Favoritos

Posts da categoria "amor"

Bowie, muito obrigada por tudo

por   /  11/01/2016  /  10:10

David Bowie

Ele apareceu pela primeira vez na minha vida em “Christiane F.” – e ficou no repeat, de tanto que eu assistia ao filme e sonhava em ter aquela jaqueta que a Natja Brunckhorst usava pra ir ao show na Berlim dos anos 1980.

Depois veio em vários CDs-R que Tomaz gravou pra mim, imprimiu a capinha colorida e me entregou no curso de inglês. Mal existia internet, e desbravar aqueles mundos era abrir milhões de possibilidades, era buscar as referências dele, era querer entender tudo, ouvir tudo, porque o portal já tinha sido aberto, e não tinha mais volta.

Em um aniversário meu, há uns dois anos, por uma dessas coisas de sincronicidade, revi na fila da inesquecível exposição do MIS o mesmo Tomaz que tinha sido meu Rdio antes de o Napster existir.

Na primeira vez que fui a Berlim, cheguei morrendo de tristeza e, quando estava fazendo as malas pra ir embora, coloquei o “Low”, o “Heroes” e o “Lodger” pra tocar. Chorei de felicidade, querendo ficar mais, entendendo tanto de mim, da vida, da impermanência e das transformações.

Bowie, você é Deus na minha religião. Muito obrigada por tudo.

Vai lá encontrar o Lou. Aproveita e manda um beijo, tá? 

A foto é de Lynn Goldsmith e foi tirada em 1973

Pra ficar ouvindo ele o dia inteiro: BBC 6

Não dá pra imaginar um mundo sem David Bowie, texto lindo do Alexandre Matias

David Bowie’s life and career – in pictures

Bowie in quotes: ‘I wouldn’t like to make singing a full-time occupation’

David Bowie Answers the Famous Proust Questionnaire

Babydoll de nylon com Bowie e Mick Jagger

David Bowie dead: long-serving producer Tony Visconti discusses the ‘parting gift’ that was Blackstar

David Bowie’s 7 Sexiest Music Videos Celebrate His 69th Birthday

David Bowie’s must-read books revealed

David Bowie: five essential films

How David Bowie told us he was dying in the ‘Lazarus’ video

My David Bowie, alive forever

Bowie e Paul by Linda 1985

“Very sad news to wake up to on this raining morning. David was a great star and I treasure the moments we had together. His music played a very strong part in British musical history and I’m proud to think of the huge influence he has had on people all around the world. I send my deepest sympathies to his family and will always remember the great laughs we had through the years. His star will shine in the sky forever.” Paul McCartney

“David’s death came as a complete surprise, as did nearly everything else about him. I feel a huge gap now. We knew each other for over 40 years, in a friendship that was always tinged by echoes of [comic characters] Pete and Dud. Over the last few years – with him living in New York and me in London – our connection was by email,” Eno continued. “We signed off with invented names: some of his were mr showbiz, milton keynes, rhoda borrocks and the duke of ear. I received an email from him seven days ago. It was as funny as always, and as surreal, looping through word games and allusions and all the usual stuff we did. It ended with this sentence: ‘Thank you for our good times, brian. they will never rot’. And it was signed ‘Dawn’. I realise now he was saying goodbye.” Brian Eno

“Dearest David, wherever you are now, I miss you. Not only do I miss you but my heart is broken. You were my idol, then you became my mentor and my friend. I learnt so much from you, just by being in your presence, the conversations we had and, of course, watching you perform. You always had time for me. My band and I were tiny when we first met. Nonetheless , you took us under your wing. You believed in us and gifted us with so many fantastic opportunities. Without you, your tutelage and your wisdom, I don’t think I would be where I am today, as an artist but also as a person. For that I will be eternally grateful. Float around the ether, David. Bounce gracefully off planets light-years away as you become one with the Universe, as you dive into the Great Unknown. My sincere and heartfelt condolences to Iman, Lexi and Duncan, whose hearts I know are far more broken than mine. As for me, I will treasure every memory of every moment we spent together. Dear David, beautiful man and force of nature, you are immortal. You live beyond the veil of the big sleep. Ong Namo Guru Dev Namo. Namaste.” Brian Molko

John and David respected each other. They were well matched in intellect and talent. As John and I had very few friends we felt David was as close as family. After John died, David was always there for Sean and me. When Sean was at boarding school in Switzerland, David would pick him up and take him on trips to museums and let Sean hang out at his recording studio in Geneva. For Sean this is losing another father figure. It will be hard for him, I know. But we have some sweet memories which will stay with us forever. Yoko Ono

“david bowie começou pelo futuro. de algum modo, o seu tempo ainda não chegou. talvez, por isso mesmo, nos aguarde mais adiante. nem que seja apenas para o abraçarmos e dizer-lhe: muito, muito obrigado.” Valter Hugo Mãe

“David’s friendship was the light of my life. I never met such a brilliant person. He was the best there is.” Iggy Pop

“It feels like we lost something elemental, as if an entire color is gone.” Carrie Brownstein

I’m devastated.
David Bowie changed the course of my life forever. I never felt like I fit in growing up in Michigan. Like an oddball or a freak. I went to see him in concert at Cobo Arena in Detroit. It was the first concert I’d ever been too. I snuck out of the house with my girlfriend wearing a cape.
We got caught after and I was grounded for the summer. I didn’t care.
I already had many of his records and was so inspired by the way he played with gender confusion .
Was both masculine and feminine.
Funny and serious.
Clever and wise.
His lyrics were witty ironic and mysterious.
At the time he was the thin white Duke and he had mime artists on stage with him and very specific choreography
And I saw how he created a persona and used different art forms within the arena of rock and Roll to create entertainment.
I found him so inspiring and innovative.
Unique and provocative. A real Genius.
his music was always inspiring but seeing him live set me off on a journey that for me I hope will never end.
His photographs are hanging all over my house today.
He was so chic and beautiful and elegant.
So ahead of his time.
Thank you David Bowie.
I owe you a lot. .
The world will miss you.
Love
Madonna

“No caso dessas duas entidades, uma despedida apenas física, porque cada música é uma lembrança de que continuam vivos e consigo sentir ainda mais forte a presença deles, como se agora fossem o espaço ao redor, o ar que sustenta a propagação do som. A tristeza então cede lugar ao agradecimento, admiração e inspiração. Ontem quase levei pra cama o livrão que eu tenho do Bowie, mas que é tão grande e pesado que desisti, já estava tarde também, precisava acordar cedo. Até as últimas horas de ontem eu não queria largá-lo. Hoje, a notícia. Conexões que só a música explica.” Lulina

“David was always an inspiration to me and a true original. He was wonderfully shameless in his work. We had so many good times together. He was my friend, I will never forget him.” Mick Jagger

mick

berlin

Duncan Jones

“Very sorry and sad to say it’s true. I’ll be offline for a while. Love to all.” Duncan Jones

30 gifs do David Bowie para assistir ininterruptamente

“Dos vivos, o mais genial. Dos mortos, o mais inesquecível”, diz Rita Lee sobre Bowie

What David Bowie meant to me and multiple generations

One Of The Real Major Toms Even Covered David Bowie From Space

David Bowie é flagrado entrando em disco voador para voltar à sua terra natal

David Bowie Helden, German version of Heroes

Tilda Swinton on David Bowie: He ‘Looked Like Someone From the Same Planet as I Did’

David Bowie: share your memories

Cosas que debemos contar a nuestros hijos sobre David Bowie

Radio Soulwax: Our homage to the man whose ability to change whilst remaining himself has been a massive influence on us. There are many legends in the music industry but for us, there is no greater than the mighty Dave. We’ve included all things Bowie, whether that is original songs, covers, backing vocals, production work or reworks we made, to attempt to give you the full scope of the man’s genius.

Chris Clarke para o The Guardian via @anabean

Arte do Chris Clarke (via @anabeanjean)

db

Dancing out in space. As the world remembers musician David Bowie, a mile-wide space rock named in his honor orbits serenely in the main asteroid belt between the orbits of Mars and Jupiter. NASA (via Manu Colla)

David Bowie Dies at 69; He Transcended Music, Art and Fashion

É difícil entender que não tenho mais 20 anos, disse Bowie sobre envelhecer

Arquivo aberto: o esmalte de David Bowie

David Bowie Dead at 69

ny

De Benjamin Schwartz para a New Yorker

“Though they had exchanged only a few words, Bowie asked for her phone number and then called her that night at exactly 3:00 a.m. “He said, ‘The first thing I want you to know is that you’re not crazy—don’t let anybody tell you you’re crazy, because where you’re coming from, there are very few of us out there.’ For a month, he called her every night and they would talk for hours. Finally, he paid a visit”.

De Bowie para Nina Simone, qdo ela tava numa bad.

“He’s got more sense than anybody I’ve ever known,” she said. “It’s not human—David ain’t from here.

Nina Simone sobre Bowie. (via Vivi Whitman)

David Bowie: the man who thrilled the world

Beat Godfather Meets Glitter Mainman

Na América do Sul, ricos e pobres não se ajudam, afirmou Bowie à Folha

Worldwide tributes to David Bowie: ‘His death was a work of art’

50 David Bowie moments

Brian May tells how David Bowie and Queen wrote the legendary track Under Pressure

As faces de David Bowie

David Bowie se foi. Aqui estão frases que ilustram seu legado

Exit Bowie, discreetly: ‘He thought it honourable to become invisible’

David Bowie: He wrote his own requiem – he was always a lap ahead

bw

gi bowie gif

amor  ·  escreve escreve  ·  especial don't touch  ·  música  ·  vida  ·  vídeo

Escutar é se arriscar

por   /  14/10/2015  /  12:12

Silêncio

As pessoas não escutam porque escutar é se arriscar. É se abrir para a possibilidade do espanto. Escancarar-se para o mundo do outro – e também para o outro de si mesmo. Escutar de verdade é se entregar. É esvaziar-se para se deixar preencher pelo mundo do outro. E vice-versa. Nesta troca, aprendemos, nos transformamos, exercemos esse ato purificador da reinvenção constante. E, o melhor de tudo, alcançamos o outro. Acredite: não há nada mais extraordinário do que alcançar um outro ser humano. Se conseguirmos essa proeza em uma vida, já terá valido a pena.

Por que as pessoas falam tanto?

Mais um texto maravilhoso da Eliane Brum. A foto a @luizavoll tirou especialmente pra mim, em uma loja na Itália <3

 

amor  ·  fotografia  ·  literatura  ·  vida

A imbecilidade organizada com a internet

por   /  07/10/2015  /  9:09

marias, javier

A internet tem coisas maravilhosas, mas há algo que é novidade: pela primeira vez a imbecilidade está organizada. Sempre houve imbecilidade; imbecis iam ao bar, tornavam públicas as suas imbecilidades, mas é agora que se organizam, com grande capacidade de contágio. E há um problema agregado: as pessoas se intimidam diante de internautas exaltados e se desculpam sem motivos. E as pessoas sofrem represálias. É truculência. E não há melhor forma de a truculência triunfar do que se intimidando e se amedrontando.

Javiér Marias, autor espanhol que eu adoro, em entrevista ao El País

internet  ·  literatura  ·  vida

É debaixo deste silêncio que acontece o estouro

por   /  06/10/2015  /  19:19

Cassiana

Está tarde, por enquanto está tarde, faz tanto tempo desde a última vez que fomos até à entrada do rochedo, mais tempo ainda desde que mergulhámos na enseada e nos deparámos com o coral, com o brilho, com a coloração perfeita que fazia lembrar a transumância. Tenho pensado na palavra transumância. Tenho pensado muito naquele excerto do diário de Pavese que fala dos mitos e da atenção, dos símbolos, dos nomes. Nalgum momento, ele diz qualquer coisa como: estamos convencidos de que uma grande revelação só poderá sair da teimosa insistência numa mesma dificuldade. E também: sabemos que o modo mais seguro — e mais rápido — de nos espantarmos é fitarmos impávidos sempre o mesmo objeto. Segundo Cesare Pavese, é pela atenção e pela repetição que acontece o estouro do milagre. Ainda acredito em milagres.

Notas para um século surpreendente, texto da Matilde Campilho.

A foto é da Cassiana Der Haroutiounian.

amor  ·  fotografia  ·  literatura  ·  vida

A vida muda num instante

por   /  06/10/2015  /  9:09

744_joan_didion_02

Ao escrever sobre a vida sem John, ela alcançou uma síntese perfeita da catástrofe humana: “A vida muda num instante. Você se senta para jantar e a vida que você conhecia acaba de repente”. (…)

O que fazer quando você é a que resta? Se você é uma escritora, escreve. Agarra-se às palavras na tentativa de compreender o impossível, agarra-se para não afundar. Agarra-se porque é preciso enfrentar as lembranças, sempre fragmentadas, e com elas construir uma memória que faça algum sentido na paisagem devastada que agora é você. Com 1 metro e 56 centímetros e meio de altura e a silhueta de quem poderá ser levada embora na primeira brisa, Joan Didion é uma escritora feroz. Examina a si mesma sem autopiedade ou pieguice e entrega-se ao leitor com todas as suas marcas. A grandeza de seu texto está na capacidade de entrelaçar a tragédia às pequenas delicadezas do cotidiano. Como ao perceber que, por muito tempo, escrevera vendo as roupas de Quintana secar ao sol.

As lembranças espreitam Joan atrás de cada porta, dentro de cada gaveta. Ela levanta a tampa da caixa de joias forrada de cetim e encontra lá dentes de leite. Abre a porta do guarda-roupa e vê três velhas capas de chuva de John, uma jaqueta de camurça dada a Quintana pela mãe de seu primeiro namorado e um bolero de angorá, há muito comido pelas traças, que sua mãe ganhara de seu pai depois da Segunda Guerra Mundial. Ela abre caixas e acha convites para casamentos de gente que há muito se separou, cartões de agradecimento de funerais de pessoas cujo rosto esqueceu. “Em teoria, essas lembranças servem para trazer de volta o momento”, escreve. “Na prática, servem apenas para demonstrar quão inadequadamente apreciei o momento quando ele aconteceu.”

Texto A mulher que restou, de Eliane Brum, sobre a escritora Joan Didion, que perdeu o marido e a filha em um intervalo de poucos meses.

amor  ·  fotografia  ·  literatura  ·  vida

Só o tempo

por   /  07/07/2015  /  13:00

Paulinho

Largo a paixão
Nas horas em que me atrevo
E abro mão de desejos
Botando meus pés no chão
É só eu estar feliz
Acende uma ilusão
Quando percebe em meu rosto
As dores que não me fez

Ah, meu pobre coração
O amor é um segredo
E sempre chega em silêncio
Como a luz no amanhecer
Por isso eu deixo em aberto
Meu saldo de sentimentos
Sabendo que só o tempo
Ensina a gente a viver

amor  ·  fotografia  ·  música  ·  vida

Tributo a Nina Simone

por   /  06/07/2015  /  15:00

103961-Nina_Simone_617_409

I hope the day comes when I will be able to sing more love songs, when the need is not quite so urgent to sing protest songs. But for now, I don’t mind.

“Nina Revisited… a tribute to Nina Simone” é um tributo a uma das mais impressionantes cantoras da história. Traz interpretações de Mary J. Blige, User, Grace, Lauryn Hill (maravilhosa) e mais gente. É  bem bonito, umas horas é fiel às versões da própria Nina, em outras vai para lugares completamente diferentes.

Para ouvir (e ler sobre) > First listen: Nina Revisited, na NPR

Adendo: tinha adorado o documentário “What happened, Miss Simone?”, até esbarrar nesse texto e atentar para um dos óbvios argumentos, de que não se pode dar voz ao agressor confesso de uma mulher. Leiam em The irresponsability of ‘What happened, Miss Simone?’.

amor  ·  cinema  ·  fotografia  ·  música  ·  vida

Patti Smith falando de religião

por   /  03/07/2015  /  16:00

dalailama-pattismith-855x581

Patti Smith, que já cantou “Jesus died  for somebody’s sins, but not mine”, fala da sua relação com religião em um podcast do Huffington Post. Tão bom de ouvir!

I look at these things as the beauty of man’s imagination. However, no matter how many times it’s said or simplistic it sounds, everything stems from love. If someone wanted to understand Christ’s teachings for instance, it’s based on love and to love one another. Everything else could fall away: the dogma, the art, the churches, everything. It’s basically to love one’s self, to love one another, to love the earth. But the imagination and the mind of man is so interesting and captivating. So I am attracted to religious arts from all faiths, from the poetry that comes from it. I’m attracted to the prayers and the vestments that people where, but I don’t mistake these things for the absolute principle.

 

amor  ·  despertar  ·  fotografia  ·  música  ·  vida

Fragmentos de Susan Sontag

por   /  03/07/2015  /  15:00

sontag

Pedimos tudo do amor. Pedimos que seja anárquico. Pedimos que seja o elo que une a família, que permite que a sociedade seja ordenada, que permite que todos os tipos de processos materiais sejam transmitidos de uma geração para a outra. Mas acredito que a conexão entre amor e sexo é muito misteriosa. Parte da ideologia moderna do amor consiste em assumir que amor e sexo andam sempre juntos. Acho que eles podem andar juntos, mas acredito mais numa coisa em detrimento da outra. Talvez o maior problema dos seres humanos seja o fato de as duas coisas simplesmente não caminharem juntas. E por que as pessoas querem se apaixonar? Isso é muito interessante. Em parte, as pessoas querem se apaixonar da mesma maneira como voltam a uma montanha-russa -mesmo sabendo que seu coração vai se partir.

O que quero é estar totalmente presente na minha vida -ser quem você realmente é, contemporânea de si mesma na sua vida, dando plena atenção ao mundo, que inclui você. Você não é o mundo, o mundo não é idêntico a você, mas você está nele e presta atenção nele. O escritor faz isso -presta atenção no mundo. Sou contra essa ideia solipsista de que está tudo na nossa cabeça. Mentira, há um mundo lá fora quer você esteja nele ou não.

Ler é minha diversão, minha distração, meu consolo, meu pequeno suicídio. Quando não consigo suportar o mundo, me enrosco a um livro, e é como se uma nave espacial me afastasse de tudo. Mas minha leitura não é nada sistemática. Tenho muita sorte de conseguir ler rápido, acho que, comparada à maioria das pessoas, sou uma leitora veloz, o que me dá uma vantagem grande de poder ler bastante, mas também tem suas desvantagens porque não me envolvo muito com aquilo, apenas absorvo e deixo digerindo em algum lugar. Sou muito mais ignorante do que as pessoas pensam. Se você me perguntar o que significa estruturalismo ou semiologia, não saberei dizer. Sou capaz de me lembrar de uma imagem numa frase de Barthes e ter uma ideia geral daquilo, mas não entender muito bem.

Meu desejo era ter diversas vidas, e é muito difícil ter diversas vidas quando temos um marido -pelo menos no tipo de casamento que eu tinha, algo inacreditavelmente intenso. […] Por isso digo que, em algum momento da nossa trajetória, precisamos escolher entre a Vida e o Projeto.

Eu amo fotografias. Não tiro fotos, mas observo, gosto, coleciono, sou fascinada por elas… é um interesse antigo e muito apaixonado. Comecei a ter vontade de escrever sobre fotografia quando percebi que essa atividade central refletia todos os equívocos, contradições e complexidades da nossa sociedade. Esses equívocos, contradições ou complexidades definem a fotografia, a maneira como pensamos. E considero interessante que essa atividade, que para mim envolve tirar fotografias e também observá-las, encapsula todas essas contradições -não consigo pensar em outra atividade em que todos esses equívocos e contradições estejam tão incorporados.

As pessoas dizem o tempo todo: “Ah, não posso fazer isso. Tenho 60 anos, estou velha demais”. Ou: “Não posso fazer isso, tenho 20 anos. Sou nova demais”. Por quê? Por que dizer isso? Na vida você quer manter o máximo possível de opções abertas, mas é claro que quer poder ser livre para fazer escolhas verdadeiras. Quer dizer, não acho que você possa ter tudo, e é preciso fazer escolhas. Os americanos tendem a pensar que tudo é possível, e eu gosto disso nos americanos [rindo]; nesse sentido me sinto muito americana.

Legal demais o texto da Ilustríssima do último domingo com trechos de uma entrevista que o jornalista Jonathan Cott fez com a Susan Sontag para a revista Rolling Stone. A íntegra sai em breve no Brasil.

Leiam mais > Encontros com Susan – Fragmentos de uma entrevista de 1978

amor  ·  fotografia  ·  literatura  ·  vida