Favoritos

Posts da categoria "amor"

Somos tragicamente inseguros e carentes

por   /  11/02/2014  /  10:10

Gosto muito das colunas do Contardo Calligaris na Folha. A penúltima do ano passado foi especialmente boa > http://www1.folha.uol.com.br/colunas/contardocalligaris/2013/12/1387352-feliz-natal-2013.shtml

1) Gostaria que, ao menos por um tempo (que você escolhe –entre uma semana e um ano, ok?), ninguém possa mais lamentar o fato de que estaríamos todos apaixonados por nós mesmos.

Desculpe, Papai Noel, mas não aguento mais ler e ouvir críticos culturais improvisados (ou não) castigando nosso “narcisismo”. Você dirá: mas não é verdade que somos narcisistas? Claro que é verdade, mas acontece que você é um homem culto, até porque faz séculos que passa o ano lendo ao lado da lareira, lá no polo Norte, enquanto seus gnomos fabricam os brinquedos.

Você, desde os anos 60, estudou Kernberg, Kohut e Christopher Lasch, e sabe que “narcisista” pouco tem a ver com a história de Narciso apaixonado por sua imagem: somos narcisistas no sentido clínico, ou seja, somos tragicamente inseguros e carentes, eternamente dependentes da apreciação dos outros.

Vivemos contando os “curtiu” nos nossos posts no Instagram. Longe de pensar só em nós, agimos em função das reações que gostaríamos de provocar nos outros; seduzimos, provocamos, mas raramente seguimos uma necessidade que seja realmente nossa.

Não adianta: aqui o pessoal fala que somos narcisistas porque morremos de amor por nós mesmos.

______________________________________________________________________

A foto é da Olivia Crawford.

amor  ·  auto-ajuda  ·  fotografia  ·  internet  ·  jornalismo

As mulheres inspiradoras de 2013

por   /  20/12/2013  /  11:11

Uow, que presentão de fim de ano! ♥

Acabo de saber que tô na lista As mulheres inspiradoras de 2013, feita pelo excelente Think Olga!

Mais legal ainda é ver que a lista é cheia de mulheres que eu acompanho e admiro!

É quase uma tradição: todo final de ano, as grandes publicações do país fazem suas listas de pessoas mais influentes. E uma parte desse ritual é colocar poucas mulheres. Esse problema já foi destrinchado várias vezes, mas ainda há quem insista que essa ausência seja justificada – “não existem mesmo tantas mulheres influentes na área X”, é um dos argumentos mais usado. Para provar que isso não faz sentido, criamos essa lista das mulheres inspiradoras de 2013. Ela nasceu de maneira informal durante um debate no grupo de discussão da Olga, o Talk Olga, e não é, nem pretende ser, definitiva. Sabemos que ela é um recorte – seja da nossa classe social, da cidade em que vivemos, da cor da nossa pele e até mesmo dos nossos interesses pessoais. Por isso mesmo, ela não pode parar. Os leitores estão convidados a acrescentarem não apenas novos nomes nos comentários, mas também novas categorias. O importante é provarmos que existem muitos trabalhos relevantes feitos por mulheres, e que eles não merecem ser ignorados. Daí quem sabe as outras publicações não começam a lembrar mais das mulheres nas suas listas de 2014?

Muito obrigada, Think Olga e Fabi Secches!

Vejam a lista completa > http://thinkolga.com/2013/12/19/as-mulheres-inspiradoras-de-2013/

amor  ·  arte  ·  contente  ·  especial don't touch  ·  internet  ·  jornalismo

Verão na revista Noize

por   /  19/12/2013  /  8:08

Tenho uma coluna na revista Noize, e na nova edição fiz uma seleção de fotos de verão!

Os escolhidos foram Justin Jernigan, Filipe Redondo e Joe Nigel Coleman.

Gostaram? ♥

A edição conta também com Tom Zé, Arcade Fire, King Krule, Arnaldo Antunes, Kelela, Little Dragon, Joey Ramone e mais.

Leiam a revista toda! > http://issuu.com/noize/docs/noize64_dez_jan_fev_2014

amor  ·  arte  ·  escreve escreve  ·  especial don't touch  ·  fotografia  ·  jornalismo

go, writers

por   /  28/08/2013  /  15:38

Há uns meses, passei um sábado e um domingo fazendo um curso de escrita criativa com a Cris Lisbôa, uma amiga querida que conheci por meio da revista Noize. E foi tão bom, mas tão bom que saí recomendando o curso pra todo mundo que tem vontade de sair da rotina e quer aprender de um jeito diferente e super gostoso.

O Go, Writers, a Cris define, é um “curso de criação & escrita para quem precisa produzir conteúdo original, criativo, que provoque faíscas em quem lê, que faça pensar, que mude o mundo (pessoas são mundos) e que, de fato, diga alguma coisa”.

Adorei passar dois dias fazendo exercício, discutindo tópicos, pensando nos livros, filmes e músicas que mudaram minha vida. Adorei aprender com uma professora super inteligente e cheia de sacadas divertidas, que faz com que todo mundo se sinta à vontade pra deixar a imaginação fluir. Adorei, também, conhecer tanta gente nova, de diferentes formações e com vontade de criar coisas legais pro mundo. Resumindo: foi lindo!

No próximo fim de semana, a Cris dá o curso novamente em São Paulo.

Falando que soube do curso pelo Don’t Touch, você ganha 10% de desconto!

Se eu fosse você, fazia! ♥

Mais em> http://www.gowriters.com.br/ e http://www.coolhow.com.br/itinerante/

amor  ·  arte  ·  jornalismo  ·  literatura

pitchfork falando de cinema

por   /  10/07/2013  /  10:44

O Pitchfork lança hoje The Dissolve, um site dedicado a cinema.

“Existem muitos textos ótimos sobre cinema na internet, mas não existe ninguém fazendo o que o Pitchfork fez para a música, que são textos inteligentes, direcionados pela opinião, pela crítica e escritos para uma audiência que é apaixonada por filmes, mas não necessariamente quer saber deles a partir de uma visão acadêmica”, disse Keith Phipps, editor do Dissolve, ao Mashable.

Legal demais, hein?

Mais em > http://thedissolve.com/

cinema  ·  internet  ·  jornalismo

17 de junho de 2013

por   /  18/06/2013  /  12:37

Reflexo em fachada de prédio mostra o protesto contra o aumento da passagem de ônibus no Rio de Janeiro, pela Avenida Rio Branco, chegando ao Teatro Municipal, no centro da cidade. A foto é do Fabio Mota, do Estadão.

Dilma, Alckmin, Haddad, Cabral, Sarney, Feliciano, partidos políticos, corrupção, polícia, violência, saúde, educação, cotas, inflação, imprensa, Fifa, Copa do Mundo e, é claro, transporte público. As manifestações que ganharam corpo em São Paulo desde o último dia 6 contra o reajuste das tarifas de transporte tomaram o país ontem e se tornaram um enorme protesto contra tudo e contra todos. > http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidiano/114592-contra.shtml

São, São Paulo, meu amor! Foto de Miguel Schincariol, da AFP.

Foto linda da @elisamatile para o Amores Anônimos! ♥ http://instagram.com/amoresanonimos

As manifestações que tomaram as ruas do país na noite de ontem tiveram invasões e tentativas de entrada em sedes dos poderes Legislativos e Executivos. Em Brasília, onde milhares de jovens se concentraram na Esplanada dos Ministérios, houve ocupação do teto do Congresso. > http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidiano/114600-teto-do-congresso-e-ocupado-grupo-tenta-invadir-sede-do-governo-de-sp.shtml

Os milhares de manifestantes que marcharam ontem nas ruas de grandes metrópoles estão divorciados dos grandes partidos políticos. Nenhuma legenda conseguiu ainda capitalizar a seu favor os protestos. Por essa razão, torna-se imprevisível o desfecho do movimento. Pode resultar em algumas mudanças ou dar em nada. Texto do Fernando Rodrigues > http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidiano/114601-movimento-esta-divorciado-dos-politicos-tradicionais.shtml

A foto é daqui.

As redes, nas ruas, no Brasil. Texto do Silvio Meira. “as redes, em si, não mudam nada: o barulho social dificilmente mudará governos, pelo menos enquanto houver uma representação mediando a democracia. para mudar um estado de coisas, hoje, a articulação em rede tem que ir pra rua, pois as redes são apenas plataformas de conexão para relacionamento e interação. as estruturas de poder estão no mundo real e é nele que as pessoas precisam agir. e pouco adianta, por outro lado, “desligar a rede”, como o egito chegou a tentar: tudo depende da internet, hoje, do próprio governo às bolsas e quase tudo que há em uma sociedade minimamente funcional. desligar a rede é parar o país, e quase não é mais possível em nações estruturadas, ditatoriais ou não.” > http://terramagazine.terra.com.br/silviomeira/blog/2013/06/18/as-redes-nas-ruas-no-brasil/

O Instamission também faz parte do movimento! Fotografe como você muda o país > http://instamission.com/

Carta amarela #58, por Guilherme Poulain. “Pois é. Em mim a carapuça também serviu. E aí, nesse exato momento do país fico pensando se eu não devia começar a revolução por mim mesmo? Fazer barulho adianta sim, e é importante. Talvez se eu começasse a pensar nas pequenas “malandragens” que faço, eu também faria do Brasil um pouco melhor. A gente concentra todas as nossas energias em encontrar os culpados. Uns querem tirar a Dilma do poder. Muitos querem acabar com a corrupção. Mas a corrupção só acaba se entrarem pessoas honestas no poder. Mas quem aí pode levantar a mão de ser 100% honesto? Espero que com esse barulho todo a gente consiga sim mudar o país. E é por isso mesmo que quero me orgulhar de ser um cidadão a altura de um novo país. Se o Brasil está em progresso, que estejamos nós em progresso também.” > http://moldandoafeto.com/2013/06/18/carta-amarela-58-em-progresso/ (obrigada por dividir, Julia!)

Patti Smith, grande musa! > https://www.facebook.com/pages/Patti-Smith/212587898832647

Foto da @carolsorelli.

Foto de Mauricio Lima para o New York Times.

Thousands gather for protests in Brazil’s largest cities > http://www.nytimes.com/2013/06/18/world/americas/thousands-gather-for-protests-in-brazils-largest-cities.html?ref=brazil&_r=0

Brasília!

Do Twitter d’O Globo.

amor  ·  amores anônimos  ·  ativismo  ·  especial don't touch  ·  fotografia  ·  internet  ·  jornalismo  ·  são paulo

o gigante acordou

por   /  17/06/2013  /  15:11

Hoje é dia de lutar por um Brasil melhor. De vestir branco, de colocar lençóis brancos na janela, de ir pra rua protestar. Não por conta de 20 centavos, mas por uma vida melhor, em que os direitos de todos nós sejam respeitados e consigam ser plenamente usufruidos.

Vai lá > 5º grande ato contra o aumento das passagens. Hoje, às 17h, no Largo da Batata, em São Paulo.

Foto do Felipe Morozini > http://www.flickr.com/photos/morozini/

What’s really behind the brazilian riots? “Brazil is currently experiencing a widespread collapse of its infrastructure. There are problems with ports, airports, public transport, health and education. Brazil is not a poor country and the tax rates are extremely high. Brazilians see no reason to have such bad infrastructure when there is so much wealth that is so highly taxed. In the state capitals people spend up to four hours per day in traffic, either in their cars or on crowded public transport which is of very poor quality.” > http://ireport.cnn.com/docs/DOC-988431

Desenhos d’os gemeos > http://www.osgemeos.com.br/

O que se joga nas ruas: passar livre ou controle político, por Bob Fernandes. “Só perceberam porque a internet e as tais “redes sociais” enfiaram goela e consciência abaixo. Perceberam porque não há como esconder as fotos, vídeos, os depoimentos nas redes sociais. Porque ficou claro o despreparo, país afora, das PMs, guardas pretorianas dos governadores, de todos eles. Polícia Militar, uma força bicentenária tornada auxiliar das Forças Armadas na ditadura e que permanece parada no tempo, como se em ditadura ainda vivesse o país. (…) Descobriram, enfim, o que significa esse número alardeado e nunca entendido, o dos 80 milhões de usuários da internet no país, algo como 50 milhões no cotidiano. Detalhe este, o da força da internet, das redes, que tantas agências e tantos publicitários ainda não notaram, do ponto de vista prático, para além do discurso e do mero oportunismo.” > http://terramagazine.terra.com.br/bobfernandes/blog/2013/06/17/o-que-se-joga-nas-ruas-passar-livre-ou-controle-politico/ (obrigada por mandar, Carol Almeida)

A foto acima é da @carlalamarca.

Viva Laerte! > http://on.fb.me/14dTEO1 (obrigada por compartilhar, Luiza Voll)

Viva a vaia, por Marcos Augusto Gonçalves: “Chamou-me a atenção o tom bem-humorado (ufa!) de alguns manifestantes e seus cartazes.: “Ô burguesia, não se assuste não, é só um protesto contra o aumento do busão”… Uma amiga contou que colegas da escola da filha dela mandaram essa: “Que vergonha, busão mais caro que maconha”. “Como é bom ser jovem”, teria comentado a avó prafrentex ao saber da história.;) E a marcha seguia, transpirando vitalidade. Vontade de manifestação. E bombas de gás sexy no ar. Não é só a tarifa, estúpido, pensei comigo. É uma “manifestação-ônibus”, que carrega muitas causas (talvez nem por inteiro formuladas) e catalisa a insatisfação difusa que se sente no ar. A vaia, baby. Viva a vaia.” > http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidiano/114447-viva-a-vaia.shtml

Cat Power apoia São Paulo! (via Popload)

 

Jamais achei que eles fossem atirar, diz repórter da Folha atingida durante protesto > http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2013/06/1296077-jamais-achei-que-ele-fosse-atirar-diz-reporter-da-folha-atingida-durante-protesto.shtml

Arte do Fabio Maca > http://ink361.com/app/#!/users/ig-3485447/photos

No Coffee Lab, em São Paulo, o café custa R$ 0,20 hoje. A dica é do @vecks.

Desenho da Rita Wainer > http://loja.ritawainer.com.br/

O Twitter da Veja foi hackeado > https://twitter.com/pinkywainer/status/346663072775168000/photo/1

Manifestantes dizem que entulho no Largo da Batata é armadilha > http://www.estadao.com.br/noticias/cidades,manifestantes-dizem-que-entulho-no-largo-da-batata-e-armadilha,1043411,0.htm

O Pintinho sempre maravilhoso! > https://www.facebook.com/opintinho

Famosos protestam contra violência policial em ensaio fotográfico > http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2013/06/1296290-atores-protestam-contra-violencia-policial-e-publicam-fotos-em-solidariedade-a-jornalista-da-folha.shtm

A Flavia Durante fez uma lista de apps de compartilhamento imediato de vídeos via celular pra usar caso você flagre cenas de violência e abuso policia > http://on.fb.me/ZXQbng

Gabriel Bá e Fabio Moon geniais! (obrigada por dividir, Renata Simões)

amor  ·  arte  ·  ativismo  ·  fotografia  ·  internet  ·  jornalismo  ·  são paulo

são paulo vai parar

por   /  14/06/2013  /  15:43

Não é sobre 20 centavos, estúpido. Excelente texto da Ana Freitas > http://awe-inspiring-randomness.tumblr.com/post/52896959452/nao-e-sobre-20-centavos-estupido

A gota que faltava > http://super.abril.com.br/blogs/crash/a-gota-que-faltav/

A PM começou a batalha na Maria Antônia, diz Elio Gaspari. “Num átimo, às 19h10, surgiu do nada um grupo de uns 20 PMs da Tropa de Choque, cinzentos, com viseiras e escudos. Formaram um bloco no meio da pista. Ninguém parlamentou. Nenhum megafone mandando a passeata parar. Nenhuma advertência. Nenhum bloqueio, sem disparos, coisa possível em diversos trechos do percurso. Em menos de um minuto esse núcleo começou a atirar rojões e bombas de gás lacrimogêneo. Chegara-se a Istambul.” > http://www1.folha.uol.com.br/colunas/eliogaspari/2013/06/1294837-a-pm-comecou-a-batalha-na-maria-antonia.shtml

A imagem acima é da Verena Smit > http://www.verenasmit.com.br/home/

24 momentos dos protestos em São Paulo que você não verá na TV > http://www.melhorquebacon.com/24-momentos-protesto-sao-paulo/

O que os jornais não vão dizer, um relato de Bruno Bruden > https://www.facebook.com/brunob9/posts/10201359982187170

O que não sai na TV > http://oquenaosainatv.tumblr.com/

Falta alguém na Paulista, escreve Clóvis Rossi: “O que falta na avenida Paulista é Política, que escrevo com maiúscula porque a política anda tão aviltada que precisa de um pouco de amor próprio. Faltam deputados e senadores, vereadores e líderes partidários capazes de fazer o meio de campo entre os manifestantes e o poder público.” > http://www1.folha.uol.com.br/colunas/clovisrossi/2013/06/1295121-falta-alguem-na-paulista.shtml

Milhares já escolheram sapatos que não vão apertar > http://impedimento.org/milhares-ja-escolheram-sapatos-que-nao-vao-apertar

Não há vencedores políticos na batalha campal de São Paulo, escreve Vera Magalhães > http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2013/06/1295043-analise-nao-ha-vencedores-politicos-da-batalha-campal-de-sao-paulo.shtml

O fundamental é que estamos vivendo uma brutal ofensiva do pensamento conservador, que coloca em risco muitas décadas de conquistas civilizatórias da sociedade brasileira, diz Andre Borges Lopes > http://www.advivo.com.br/node/1400276

Tome tenência, dona elite! Texto da Barbara Gancia > http://www1.folha.uol.com.br/colunas/barbaragancia/2013/06/1294909-tome-tenencia-dona-elite.shtml

Polícia infiltra agentes em protestos e rastreia web para achar manifestantes > http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2013/06/policia-infiltra-agentes-em-protestos-e-rastreia-web-para-achar-manifestantes.html

“Vi o policial mirar e atirar na minha cara”, diz repórter da Folha ferida no olho > http://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2013/06/14/vi-o-policial-mirar-e-atirar-na-minha-cara-diz-reporter-ferida-no-olho.htm

A truculência da polícia dentro de um hospital, um relato de Luciana Boullousa > https://www.facebook.com/luciana.boullosa.5/posts/655862371095413

Feridos no protesto em SP > http://feridosnoprotestosp.tumblr.com/

(Obrigada, @caroltypes, por alguns dos links!)

amor  ·  ativismo  ·  fotografia  ·  internet  ·  jornalismo  ·  são paulo

o legado de leonílson

por   /  14/03/2013  /  8:06

Daigo Oliva tem Leonílson tatuado na pele. E assim começa sua reportagem sobre o artista:

Nascido em Fortaleza, mas criado em São Paulo, o genial artista completaria 56 anos se estivesse vivo. Vítima da Aids, em 1993, faleceu precocemente aos 36. Visceral, vibrante, poético, irônico, sonhador… Faltam adjetivos para classificar Leonílson.

O traço simples, por muitas vezes infantil, tinha o poder de comunicar usando poucas linhas e palavras soltas. Tudo era um suporte artístico para Leó, como era carinhosamente chamado. Dos papéis de cadernos e agendas, dos bordados vazios que dizem tanto e as pinturas de rios, vulcões e corações dilacerados por sentimentos que exploram a boca e o olhar, Leonílson construiu um universo particular que o projetou como um dos nomes mais importantes da arte contemporânea brasileira.

Mas o artista não pode ser compreendido apenas através de sua obra. Deve ser lido também a partir de sua família, suas anotações, suas gravações, seu humor, suas brincadeiras e seus amigos.

Daigo é fotógrafo, também escreve e é um dos autores do blog Entretempos, da Folha de S.Paulo. Foi lá que ele publicou o texto, que é acompanhado de uma ótima entrevista com Lenice de Fátima Dias Fonseca da Silva, irmã de Leonílson.

Leiam > http://bit.ly/Wm3M5T

amor  ·  arte  ·  fotografia  ·  jornalismo

romance virtual

por   /  05/03/2013  /  8:11

Romance Virtual é uma reportagem de Emily Witt, publicada na revista Piauí deste mês, que fala sobre sites de relacionamento como o OK Cupid, em que milhares de pessoas tentar se achar para ter uma relação. Para isso, elas preenchem questionários com perguntas como “Você acha que fumar é repugnante?” ou “Deixando de lado quaisquer planos para o futuro, o que é mais interessante para você neste momento: o sexo ou o verdadeiro amor?”.

No texto, a repórter conta suas experiências, aventuras e frustrações e fala como o namoro pela internet destruiu a noção que ela tinha de si mesma como alguém que conhece, compreende e consegue se expressar em palavras.

Abaixo, um trecho:

Fui a uma palestra do escritor Ned Beauman, que comparou a experiência no OkCupid com as ideias do astrônomo Carl Sagan, quando falava dos limites da nossa capacidade de até mesmo imaginar um tipo de vida extraterrestre não baseada em carbono. Isso sem falar que nem iríamos perceber se esse tipo de vida estivesse nos enviando sinais.  Você sai jogando a rede no OkCupid para tentar pegar aquilo que você acha que quer – mas e se não formos capazes nem sequer de enxergar os sinais que estão nos enviando, e muito menos de interpretá-los?

O OkCupid dava uma impressão muito forte de ser aquele banco de dados com que Kremen havia sonhado: escolha ilimitada. Mas isso tem suas desvantagens. Como escreve a socióloga Eva Illouz emO Amor nos Tempos do Capitalismo, “a experiência do amor romântico se relaciona a uma economia da escassez, o que por sua vez permite a novidade e a emoção”. Em contraste, “o espírito que preside a internet é a economia da abundância, na qual a pessoa precisa escolher e maximizar suas opções, e é obrigada a usar técnicas de eficiência e custo-benefício”. No começo foi até divertido, mas, depois de alguns meses, os problemas começaram a aparecer. Acabei achando bem verdadeiro o que Beauman diz sobre a nossa incapacidade de avaliar o que poderia ser atraente.

Leiam a reportagem completa > http://revistapiaui.estadao.com.br/edicao-77/questoes-tecnoafetivas/romance-virtual

amor  ·  auto-ajuda  ·  design  ·  internet  ·  jornalismo