 75 estou apaixonada pela terceira vez na minha vida, não há amor sem risco’, relata, sem poder e talvez nem querer esconder uma risada, entre boba e cúmplice, diante da cara, entre cúmplice e boba, de sua interlocutora.

Assim, ao mesmo tempo corajosa e resistente, mostra-se Allende especialista em retratar mulheres extraordinárias que, segundo ela, são cópias do natural mais do que fábulas. ‘Venho de uma rede delas, trabalho com elas, estou cercada por elas, não preciso inventar nada’, diz a escritora já imune aos sobressaltos.

‘Sempre estou alerta, aberta ao mistério da vida, às coisas maravilhosas que a gente espera, e às trágicas que a gente não deseja. O pior já passou. Quando me separei de Willy, que amei muitíssimo, as pessoas me davam pêsames, como se dissessem ‘coitada dessa senhora idosa que vai ficar sozinha’. E eu pensava: ‘isso não é nem 10% do que passei quando Paula morreu’. Nada mais me abala.'”

amor  ·  literatura