Favoritos

Corpo que vivem, sentem e se relacionam nas maravilhosas pinturas de Jade Marra

por   /  06/08/2018  /  8:08

DSC_1967

Desde a primeira vez que vi o trabalho de Jade Marra fiquei encantada pelas cores, pela textura, pelos corpos ali desenhados. Fui conversar com ela pra entender de onde vem tanta beleza e consistência, e como resultado agora quero ter uma obra dela na parede! Espero que gostem da entrevista.

Acompanhem a Jade > @dejadejadejadejadeja e jademarra.com

tela azul

– Conta um pouco sobre você, sobre como você se encontrou na arte e o que você mais gosta de pintar?

Sou a Jade, tenho 25 anos e vivo em Belo Horizonte. Em 2014 comecei a cursar artes plásticas na Escola Guignard, onde iniciei meu contato com a pintura. No segundo semestre de 2015, tive o privilégio de receber uma bolsa de um ano do programa Ciências sem Fronteiras para estudar artes visuais na Alemanha, o que foi determinante no meu amadurecimento como artista. Durante esse período, pude me dedicar integralmente a experimentar e entender meu lugar na arte, e foi também quando desenvolvi a série “Toque”, que considero meu primeiro trabalho com maior consistência artística.

A experiência de distância e ausência que vivi durante esse período me colocou em contato com sentimentos muito intensos e com a possibilidade de incorporá-los no meu trabalho. Aprendi aí a encontrar nos meus afetos pessoais a potência do que eu quero criar.

carne2018

– O que a arte representa na sua vida?

A arte, de um ponto de vista purista e ideal, representa a possibilidade de comunicação num plano sensível. A possibilidade de enxergar o mundo a partir da perspectiva do outro, de ter acesso a novas ideias e experiências. Por outro lado, a arte pode também representar um circuito extremamente restrito e elitista baseado em relações opressoras de poder.

vao1

– Quem são suas principais referências?

Francesca Woodman

Pina Bausch

Felix Gonzalez-Torres

Paula Rego

Guerrilla Girls

Regina Parra

Leonilson

Ana Mendieta

Emilio Vilalba

azul_1340_c

– Como é um dia na sua vida?

Ontem eu acordei, tomei café, atualizei meu portfólio, respondi e-mails, liguei pra minha mãe, fui ao banco, fui ao supermercado, li coisas diversas, procurei editais, desenhei, paguei meu aluguel, fiz uma torta de maçã, jantei, vi um filme e dormi. Zero glamour, muita vida real.

DSC_1968

– O que você acha que faz seu trabalho reverberar? Quais são os temas que você acha mais importante abordar?

Eu trabalho a relação de afeto entre o corpo da minha companheira Luíza e o meu próprio corpo. Acredito que o afeto seja esse elemento que reverbera, cria identificação e empatia. Além disso, vale ressaltar que estou falando do afeto entre duas mulheres. O corpo da mulher lésbica existe socialmente em duas margens extremas: ou é apagado por não estar conforme o padrão de feminilidade, ou objetificado e fetichizado em função do prazer masculino. Considero meu trabalho político à medida que, trazer minha relação pessoal para a minha pesquisa artística, coloca o corpo lésbico em posição de protagonista e de propositor. Quem estabelece contato com o meu trabalho passa a ter contato também com um corpo que vive, sente e se relaciona como qualquer ser humano dotado de sensibilidade.

photo-1---Jade-Marra_1340_c

– Como é ser mulher no seu meio?

Outro dia saiu o resultado de um edital ao qual eu estava concorrendo. Dos 9 selecionados, uma mulher. Existem camadas veladas de misoginia nas mais diversas esferas da arte, é vergonhoso. Precisamos estar atentas e conscientes e ajudarmos umas as outras a conquistar respeito e reconhecimento.

JESUS OR LESBIAN_

Esse trabalho joga com uma inversão de perspectiva. Uma mesma imagem apresentada ora em uma orientação, ora em outra, permite uma alternância entre símbolos associados a visões de mundo contrastantes. Quando o mesmo elemento visual é capaz de representar sujeitos antagônicos, cria-se uma sensação de similaridade capaz de questionar a efetiva oposição entre categorias que podem estar relacionadas a estes sujeitos. 

#minasdonttouch  ·  amor  ·  arte  ·  entrevistas  ·  especial don't touch

Deixe seu comentário