Favoritos

Posts da categoria "amor"

Matilde Campilho

por   /  07/07/2015  /  14:00

Matilde2

A gente é construção e não adianta fingir. A gente está aqui neste lugar lindo, com pessoas lindas, incríveis, mas o mundo está todo arrebentado. Aqui, na Europa, na Síria, nos nossos quartos, está tudo difícil. (…) A poesia, a música, uma pintura não salvam o mundo. Mas salvam o minuto. Isso é suficiente. A gente está aqui para dançar um pouquinho sobre os escombros. Não deixar que a poeira dê alergia nos olhos. Cada um faz como pode. O cirurgião vai tentar salvar todas as vidas que puder. A gente vai tentando salvar os segundinhos — da minha vida, da vida de todos meus amigos e de alguém que lê uma estrofe. E já é bom.

Matilde Campilho, poeta, autora de “Jóquei”, durante mesa na Flip.

Mais em > A poesia não salva o mundo, mas salva o minuto

Legal também o vídeo com ela na TV Folha > Sucesso na Flip, Matilde Campilho divide o coração entre Rio e Lisboa

E a entrevista que a Clara Cavour fez com ela, logo abaixo:

RETRATOS | MATILDE CAMPILHO from clara cavour on Vimeo.

amor  ·  fotografia  ·  literatura  ·  vídeo

Últimas conversas

por   /  08/04/2015  /  9:09

rsz_eduardo_coutinho

É impossível superar uma vida interrompida. Com morte por infarto ou velhice, a gente aprende a lidar. Com uma tragédia, criamos um espaço doído e intocável que se força e se esforça pra encontrar paz de vez em quando – e que entende que nunca vai conseguir sentir isso pra sempre de novo.

A minha tia morreu há mais de dez anos e nunca pôde ver quem eu me tornei. A cidade que escolhi para morar, a casa que transformei no melhor lugar do mundo, a profissão em que me formei, depois a que inventei. Não soube das minhas histórias de amor, das viagens que fiz, das que sonho fazer. Nunca ganhou um presente de Berlim ou Nova York, nem sabe das músicas que eu ouço hoje, dos filmes que vejo, quais livros já li daquela estante infinita.

Aprendi a disfarçar a dor. E tenho uma tristeza que me acompanha sempre desde o dia em que tudo acabou. Sei que ela não ia querer saber que eu sinto essas coisas e talvez seja por isso eu tento viver tão bem.

Tem dia que é foda.

Geralmente acontece quando alguém ou alguma coisa te lembra que não tem jeito, que aquela pessoa que você amava profundamente não vai viver de novo, por mais que a medicina, a ciência e a tecnologia avancem tanto. Acabou, finito, já era, zerou. O mundo dela nunca mais vai encontrar o seu.

Eduardo Coutinho foi um dos maiores cineastas do mundo. Morreu tragicamente há pouco mais de um ano, assassinado pelo filho, que sofre de esquizofrenia. Deixou de presente uma obra vasta, pequenos grandes tratados sobre o ser humano em sua essência. Sem filtro, só com verdade – até quando ela é mentira.

Muito antes de o Humans of New York existir (e ser uma das melhores coisas da internet hoje), Coutinho ouvia o que qualquer pessoa tivesse a dizer e extraía de cada uma sua melhor parte, ou a mais comovente. “Ser ouvido é uma das necessidades mais importantes do ser humano. Ser ouvido é ser legitimado”, diz ele em “Eduardo Coutinho. 7 de outubro”, filme que inverte os papéis e coloca o cineasta na frente das câmeras para ser entrevistado pelo documentarista Carlos Nader.

E ele ouvia com tanto interesse e tanto cuidado, sem preconceito ou julgamento. Tão raro, né? “É preciso amar pessoas e personagens. Com seus truques”, diz  ele em “Últimas conversas”, filme que estreia na vigésima edição do É Tudo Verdade – Festival Internacional de Documentários.

O desejo genuíno é a chave da ignição. E ele conduz, com suas perguntas lógicas e também com as absurdas. Ele que sabe escutar com interesse e paciência, o maior entrevistador do Brasil. Aquele que respeitava os silêncios – que tantas vezes fazia jorrar histórias e sentimentos de onde menos se esperava. Até mesmo em “um filme que deve dar errado”, como ele se refere ao “Últimas conversas”, montado por Jordana Berg e terminado por João Moreira Salles depois de sua morte. Entrevistando adolescentes, ele se questiona: “Se não estou curioso, falar pra que, pra quem?”. E do questionamento mais uma vez ele capta história comoventes.

Ver os filmes de Coutinho é um exercício gigante de empatia. É sentir a dor do outro, se colocar no lugar, querer entrar na tela e dar um abraço na maioria deles – no cara que canta “My way”, então, ai meu coração! É se ver em gente que não tem nada a ver com você. O cineasta universaliza a angúsita e a dor, nos coloca todos no mesmo lugar, transforma a tragédia em algo que faz com que a gente se entenda um pouco mais. Ele nos envolve na intimidade e na fragilidade do outro e nos faz melhor ao sair da sessão.

Viver é foda, puta que pariu, diria ele facilmente, jorrando palavrões, como sempre gostou. Vale a pena quando caras como ele criam um legado fascinante sobre a vida de gente comum. Ou quando você sai de um filme desses, pega o metrô pensando em vida e morte, e o shuffle do iPod toca “What a wonderful world”, música que você cantava para sua tia tentando fazer uma voz à la Louis Armstrong e acabava arrancando risadas deliciosas dela.

Tem dia que é foda.

Eduardo Coutinho 01

É Tudo Verdade – 20º Festival Internacional de Documentários

São Paulo e Rio de Janeiro de 09 a 19 de abril. Belo Horizonte de 29 de abril a 4 de maio, em Santos de 07 a 10 de maio e em Brasília de 27 de maio a 1 de junho.

www.etudoverdade.com.br

amor  ·  cinema  ·  escreve escreve  ·  especial don't touch  ·  fotografia  ·  vida  ·  vídeo

O que é o amor pra você hoje? A volta!

por   /  17/03/2015  /  20:20

o_que_é_o_amor_pra_você_hoje

Em 2009 criei a série O que é o amor pra você hoje?, em que fazia a pergunta para qualquer pessoa que encontrasse por aí.

O primeiro a responder foi o Juscelino, garçom do Balcão. No meio do caminho, tivemos Xico Sá, Dudu Bertholini, Bruna Surfistinha, Thiago Pethit, Clarah Averbuck, Contardo Calligaris, Valesca Popozuda, Lulina, Nina Becker, Soko, Buchecha (sem Claudinho), Ash, Carpinejar e vários anônimos de cidades como São Paulo, Recife e São Franscisco.

Foi lindo demais fazer essa série. Me surpreendi com a generosidade das pessoas de abrirem o coração – em alguns momentos, chorei junto. Depois de um tempo perdi a vontade de fazer a pergunta…

Até a semana passada, quando conheci a Clarice Freire, autora do fenômeno literário Pó de Lua. A Clarice é uma dessas pessoas que transborda amor. Depois de conversar por horas, me emocionar em vários momentos e ainda conhecer com ela refugiadas de guerra (!), tive vontade de fazer a pergunta de novo.

Vocês veem a resposta logo abaixo!

E conseguem relembrar a série aqui > bit.ly/oqueeoamorpravocehoje

Ficou com vontade de responder também? Manda seu vídeo usando a hashtag #oqueeoamorpravocehoje

Crush Songs, de Karen O

por   /  03/09/2014  /  22:22

Karen O

Sabe música que a gente ouve o dia inteiro no repeat? A nova da Karen O é assim.

“Day go by” faz parte do disco “Crush Songs”, que será lançado no próximo dia 09/09.

Tô apaixonada

Karen O 2

amor  ·  música  ·  vídeo

#OcupeEstelita, 17/06/2014

por   /  18/06/2014  /  11:11

Não tenho palavras pra expressar o que sinto diante do que está acontecendo no Recife. Ultraje, impotência, revolta, incredulidade são algumas coisas que passam na minha cabeça. As cenas vividas ontem pelos integrantes do movimento #OcupeEstelita são inacreditáveis. Reuni aqui textos, fotos e vídeos que tentam nos dar uma dimensão do caos que tomou conta da cidade. Obrigada a todos que lutam bravamente nessa terra que a gente tanto ama e que tanto nos decepciona. Força e muita resistência!

Do Mídia Capoeira: No dia do segundo jogo do Brasil na Copa do Mundo, o Governo do Estado tentou se utilizar da atenção das pessoas para o futebol e realizou a retirada das pessoas que ocupavam a área do Cais José Estelita. Mais de 20 dias depois da ocupação, os desrespeitos à legislação urbanística do Projeto Novo Recife já são de conhecimento público. O Ministério Público Federal já se posicionou contra a operação (http://www.prpe.mpf.mp.br/internet/Ascom/Noticias/2014/Nota-de-repudio-Reintegracao-de-posse-Cais-Jose-Estelita), assim como a imprensa nacional começa a denunciar (http://blogdojuca.uol.com.br/2014/06/o-novo-recife-e-o-movimento-ocupeestelita/). Assistam às cenas chocantes do vídeo gravado, editado e divulgado pelo movimento #OcupeEstelita

Anistia Internacional: Poucas horas antes do Brasil entrar em campo, a Polícia Militar de Pernambuco desocupou o Cais José Estelita, em Recife. A Anistia Internacional Brasil condena uso excessivo da força pela PM na desocupação do local. “Lamentável a desocupação violenta hoje, no Cais José Estelita, em Recife (PE), rompendo todos os acordos feitos com o poder público. O que está em jogo nisso é o projeto de cidade que a população quer e a participação da sociedade na escolha da ocupação de áreas nobres nas cidades”, afirma Atila Roque, diretor executivo da Anistia Internacional Brasil. Leia a nota pública > http://bit.ly/1lvW5Ig

Ivan Moraes Filho, jornalista: “O que querem fazer no terreno é o que estão fazendo com a gente aqui” Eu não lembro quem foi que disse isso enquanto driblávamos (muitas vezes sem sucesso) balas de borracha e bombas de efeito moral, ontem, durante os protestos do #ocupeestelita. Nada mais perfeito. A violência de quem reprime reuniões pacíficas, prende e fere pessoas que querem discutir uma cidade mais humana e justa. É a mesmíssima violência de quem utiliza o poder pra empurrar goela abaixo de uma cidade inteira projetos que ferem a nossa mobilidade, conforto, o direito à moradia. De quem descumpre acordos. A mesma de quem acha natural “cumprir ordens” que machucam a pele e a cidadania das pessoas. De quem acha que empresas e dinheiro valem mais do que pessoas. A violência e  covardia de quem escolhe sempre os mesmos alvos para serem atacados e pagarem as contas do “progresso” e do “desenvolvimento”. De quem passa por cima os processos legais sem constrangimento. A mesma violência inconsciente da jovem jornalista que pergunta a um ativista armado com um telefone celular se ele levou três tiros durante um “confronto” com policiais protegidos por armaduras e escudos. E tantas outras violências cotidianas que não ganham manchetes de jornais ou mesmo posts raivosos no feicebuque. Violências tantas vistas e sofridas por um bocado de gente que se acordou assustado numa manhã de terça-feira, num simbólico dia de jogo da seleção na Copa do Mundo. Que experimentou as formas mais óbvias de violência. Tiros, bombas, espadas, gás de pimenta, chicotes, escudos e cacetetes. Mas que não se deixou ferir. Um dia depois de tantas atrocidades não resta dúvida que o povo, desta vez, venceu a batalha.

Liana Cirne Lins, advogada, militante do Direitos Urbanos e professora da Faculdade de Direito do Recife – UFPE: Últimos minutos do dia que entrou para a história de Pernambuco como a ruína do estado democrático de direito e o fim da credibilidade das instituições estatais. O estado de exceção é o estado de Pernambuco. Desde a manhã está evidente para todos que o objetivo da ação policial nunca foi a desocupação do imóvel, tanto assim que não apenas não houve tentativa de desocupação amigável, como minha presença na qualidade de advogada para promover a desocupação voluntária foi impedida. O objetivo sempre foi a repressão violenta do Movimento Ocupe Estelita. Eu gostaria de não ter vivido o dia de hoje. Eu gostaria de não ter visto o que vi. Eu gostaria de não ter ouvido os gritos que ouvi e os barulhos de bombas e balas sendo disparadas. Eu gostaria de não ter perdido minha crença nas instituições jurídicas. Eu gostaria de não ter chorado, completamente impotente, na frente dos ativistas que eu desejava proteger e de costas para a polícia de choque que nos acuava. Eu gostaria de não ter visto Milton Petruczok sendo arrastado pelo pescoço, Cristina Lino Gouvêa sendo levada nua e imóvel com pontapés nas costas. Eu gostaria de não ter visto o sangue nas dezenas de feridos. Eu gostaria de eu mesma não ter sido agredida com um cacetete por um policial do GATI enquanto desempenhava meu papel de advogada. Eu gostaria de viver numa democracia. Mas hoje eu não tive nada do que eu gostaria de ter. E também hoje Ocupar Estelita ganhou um significado radicalmente maior. É mais do que uma luta pelo direito à cidade e contra uma prefeitura corrupta e um consórcio de empresas sem limites morais como a Moura Dubeux e a Queiroz Galvão. É agora também uma luta contra um governo do estado mentiroso e traidor, contra um judiciário que colocou em xeque sua imparcialidade. É uma luta contra um estado que faz as vezes de milícia do poder econômico. Estou indo dormir muito mais pobre do que acordei. Perdi sonhos e estou embrutecida pela brutalidade que testemunhei. Vou dormir com as dores físicas que senti na pele e com as dores morais que senti na alma. Mas vou dormir certa de que acordarei curada, porque nossa luta é um caminho sem volta. E nesse caminho os sonhos serão refeitos. E serão cada vez mais belos.

Kleber Mendonça Filho, cineasta, diretor de “O Som ao Redor”: Blitz de publicidade paga em jornal, TV de horário nobre, YouTube e Facebook, ação agressiva em dia de jogo do Brasil, sócio fala-mansa fazendo turnê em debates na imprensa sem revelar nada, escavadeiras a postos. É uma estratégia de guerra, toda desenhada. E o Movimento para o Recife só ganha força.

Chico Barros, juiz: Como juiz, não costumo exercer juízo de valor sobre a atuação de outros tribunais, mas como professor de Direito Processual desta vez usarei o permissivo da LOMAN: em pleno processo de negociação entre as partes, não há espaço para medidas adjudicatórias desse impacto. O Tribunal de Pernambuco foi precipitado, infeliz e contrário a tudo que hoje se estuda sobre a Justiça restaurativa. Contrário às recomendações internacionais sobre o tema, contrário aos programas do CNJ e assim por diante. No mais, como juiz, como professor, como cidadão, como pessoa humana, abomino a violência (tanto à direita quanto à esquerda).

Juka Kfouri, jornalista: O projeto “Novo Recife” é um projeto imobiliário que está destruindo uma área histórica da capital pernambucana para erguer as torres mais altas da cidade, num processo cheio de ilegalidades, já denunciado pelo Ministério Público Federal. Durante o processo o prefeito Geraldo Júlio (PSB) suspendeu o alvará de demolição e a reintegração de posse da área – ocupada pelos manifestantes. Hoje, se aproveitando do jogo do Brasil, a tropa de choque esteve no local às 5h. Muita bomba de efeito moral, muita bala de borracha, muita gente machucada e hospitalizada. Toda a ocupação foi feita de maneira pacífica e festeira. Xico Sá escreveu um texto lindo sobre o episódio. Como se pode ver numa das fotos abaixo, há um quadro com a programação que estava sendo feita no local: produção de malabares e brinquedos de papelão. Foi para remover esse pessoal perigosíssimo que o governador mandou a tropa de choque, com gás de pimenta, bala de borracha e bomba de efeito moral. O obra está embargada – segue uma foto de um post da prefeitura nas redes sociais, afirmando que o alvará continua suspenso. Não obstante as empreiteiras já enviaram para o local tratores, escavadeiras e funcionários para derrubar os galpões históricos.

João Valadares, jornalista: Hoje, dia 17 de junho de 2014, eu, João Lyra Neto, governador de Pernambuco, no gozo de minhas atribuições legais, autorizo todo e qualquer pernambucano a não cumprir os acordos firmados com o meu governo. Hoje, eu autorizo todo e qualquer pernambucano a não me respeitar e não confiar na palavra empenhada pelos meus secretários. No meu governo, acordos públicos são fechados e não cumpridos. Hoje, em Pernambuco, fica instituído o dia da desmoralização pública da minha gestão. As comemorações, por minha ordem, já foram iniciadas.
Revoguem-se todas as disposições em contrário.

Outra de João Valadares: A ação do Batalhão de Choque hoje, no Recife, foi autorizada por uma caneta magoada, preterida e cheia de tinta. O governador João Lyra, escanteado pelo presidenciável Eduardo Campos do processo eleitoral no quintal socialista, mostrou o que é capaz de fazer. Bastaram dois meses para virar o inimigo íntimo número 1 do ex-governador. Ironia que, na semana passada, ao avaliar a vaia tomada por Dilma na abertura da Copa, Eduardo Campos soltou um “a gente colhe o que a gente planta”. A ação desastrosa do Choque hoje ocorreu justamente no momento em que o prefeito do Recife, Geraldo Julio, autorizado por Campos, se movimentava para tentar negociar uma saída. No momento em que manobrava nos bastidores para transformar o limão numa limonada. O recurso seria julgado esta semana. Burrice política crônica do governador em antecipar a ação truculenta do Choque? Não acredito. O Choque fez o que sempre fez: desceu a porrada. Foi preparado para isso. Agora, o PSB no Recife é o PT do ano passado. A discussão e divergência são públicas. A roupa suja também. O prefeito declarou publicamente que foi surpreendido, a secretária Cida Pedrosa alegou no facebook que os acordos não foram respeitados. Comparou a ação da polícia de Lyra aos tempos da ditadura. No dia em que a Justiça concedeu a reintegração de posse, um dos secretários mais fortes de Geraldo Julio chegou a ligar para o secretário de Defesa Social de Pernambuco pedindo para que segurasse a execução da ordem. De nada adiantou. A caneta cheia de mágoa do governador é bem mais forte.

Juliana Cesar, advogada feminista e ativista de direitos humanos: O Consórcio Novo Recife concordou em suspender a reintegração enquanto está sendo conduzida a negociação na Prefeitura do Recife. Além disto, um acordo – noticiado na imprensa – estabeleceu que a reintegração, quando viesse a ocorrer, seria anteriormente discutida com todas as partes envolvidas, inclusive representantes da ocupação, para que ela fosse feita da maneira menos conflituosa possível. SECRETÁRIOS ESTADUAIS E OFICIAIS DA PM estavam presentes nesta reunião. Ontem à noite FALEI COM UM UM SECRETÁRIO ESTADUAL sobre um boato de reintegração e, após contato com a SDS, isto me foi TERMINANTEMENTE NEGADO. Este é o grau de confiabilidade deste Governo e a prova do desrespeito que ele possui com os direitos humanos, bem como do valor que dão às suas próprias palavras. GOVERNO VIOLENTO, COVARDE E SEM PALAVRA!

Leonardo Cisneiros, integrante do Direitos Urbanos e professor da UFRPE: João Lyra, cabra safado, sem vergonha! No interior, homem sem palavra não é homem! Choque perseguindo e encurralando manifestantes até no Pina! Fiquei encurralado entre um segurança armado de um restaurante e uns 20 caras do Choque. Paguei de transeunte, ia conseguir sair, mas um cachorro fardado me reconheceu e levei umas porradas de cassetete só por isso…

Nação Zumbi: Recife desfigurado e desmoralizado. Perdendo identidade e resgatando o coronelismo com força total. Resgate cultural do coronelismo. É o único resgate cultural que interessa ao governo do estado de Pernambuco neste momento. A Nação Zumbi não tem medo de governo ou prefeitura de Recife. Já discordamos anteriormente sobre a política empregada nas áreas culturais nas redes. Agora recente também discordamos da maneira com que foram feitas as ações relacionadas á ‪#‎ocupaestelita‬. Entendemos que temos o direito de discordar e o exerceremos se acharmos necessário. A distribuição inteligente de espaços da nossa cidade nos interessa e queremos um Recife/Olinda para todos. Cidades com boa infra-estrutura. Sabemos que temos um importante posicionamento político e gostamos de deixar isso bem claro apesar de não sermos chatos com isso. Sem medo de retaliações pelas partes envolvidas é isso que pensamos. Mais uma vez viemos dizer que discordamos de instituições e não pessoas.

Pierre Lucena: Como confiar em alguém que em um dia senta em uma mesa para negociar e no outro manda a PM para bater? Infelizmente a reação do Estado às manifestações do ano passado foi o reforço da repressão policial, quando deveria ser na melhoria da prestação de serviços e no aumento da transparência. Quem pensa que este tipo de atitude autoritária de empresas que mandam na cidade não estava na pauta da revolta popular, é porque realmente não entendeu nada da crise urbana que vivemos. #‎OcupeEstelita‬

Ana Paula Portella: Foi uma armadilha. Das mais perversas e nojentas, digna dos governos mais autoritários. Espalharam o boato sobre a reintegração, o que nos levou a checar a informação com o governo do estado, quando fomos tranquilizados e informados de que o acordo estava mantido. Os professores desse tipo de técnica ainda estão vivos na memória desse país. Liana Cirne Lins explica tudo aqui, direto do ‪#‎resisteestelita‬

Marcelo Pedroso, cineasta: A bravura da resistencia contra a covardia do Estado encontra foco no acampamento. A estrutura ja estava armada na noite de ontem, mesmo depois de horas de bombardeio e tiros! Quem puder ajudar, leve mantimentos, agua potaval, comida, produtos de higiene, extensao, fios eletricos, ferramentas e vinagre.

Chico Ludemir: O que vivemos hoje assim que o sol raiou no Cais José Estelita foram atos de terrorismo. A policia, a partir das 5h da manhã acordou a ocupação com seu cavalos e batalhão de choque. Em menos de uma hora tudo que havia no Cais já encontrava-se destruído. Para isso, usaram de força extrema, desmedida e, diante da resposta pacífica dos manifestantes, foram covardes e desumanos.

Carolina Leão, jornalista: O direito à cidade é o direito não à cidade arcaica e nostálgica de um passado, ou à da ideologia burguesa enquanto organismo econômico e social gerido por um aparato político-institucional, mas à vida urbana, à centralidade renovada, aos locais de encontro e de trocas, à informação, aos ritmos da vida e empregos do tempo (Manoel Rodrigues Alves).

Moacir dos Anjos, curador: As construtoras passam por cima de leis, embargos e acordos, com a participação ativa do Governo do Estado (PSB), via PM, e a Prefeitura (também PSB) ainda quer sair de bom-moço, como se não tivesse nada a ver com isso. Entendi mal ou é isso mesmo? Se é assim, é uma total desmoralização da autoridade do prefeito.

Leo Falcão, cineasta: It’s a clear undemocratic act against the law and the population, in a combined action of private economic power, an accessary Government and a negligent major media. For that, we ask the International community of media, social and political activists to share this violence practiced against the Brazilian people, who so far has fought only with arguments, art, joy and courage.

Pedro Caldas Ramos, 15 anos: Na maioria dos dias acordo as quatro da manhã, me arrumo, saio de casa, falo com o vigia. Na maioria dos dias ando pela Rua João Lira, onde vejo o céu quase claro, ando pela Rua da Aurora. Na maioria dos dias vejo o nascer do sol de dentro do Capibaribe, na maioria dos dias vejo um céu de Michelangelo. Vejo também o Recife Antigo, com seus prédios com mais histórias que um livro sagrado. Vejo o Recife acordar, vejo o mais belo. Não sou contra as causas dignas mesmo com seus problemas, NÃO GOSTO DOS PRÉDIOS, não queria morar em um apartamento, mesmo sendo ele antigo, NÃO GOSTO DOS PRÉDIOS, grande e acolhedor como uma casa, NÃO GOSTO DOS PRÉDIOS. Não imagino o nascer do sol atrás dos prédios, não imagino um Recife sem as quatro pontes que passo, não imagino o Recife cinza, imagino e verei sempre o Recife mais belo. O Recife que sempre me surpreende. O céu nunca igual, a água nunca igual, os prédios nunca iguais. Lutemos então pela nossa paisagem! Pois quero viver e dizer a sessenta anos “A CIDADE” é igual, a sessenta anos ela me surpreende, quero passar o resto dos meus dias me impressionando com a beleza do nascer do sol atrás da Prefeitura! ‪#‎OcupeEstelita‬ ‪#‎ResisteEstelita‬

A batalha pelo Cais José Estelita, por Renan Truffi > http://www.cartacapital.com.br/sociedade/a-batalha-pelo-cais-jose-estelita-8652.html

Conflito no centro histórico do Recife deixa 10 feridos, por Daniel Carvalho > http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidiano/171675-conflito-no-centro-historico-do-recife-deixa-dez-feridos.shtml

MPPE recebe denúncias de violência policial em reintegração de posse no Recife > http://g1.globo.com/pernambuco/noticia/2014/06/mppe-recebe-denuncias-de-violencia-policial-em-reintegracao-no-recife.html

Nota de repúdio do Ministério Público Federal > http://www.prpe.mpf.mp.br/internet/Ascom/Noticias/2014/Nota-de-repudio-Reintegracao-de-posse-Cais-Jose-Estelita

PM retira à força ocupantes do Cais José Estelita > http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2014-06/urgente-pm-retira-forca-ocupantes-do-cais-jose-estelita#.U6BNDHutBjI.twitter

Reintegração de posse no Recife termina com 4 detidos e 3 feridos > http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2014/06/1471756-reintegracao-de-posse-no-recife-termina-com-4-detidos-e-3-feridos.shtml

Repressão em “reintegração de posse” no Ocupe Estelita > https://www.facebook.com/media/set/?set=a.401288810009457.1073741866.285490214922651&type=1

#OcupeEstelita vai recorrer ao CNJ e reivindica soltura de jovem preso em reintegração > http://ne10.uol.com.br/canal/cotidiano/grande-recife/noticia/2014/06/18/ocupeestelita-vai-recorrer-ao-cnj-e-reivindica-soltura-de-jovem-preso-em-reintegracao-494254.php

Pra acompanhar:

Direitos Urbanos > https://www.facebook.com/groups/direitosurbanos/

Movimento #OcupeEstelita > https://www.facebook.com/pages/MovimentoOcupeEstelita/320033178143669?fref=photo

O outro compilado de links que fiz aqui > http://donttouchmymoleskine.com/ocupeestelita/

ativismo  ·  fotografia  ·  internet  ·  social  ·  vida  ·  vídeo