Favoritos

Posts da categoria "arte"

Desenhar para estimular a criatividade

por   /  21/01/2015  /  16:30

Paulo von Poser 2

Sempre fui do tipo que faz mil coisas ao mesmo tempo. Sonho em ser monotasker, enquanto na maior parte do tempo ainda me desdobro para dar conta do que invento fazer. Uma das poucas vezes na vida em que entrei em um estado de concentração absoluta aconteceu quando fiz aula de desenho com o Dudi Maia Rosa. Passei alguns bons minutos me perdendo na tentativa de desenhar umas pedras que ele tinha recolhido do parque. Eu, que me arrisco no máximo a fazer boneco de palitinho, me vi pela primeira vez no flow, tentando expressar alguma coisa pela imagem. Foi demais!

Dia desses, o pessoal da Remix Social Ideas me perguntou se eu queria em fazer uma entrevista com o Paulo von Poser, um dos professores do curso Intensivo da The School of Life, que acontece a partir deste próximo fim de semana. Quando vi que o Paulo é desenhista, artista plástico e arquiteto, lembrei da aula e mandei umas perguntas pra ele.

Pra começar, perguntei qual é o primeiro passo que se deve dar deixar de dizer “mas eu não sei desenhar, só faço boneco de palitinho!”. E ele disse: Rabiscar violentamente, observando a respiração e o som do desenho, identificar o bloqueio crítico de controle e julgamento que te deixa irritado e frustrado ao desenhar, abandonar os modelos pré-estabelecidos, conhecer museus e ‘curtir’ a história da arte. É fundamental adquirir o hábito de anotar tudo e carregar sempre uma caderneta”.

Não é preciso se preocupar em desenhar bem, achar um estilo. “A letra de cada um já é um desenho, nossa identidade é o desenho das nossas impressões digitais.” Talvez por entender isso intuitivamente, Paulo começou a desenhar brincando com a comida que sobrava no prato nos almoços de família. Formou-se em arquitetura e também virou ceramista, ilustrador e professor. Completou 30 anos de carreira em 2012, com retrospectiva no Museu Brasileiro de Escultura e exposição no Museu de Arte Sacra.

Quando olha para sua trajetória, percebe que o desenho o ensinou a ensinar. “A beleza do desenho é sua incompletude e a abertura para o outro. Quem vê um desenho meu desenha também”, diz.

Para ele, desenhar estimula a criatividade. “Sentir e ‘sair’ do tempo pode ser um jogo interessante. Você pode desenhar em segundos ou demorar anos sem acabar, mesmo assim sua maior qualidade ainda é a síntese.” Ainda mais nesses tempos acelerados em que vivemos. “Estamos pressionados hoje: temos que ser responsáveis, bem sucedidos, ser saudáveis, conscientes e sustentáveis. Estamos exaustos de nós mesmos. Ser diletante pode ser revigorante, pois te esvazia e te prepara para novos propósitos.”

____________________________________________________________________________________________________

Paulo von Poser é um dos professores no curso Intensivo que a The School of Life realiza em São Paulo entre os dias 23 e 27/01. Para saber mais > http://bit.ly/183FQ0t

Outro convidado é o David Baker, que já entrevistei por aqui > http://bit.ly/1bV4Ogn

arte  ·  entrevistas  ·  especial don't touch  ·  jornalismo

Um monte de coisa linda no Instagram

por   /  03/12/2014  /  9:09

sd

Um monte de coisa linda que achei no Instagram!

Aliás, vocês já seguem o Don’t Touch por lá? www.instagram.com/donttouchmymoleskine

Pra começar, não tenha medo do oceano, por @sejkko

livro

Ler juntinho. Do @theacademynewyork

dream

Para lembrar sempre! Da @anastrumpf

s

Um passaporte, por favor! Por @inayali

hans

Para refletir. Por @hansulrichobrist

nicanor

Respiro. Por @nicanorgarcia

time

Contagem. Do @taxiamarelony

karen

Oi, dezembro! Fofo demais o #calendáriosonoro feito por @karenhofstetter, @lucianaelaiuy e @musiquice!

macenzo

Bom dia! Que seja colorido assim, como na foto do @macenzo

amor  ·  arte  ·  fotografia

Pedra de sal, de Alessandra Leão

por   /  11/11/2014  /  14:14

Alessandra Leão

Alessandra Leão é uma das minhas cantoras e compositoras preferidas. Ela acaba de lançar seu novo EP, “Pedra de sal”. “Tatuzinho” não sai do repeat desde que a vi cantar com Kiko Dinucci na Casa de Francisca.

Ouçam e tenham um dia cheio de poesia!

Que vontade de pegar nessa mão
Mas será que eu não paro de olhar tua boca a falar
E eu vou te beijar pra ver como é que fica
Não vou desgrudar pra ver no que é que dá

Que vontade de pegar nessa mão
Mas será que eu não paro de olhar tua boca a falar
E eu vou te beijar pra ver como é que fica
Não vou desgrudar pra ver no que é que dá

Que vontade de pegar
Eu não paro de olhar
Eu vou te beijar pra ver como é que fica
Não vou desgrudar pra ver

Ouçam > http://www.alessandraleao.com.br/novo/

amor  ·  arte  ·  música

No fim a gente só quer ouvir um eu te amo

por   /  09/09/2014  /  9:09

Einmusik

Gosto de ouvir disco pela capa. E essa do Einmusik é sensacional!

Einmusik é Samuel Kindermann, DJ alemão sobre o qual nunca tinha ouvido falar. Mas hoje é dia de ficar procurando coisa nova pra ouvir, e daí veio ele.

10 Years beetween studio and club, between aiport halls, cold tea and afterpartys. 10 Years dusty shoes and endorphin after one of those gigs under the burning sun. 10 Years draging cases and hotel life. Einmusik is an electronic musician, who took the ladder step by step. Hard work, dreamly breaks, hard disks full of ideas and the mind full of inspiring moments made him a well known producer & Live-Act over the time.

Mais em > https://soundcloud.com/einmusik

amor  ·  arte  ·  design  ·  música

1 dor profunda de amor

por   /  11/07/2014  /  9:09

hony

O Humans of New York me emociona a cada post.

O de ontem foi de cortar o coração:

“We were twenty-five and twenty-eight, but we acted like fifteen year olds. Fighting over little things, storming off, breaking up for a week and then getting back together. But developmentally, we were fifteen year olds. We’d been in the closet our whole lives, so we didn’t have any practice with relationships. He still hadn’t come out to his family and a lot of his friends. We were on one of our ‘little breaks’ when he died suddenly from a seizure. And nobody in his family or circle knew I existed. It took me four months to find out that he died. I thought he’d just decided never to talk to me again. His family never found out about me. Or him, for that matter.”

amor  ·  arte  ·  fotografia  ·  internet  ·  nova york