Favoritos

Posts da categoria "arte"

a riqueza da solidão

por   /  12/01/2011  /  8:40

Mas não quero resposta, quero ficar só. Gosto muito das pessoas mas essa necessidade voraz que às vezes me vem de me libertar de todos. Enriqueço na solidão: fico inteligente, graciosa, e não esta feia ressentida que me olha do fundo do espelho. Ouço duzentas e noventa e nove vezes o mesmo disco, lembro poesias, dou piruetas, sonho, invento, abro todos os portões e quando vejo a alegria está instalada em mim.

Lygia Fagundes Telles (encontrei aqui)

_________________________________________________________________________________________

A foto é de Ali Bosworth

amor  ·  fotografia  ·  literatura

do verbo esperar

por   /  06/01/2011  /  10:00

Esperar é desejar sem fruir, sem saber e sem poder. – André Comte-Sponville.

Esperar é antes de tudo, desejar sem fruir, já que por definição, é claro que não possuímos os objetos de nossas esperanças. Esperar enriquecer, ser jovem, ter boa saúde, etc. certamente não é já sê-lo. É situar-se na falta do que gostaríamos de ser ou possuir. Mas é também desejar sem saber: se soubéssemos quando e como os objetos de nossas esperanças iriam se realizar, nós nos contentaríamos, sem dúvida, em aguardá-los, o que, se as palavras têm sentido, é muito diferente. Enfim, é desejar sem poder, visto que, ainda por comprovação, se tivéssemos a capacidade ou o poder de atualizar nossas aspirações, de realizá-las aqui e agora, não nos privaríamos delas. Limitar-nos-íamos a agir, sem passar pelo atalho da esperança.

O raciocínio é impecável. Frustração, ignorância, impotência, são essas as características maiores da esperança.

Luc Ferry, Aprender a Viver – Filosofia para os Novos Tempos (Objetiva, pg, 273)

Do blog Palavra Aguda

_________________________________________________________________________________________

A foto é daqui

amor  ·  fotografia  ·  literatura

cartas de amor

por   /  21/12/2010  /  14:09

Cristiane Lisboa imaginou cartas de amor trocadas entre Mona e Henry Miller

Ela explica > http://cristianelisboa.wordpress.com/

Thais Mol é figurinista, stylist, linda loira, magra, elegante e sincera. Criou a Mona, uma marca com peças especiais, sedas puras, tafetás encorpados e detalhes capazes de derreter corações. Em um Dia dos Namorados destes tantos que já se passaram ela me convidou para escrever uma troca de cartas entre Mona e Henry Miller. Pesquisei palavras que poderiam ter sido ditas entre eles ou algum outro casal com capacidade de raciocínio de tamanho igual do coração. Chorei um pouco. E foi.

_________________________________________________________________________________________

Uma dica da deusinia @baiana

amor  ·  literatura

o que é o amor pra você hoje? por carpinejar

por   /  14/12/2010  /  13:41

O Carpinejar sabe falar de amor com toda a doçura do mundo!

Eu e ele fazemos parte do júri dos românticos do Sonho.com.vc, um portal de conteúdo para apaixonados. Por lá vocês acham dicas de filmes, músicas, roteiros a dois… E ainda podem mandar suas dicas e concorrer a uma viagem (com acompanhante, é claro) para Paris!

Vão lá > http://www.sonhodevalsa.com.br/

nervos muito sensíveis

por   /  08/12/2010  /  0:19

Washington, 5 de outubro de 1953, segunda-feira

Fernando,

Não tenho feito muitos amigos (salvo uma enfermeira da maternidade que gostou de mim e depois de quase oito meses de Paulinho nascido vem me visitar na folga — hoje toma chá comigo), e não tenho influenciado nenhuma pessoa. Tomo menos milk-shake e levo uma vida diária vazia e agitada. Passo o tempo todo pensando — não raciocinando, não meditando — mas pensando, pensando sem parar. E aprendendo, não sei o que, mas aprendendo. E com a alma mais sossegada (não estou totalmente certa). Sempre quis “jogar alto”, mas parece que estou aprendendo que o jogo alto está numa vida diária pequena, em que uma pessoa se arrisca muito mais profundamente, com ameaças maiores. Com tudo isso, parece que estou perdendo um sentimento de grandeza que não veio nunca de livros nem de influência de pessoas, uma coisa muito minha e que desde pequena deu a tudo, aos meus olhos, uma verdade que não vejo mais com tanta frequência. Disso tudo, restam nervos muito sensíveis e uma predisposição séria para ficar calada. Mas aceito tanto agora. Nem sempre pacificamente, mas a atitude é de aceitar.

Clarice Lispector, em Correspondências

_________________________________________________________________________________________

A foto é do Buenaventura

amor  ·  fotografia  ·  literatura

só ao fechá-la é que se sabe

por   /  07/12/2010  /  18:27

Conselhos do Conselheiro, por João Cabral de Melo Neto
1.
Temer quedas sobremaneira
(não as do abismo, da banheira).
Andar como num chão minado,
que se desmina, passo a passo.
Gestos há muito praticados,
melhor sejam ressoletrados.
2.
A coisa mais familiar
já pode ser o patamar
onde um corredor conhecido,
que se caminha ainda tranquilo,
leva a uma certa camarinha
que ninguém disse o que continha.
3.
Uma porta qualquer que se abre
só ao fechá-la é que se sabe
que não foi afinal a porta
que só abre do lado de fora:
embora como porta se abra
é só de um lado sua bisagra.
4.
De cada cama em que se sobe
se descerás? É que se pode?
E cada cama em que se deita
não será acaso a derradeira,
que tem tudo de cama, quase:
menos a tampa em que fechar-se.
_________________________________________________________________________________________
Ganheio o poema da beloved Yana Parente
A foto é daqui
amor  ·  fotografia  ·  literatura