Favoritos

o nosso mal-estar amoroso

por   /  21/09/2010  /  17:03

O nosso mal-estar amoroso, por Contardo Calligaris

Na semana passada, graças ao IBGE (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio, migre.me/1hb92), aprendemos que, em média, no país, há 105 homens solteiros por cada cem mulheres com o mesmo estado civil.

Claro, em cada Estado a situação é diferente. No Distrito Federal há mais solteiras do que solteiros, no Rio de Janeiro dá empate e Santa Catarina é o paraíso das mulheres (122 solteiros por cada cem solteiras). De qualquer forma, no Brasil como um todo, é impossível afirmar que “faltam homens no mercado”.

A Folha, na última quinta (9/9), entrevistou algumas mulheres; uma delas comentou: pouco importa que haja mais homens do que mulheres, o problema é que os homens, depois de um encontro ou dois, dão “um chá de sumiço”. Ou seja, pode haver muitos homens, mas eles só querem pegação.

No domingo passado, um leitor escreveu à ombudsman do jornal para protestar: segundo ele, quem não quer nada sério são as mulheres, que são “fúteis e fáceis”, salvo quando o homem começa “a conversar sobre algo sério”, aí ELAS dão o tal chá de sumiço.

Em suma, faltam homens ou mulheres? E, sobretudo, números à parte, quem está querendo só pegação: os homens ou as mulheres?

Acredito na queixa dos dois gêneros. Resta entender como é possível que a maioria tanto dos homens quanto das mulheres sonhe com relacionamentos fixos e duradouros, mas encontre quase sempre parceiros que querem apenas brincar por uma noite ou duas. Se homens e mulheres, em sua maioria, querem namorar firme, como é que eles não se encontram?

Haverá alguém (sempre há) para culpar nosso “lastimável” hedonismo -assim: todos esperamos “naturalmente” encontrar uma alma gêmea, mas a carne é fraca.

Homens e mulheres, desistimos da laboriosa construção de afetos nobres e duradouros para satisfazer nossa “vergonhosa” sede de prazeres imediatos.

Os ditos prazeres efêmeros nos frustram, e voltamos de nossas baladas (orgiásticas) lamentando a falta de afetos profundos e eternos.

Obviamente, esses afetos não podem vingar se passamos nosso tempo nas baladas, mas os homens preferem dizer que é por culpa das mulheres e as mulheres, que é por culpa dos homens: são sempre os outros que só querem pegação.

De fato, não acho que sejamos especialmente hedonistas. E o hedonismo não é necessário para entender o que acontece hoje entre homens e mulheres. Tomemos o exemplo de um jovem com quem conversei recentemente:

1) Com toda sinceridade, ele afirma procurar uma mulher com quem casar-se e constituir uma família.

2) Quando encontra uma mulher que ele preze, o jovem sofre os piores tormentos da dúvida: será que ela gostou de mim? Por que não liga, se ontem a gente se beijou? Por que ela leva tanto tempo para responder uma mensagem?

Essa mistura de espera frustrada com desilusão é, em muitos casos, a razão de seu pouco sucesso na procura de um amor, pois, diante das mulheres que lhe importam, ele ocupa, inevitavelmente, a posição humorística da insegurança insaciável: “Tudo bem, você gosta de mim, mas gosta quanto, exatamente?” Se uma mulher se afasta dele por causa desse comportamento, ele pensa que a mulher só queria pegação.

3) Quando, apesar dessa dificuldade, ele começa um namoro com uma mulher de quem ele gostou e que também gostou dele, muito rapidamente ele “descobre” que, de fato, essa nova companheira não é bem a mulher que ele queria.

4) Nessa altura, o jovem interrompe a relação, que nem teve tempo de se transformar num namoro, e a mulher interpreta a ruptura como prova de que ele só queria pegação.

Esse padrão de comportamento amoroso pode ser masculino ou feminino. Ele é típico da cultura urbana moderna, em que cada um precisa, desesperadamente, do apreço e do amor dos outros, mas, ao mesmo tempo, não quer se entregar para esses outros cujo amor ele implora.

Em suma, “ficamos” e “pegamos”, mas sempre lamentando os amores assim perdidos, ou seja, procuramos e testamos ansiosamente o desejo dos outros por nós, mas sem lhes dar uma chance de pegar (e prender) nossa mão. Esse é o roteiro padrão de nosso mal-estar amoroso.

Para quem gosta de diagnóstico, é um roteiro que tem mais a ver com uma histeria sofrida do que com o hedonismo.

_________________________________________________________________________________________

A foto é de Clara Román

6 Comentários Deixe seu Comentário

  • Mayko • 21.09.2010 @ 23:04 responder

    saque isso doido

  • Ricardo • 22.09.2010 @ 10:02 responder

    Ainda bem que existem pessoas com a capacidade de entender a esquizofrenia alheia. Só faltou a prescrição do remédio que ira resolver nossos males.

  • Ana • 22.09.2010 @ 11:56 responder

    Impressionante. O post descreve exatamente algo que eu venho pensando há algum tempo: o tamanho e a importância das inseguranças nos relacionamentos e o quão necessário é dribá-la. Eu estou tentando e não vem sendo fácil… Mas os resultados aparecem. Depois que resolvi me entregar mais para as pessoas, seja em relacionamentos amorosos ou amizades, os outros também passaram a agir diferente comigo. Longe de ter me tornado alguém fácil, eu só passei a fazer mais o que eu quero, dizer o que eu penso e sinto e me preocupar menos com o que os outros pensam disso. Uma experiência interessante pra quem está disposto a tentar.

  • Gabriela Galvão • 22.09.2010 @ 12:40 responder

    Maior bobagem, qerer saber d qem eh ‘a culpa’.

    O negócio eh esse: ñ depende do sexo.

    Eu acho q eh mto simples: eh mto difícil q vc esbarre com a pessoa com a qal vc vai qerer ficar. Com pessoas c as qais vc qereria ficar, q seja. mto difícil.

    O negócio eh q acontece d vc esbarrar, pedir desculpa, pagar um suco como gentileza, e vira um passeio, um cinema, um jantar, uma festa, uma transa, 2, 3, namoro… E ainda assim, a pessoa vai e sarta. Mesmo q ache q vcs dois eram um bom par. Isso aih q ñ ‘fecha’, pra mim.

    Mas q seja, tb.

  • Bruna Cabanne • 23.09.2010 @ 01:47 responder

    Concordo com a Ana.
    É dificil ignorar, de certa forma, tudo o que achamos sobre o amor, sobre o gostar e sobre o possuir alguém.
    Nossa cultura, por um lado, nos ensina que quem gosta menos, é player. Quem gosta mais, é iludido.
    Não dá pra jogar como desejamos ou conforme o que sentimos?
    Acima de tudo, tentar jogar limpo e igual?

    As pessoas querem um relacionamento decente e longo, mas a maioria nunca deu chance pra que tal aconteça.

    Beijos.

  • amanda • 26.09.2010 @ 19:00 responder

    “procuramos e testamos ansiosamente o desejo dos outros por nós, mas sem lhes dar uma chance de pegar (e prender) nossa mão”

    ai, contardo calligaris e sua precisão ao falar das nossas confusões.

Deixe seu comentário